• MAIS LIDAS
  • QUIZ
  • VÍDEOS
  • ANUNCIE


Conheça a primeira mulher a ganhar um dos maiores prêmios de matemática do mundo

POR Leticia Rocha    EM Ciência e Tecnologia      21/03/19 às 15h56

Com certeza, você já deve ter percebido que a presença das mulheres no mundo das exatas não é tão maciça. Além, é claro, daquele velho discurso de que lugar de mulher é na cozinha. Mesmo várias mulheres tendo realizado descobertas incríveis no mundo das ciências, o nome delas poucas vezes é lembrado.

Quer que eu te prove? Me diga o nome de ao menos uma mulher importante para a história, uma que tenha inventado algo grande e significativo. Provavelmente, você não vai se lembrar de nenhuma ou de pouquíssimas e olha, nós não te culpamos por isso. Apesar de essas mulheres existirem e terem realizado grandes feitos, os nomes delas raramente aparecem.

Felizmente, as coisas têm evoluído, ainda que a passos lentos, as mulheres vêm ganhando espaço e reconhecimento! Foi isso o que aconteceu com Karen Uhlenbeck, a primeira mulher a levar o prêmio Abel.

Prêmio Abel

Não existe um prêmio Nobel de Matemática para reconhecer os maiores avanços nesse campo, a premiação mais semelhante a essa que existe é o prêmio Abel. Desde 2003, anualmente, são premiados aqueles que fizeram avanços importantes no estudo da matemática.

Neste ano, a professora Karen Uhlenbeck, de 76 anos, da Universidade do Texas, levou o prêmio. A estudiosa conseguiu descrever a forma complexa com que as bolhas de sabão formam em espaços curvos e abstratos. Seu estudo ajudou na criação do campo de análise geométrica.

Sua pesquisa era um exemplo de problema de otimização. Eles são complexos de resolver e às vezes podem simplesmente não ter uma resposta específica, mas Karen conseguiu chegar aos dados corretos. Além do reconhecimento pela pesquisa, a matemática também ganhou um prêmio de 700 mil dólares que ainda não sabe como vai usar.

Outras conquistas de Karen Uhlenbeck

Karen Uhlenbeck começou a publicar suas principais pesquisas quando tinha apenas 30 anos de idade. Poderia inclusive ter sido premiada com uma Medalha Fields, que premia os pesquisadores mais talentosos que têm menos de 40 anos. Mas naquela época, seus estudos não ganharam tanta notoriedade e é claro que o fato de ela ser mulher, complicava essa conquista. Aliás, apenas uma mulher em toda a história ganhou essa medalha, foi Maryam Mirzakhani.

Mas aos poucos, Karen foi conseguindo notoriedade. Em 1990, por exemplo, ela foi a segunda mulher na história a palestrar no Congresso Internacional de Matemáticos. Emmy Noether, em 1932, havia sido a primeira mulher a realizar o feito. Todos os anos, entre 10 e 20 pessoas palestravam, e durante todo esse tempo, apenas homens eram selecionados.

Mas não foram essas diferenças e dificuldades que interferiram na jornada de Karen, que hoje tem um dos maiores prêmios do mundo da matemática nas mãos. E você, é do tipo que gosta de matemática ou do tipo que odeia? Nos conte aqui nos comentários! Aproveita e marca as amigas que adoram ver as mulheres conquistando seu espaço cada dia mais!

Aliás, se quiser ler mais matérias relacionadas ao assunto, não deixe de acessar a nossa categoria "Ciência e Tecnologia". Lá você vai encontrar vários textos sobre as novas pesquisas e avanços que estão sendo feitos na área.

Próxima Matéria
Via   revistagalileu  
Leticia Rocha
Jornalista e aprendiz de Dani Noce. No insta é ticia_rochaa
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+