Natureza

Nova espécie de primata grande é descoberta na Alemanha

0

Recentemente, uma nova espécie de primata foi descoberta, e adicionou um animal diferente no rol que já conhecemos!

Gorilas, chimpanzés e outros grandes primatas são geralmente associados à África (ou à Ásia, no caso do orangotango), mas, no passado, a Europa também foi lar de alguns dos maiores símios do planeta.

Denominado Buronius manfredschmi, esse novo grande símio nunca antes visto tem um peso estimado de cerca de 10 quilos, tornando-se o menor já classificado nessa categoria.

A pesquisa, publicada na revista PLoS ONE, estima que o animal viveu há aproximadamente 11 milhões de anos.

Os pesquisadores localizaram amostras da nova espécie em uma concentração de argila na cidade de Hammerschmiede, na Alemanha. A camada tinha data do final do período Mioceno.

As amostras de dentes coletadas indicam que os Buronius eram habilidosos escaladores de árvores e seguiam uma dieta composta por alimentos macios, como folhas.

Nova espécie de primata

Via Olhar Digital

Um detalhe interessante é que o Buronius não foi o único da nova espécie de primata a viver na área. Em 2015, pesquisadores identificaram indícios de outra espécie de símio até então desconhecida, o Danuvius guggenmosi, no mesmo sítio arqueológico.

Isso indica que os dois animais compartilharam a região no mesmo período. Os cientistas acreditam que eles viviam em harmonia, pois tinham hábitos diferentes.

Os Danuvius possuíam um esqueleto ereto, sugerindo que andavam sobre duas pernas e viviam principalmente no chão, enquanto o Buronius, mais recente, provavelmente era um grande escalador.

Os grandes símios, hoje encontrados apenas na África e no Sudeste Asiático, já habitaram a Europa no passado. No entanto, eles foram extintos durante o Mioceno Superior, um período entre 11,63 milhões e 5,33 milhões de anos atrás, quando uma grande mudança climática ocorreu no continente e a escassez de alimentos pode ter contribuído para sua extinção.

Semelhantes

Os grandes primatas, também conhecidos como hominídeos, incluem gorilas, chimpanzés, bonobos, orangotangos e humanos. Esses primatas, apesar de suas diferenças, compartilham várias características importantes. Gorilas, por exemplo, habitam as florestas tropicais da África Central e são os maiores primatas vivos, com machos pesando até 200 kg.

Eles são principalmente herbívoros, alimentando-se de folhas, brotos e frutas, e vivem em grupos liderados por um macho dominante conhecido como “silverback”. Sua locomoção é quadrúpede, utilizando os nós dos dedos para se apoiar no chão, um comportamento conhecido como “knuckle-walking”.

Chimpanzés, encontrados nas florestas e savanas da África Central e Ocidental, são menores que os gorilas, com machos pesando entre 40 e 60 kg. Eles têm uma dieta mais variada, incluindo frutas, folhas, sementes e até carne.

Via Pexels

Chimpanzés também são conhecidos por suas complexas estruturas sociais e comportamento cultural, utilizando ferramentas e caçando em grupos organizados. Eles se locomovem tanto de forma quadrúpede, como os gorilas, quanto bípede, especialmente quando carregam objetos.

Enquanto isso, os Bonobos, que vivem nas florestas da bacia do Congo na África, são muito semelhantes aos chimpanzés, mas são geralmente mais pacíficos e têm uma sociedade matriarcal.

Sua dieta se compõe principalmente de frutas, mas também inclui folhas, flores e pequenos invertebrados. Bonobos são conhecidos por resolverem conflitos através de comportamentos sociais complexos e intimidade física.

Tropicais

Orangotangos, nativos das florestas tropicais de Sumatra e Bornéu, na Ásia, são os maiores primatas arborícolas. Eles têm braços longos e fortes, adaptados para balançar entre as árvores, e uma dieta que consiste principalmente de frutas, além de folhas e insetos.

Orangotangos são mais solitários comparados aos outros grandes primatas, com fêmeas cuidando de seus filhotes por longos períodos.

Por fim, os humanos, espalhados globalmente, são únicos entre os grandes primatas devido ao seu alto nível de inteligência, uso extensivo de ferramentas, linguagem complexa e capacidade para criar culturas e sociedades sofisticadas.

Humanos são bípedes, o que significa que andam sobre duas pernas, e têm uma dieta extremamente variada.

Na prática, as semelhanças com a nova espécie de primata são mínimas, mas relevantes para a ciência.

 

Fonte: Olhar Digital, Wikipedia

Imagens: Olhar Digital, Pexels

Cientistas buscam par para ‘planta mais solitária do mundo’

Artigo anterior

O gene não é egoísta: entenda a tese que irá revolucionar a biologia

Próximo artigo