Mundo Animal

Gato-bravo-de-patas-negras: o felino mais mortífero do mundo

0

Nos últimos meses, o tweet do biólogo André Aroeira viralizou ao brincar sobre o comportamento do gato-bravo-de-patas-negras (felis nigripes), que é conhecido como “felino mais mortífero do mundo”. O texto era acompanhado de duas fotos do animal que parecia ser menor que um gato doméstico.

Para muitas pessoas, um felino selvagem é a imagem de leão, leopardo e tigre, mas as aparências podem enganar. A espécie mostrada pelo biólogo é considerada a mais letal de todos os gatos, isso porque atinge o alvo em 60% das vezes, conforme informações de especialistas na série Big Cats, da BBC.

“Felis nigripes é o nome de uma espécie de felídeo selvagem africana, e não de uma raça”, explica o professor e coordenador Frederico Vaz, do curso de Medicina Veterinária da Faculdade Anhanguera de São Bernardo do Campo.

Tamanho do felino

Foto: Reprodução/Mdig

Nativo da África, o felino é o menor gato do continente, medindo um comprimento de 35 a 52 cm. De acordo com o médico-veterinário José Mouriño, que atua em uma clínica de animais silvestres, a espécie é considerada uma das menores do mundo. 

“Estes gatos pesam, em média, 2 kg. As fêmeas são menores e pesam cerca de 1,5 kg, mas há fêmeas que pesam até 1,3 kg. Para se ter uma ideia, o furão-doméstico tem este mesmo peso. Alguns machos podem chegar a até 2,5 kg, mas, mesmo assim, é do tamanho de um mini coelho”, informa Mouriño.


O gato também possui uma aparência graciosa de um felino selvagem, com pequenas manchas e listras no corpo. Mas são as patas as responsáveis pelo nome, de acordo com o médico-veterinário, a tradução de “felis nigripes”, para o português é “pé preto”. Isso porque a sola das quatro patas do animal são escuras.

A pelagem do animal é densa e macia e ajuda a proteger do frio intenso das noites desérticas. A espécie é endêmica da África Austral, tendo uma distribuição menor comparada à de outros felinos da região. No entanto, esses felinos também podem ser encontrados na África do Sul ao norte, em Botsuana, Namíbia, Zimbábue e no sudeste da Angola.

Características do gato-de-patas-negras

“O gato-de-patas-negras é um felino solitário e de hábito noturno, sendo difícil de ser avistado na natureza por conta do seu tamanho reduzido em relação a outros grandes felinos selvagens”, explica o médico-veterinário Renzo Soares, que trabalha com animais selvagens.

O animal consegue desaparecer rapidamente pelas plantas do deserto e saltar muito alto, conseguindo capturar pássaros no ar. Mas, também, caça pequenos anfíbios, répteis e até insetos, como aracnídeos, para se alimentar.

De acordo com Renzo, o animal possui alto rendimento quando comparado com outros felinos em termos de caça. Os gatos-bravos-de-patas-negras capturam cerca de 14 presas durante o seu período ativo.

“Estes gatos caçam à noite e não são arborícolas, a espécie tem que ficar andando muito por longo tempo para conseguir encontrar as presas e se alimentar”, informa.

Outra característica do gato é a curta expectativa de vida devido à biodiversidade, vivendo cerca de sete a dez anos na natureza. Além disso, na África, a espécie é presa de cobras e aves de rapina. 

A espécie quando vive em cativeiro, sem passar fome e frio e, com cuidados médicos, pode sobreviver até 13 anos.

Estilo de vida

Foto: Freepik

O pesquisador de pequenos felinos e professor da Universidade de Colônia, na Alemanha, Alexander Sliwa, colocou coleiras localizadoras em 65 destes gatos. Com isso, descobriu que eles vivem em tocas subterrâneas de lebres, onde criam os filhotes durante o ano.

De acordo com o professor, essa espécie é selvagem, não domesticável e não sociável com humanos. Além disso, eles possuem um estilo de vida solitário, menos nos períodos reprodutivos.

Muitas pessoas desejam domesticar o animal por causa do seu tamanho pequeno, mas isso é bastante difícil. “É pouco provável que o ser humano interaja facilmente com a espécie, porque eles são bichos muito ariscos e reservados. Eles têm a característica de viver e caçar sozinhos, não andam nem em duplas. Além disso, não se trata de um bicho que se vê com frequência: eles andam escondidos”, informa o pesquisador.

Apesar de acreditar que caso um filhote seja capturado, talvez seja possível domesticá-lo, já que os gatos domésticos também eram felinos selvagens antes, o pesquisador aponta que o gato-bravo-de-patas-negras tem um comportamento arisco e reservado.

“O manuseio, como o que acontece com os gatos domésticos, é bastante difícil. A gente vê isso com aqueles gatos que são misturados com felinos selvagens, como as raças caracat, savannah e ocicat. Estes animais são mais ativos, costumam miar mais e não gostam de visitas – completamente diferente de um gato persa ou britânico de pelo curto, que gostam de colo e carinho”, explica.

O pesquisador destaca que o ideal é divulgar sobre a espécie para fazer mais pessoas ajudarem de forma financeira as instituições que tentam preservá-la na África e não tentar domesticá-los.

Fonte: Vida de Bicho

A história de Harry e Meghan, o casal que deixou a realeza britânica

Matéria anterior

McGregor faz proposta bilionária para comprar o Chelsea

Próxima matéria

Comentários

Comentários não são permitidos