Entenda como um grupo de macacos do Panamá acaba de entrar na Idade da Pedra
Tempo de leitura:2 Minutos, 5 Segundos

Entenda como um grupo de macacos do Panamá acaba de entrar na Idade da Pedra

Todo mundo tem suas matérias preferidas enquanto ainda está no colégio, mas independente disso, existem alguns assuntos discutidos em sala de aula que acabam nos marcando, não é mesmo? Por exemplo, será que você se lembra daquelas aulas de História, onde o tema era a Idade da Pedra? Caso não se recorde, foi nesse período que os humanos começaram a criar as primeiras ferramentas, feitas a partir da pedra. Podemos considerar que esta era a tecnologia mais avançada da época.

E tudo indica que nós não seremos os únicos a passar por esta fase. Pesquisadores descobriram que um grupo de cebus capucinus, também conhecidos como macacos-prego-de-cara-branca, entrou na Idade da Pedra. Dessa forma, acabaram se tornando a quarta espécie de primatas a fazer isso depois de nós. São dados realmente incríveis e que nos mostram todo o poder da evolução.

A descoberta

Os macacos foram encontrados em uma pequena ilha na costa do Panamá, chamada de Jicarón. No entanto, ainda vale ressaltar que não são todos da espécie que entraram no período. Há um grupo em especial que começou a usar pedras como ferramentas para quebrar mariscos e nozes, formado apenas por machos de uma determinada região da ilha. Segundo  Brendan Barrett, líder do estudo: “Ficamos surpresos que esse comportamento pareça geograficamente localizado”.

Apesar da informação ter sido divulgada apenas recentemente, foi em 2004 que os macacos foram flagrados pela primeira vez usando pedras. No entanto, pesquisadores voltaram na ilha somente em março de 2017. Tiveram então a brilhante ideia de colocar câmeras escondidas por diferentes pontos da região, a fim de flagrar os animais no ato.

Os bichos foram pegos quebrando côcos, nozes, mariscos e caranguejos com pedras. Mas a equipe de pesquisadores não sabe explicar os motivos para o comportamento não ter se espalhado entre os outros macacos. No entanto, acreditam que à medida que o tempo passar e a convivência entre eles for sendo afunilada, logo os outros estarão copiando o ato.

Ao contrário do que antes acreditavam, o comportamento pode não ter sido algo já esperado. Na verdade, tudo pode ter acontecido pelo acaso. Um indivíduo mais inteligente pode ter usado a pedra como ferramenta e os outros apenas reproduziram o que viram. Em todo caso, a equipe está intensificando as pesquisas. A intenção é entender melhor o que está acontecendo com os macacos da ilha.

E então pessoal, o que acharam? Compartilhem suas ideias com a gente aí pelos comentários!