Ciência e Tecnologia

5 curiosidades sobre o universo que você não conhecia

0

O universo é um assunto que, desde o começo dos tempos, aguça a curiosidade do homem. Tamanha era a curiosidade do ser humano sobre as estrelas, os astros, as galáxias e os planetas, que a astronomia foi criada como um campo de estudo destinado a entender mais sobre tudo que ali acontece.

Estima-se que o Universo exista a, pelo menos, 13 bilhões de anos. Mesmo com a incrível quantidade de galáxias existentes, estrelas e planetas, acredita-se que o universo seja mais vazio do que imaginamos, isso porque a distância entre os corpos celestes é imensa.

Com base nas descobertas sobre essa imensidão, elaboramos uma lista com cinco curiosidades sobre o universo. Confira abaixo:

5 Curiosidades sobre o universo que talvez você nem imaginava

Foto: Reprodução

1 – O Sol que conhecemos é do passado

De acordo com estudos, a velocidade da luz é limitada, podendo chegar até um limite de 300 mil km/s. Desta forma, considerando a finidade da velocidade da luz e a distância entre o sol e a Terra (cerca de 150 milhões de km), estima-se que a luz do sol leva cerca de oito minutos para chegar até nós.

Desta forma, a afirmativa que diz que a imagem que observamos do sol vem do passado é verdadeira. Se por acaso nossa estrela provedora de luz e calor desaparecer, só saberemos depois de oito minutos e 18 segundos.

Servindo como comparativo, a lua está a uma distância média de 1.282 segundos luz do nosso planeta. Isso significa dizer que seu reflexo demora esse tempo para chegar até à Terra, enquanto a luz do sol demora mais de cinco horas para chegar até o planeta Plutão.

2- A Terra gira a mais de 100.000 km/h

Por se tratar de medidas variáveis, levando em consideração os movimentos de rotação e translação feitos pelo planeta Terra e que a órbita terrestre é elíptica, estima-se que nosso planeta gira em uma velocidade média de 107.000 km/h.

É preciso considerar que estamos falando de um sistema de medida que pode sofrer alterações, desta forma os pontos que interferem na velocidade de rotação da Terra são: proximidade com o sol, gravidade e força de atração. Quando estamos mais próximos do sol, a gravidade da terra se torna mais intensa, fazendo com que força de atração entre o planeta e a estrela seja maior. Essas posições se chamam periélio (mais próximo do sol) e afélio (mais distante do sol).

A velocidade aproximada de 107.000 km/h refere-se ao movimento de translação, aquele em que o planeta gira em torno do sol. Em referência ao movimento de rotação, em que a Terra gira em torno do seu próprio eixo, a velocidade média do movimento pode chegar a mais de 1.500 km/h. Aqui, temos que usar como referência a linha do Equador: quanto mais próxima dela, maior é a sua velocidade de rotação.

Mediante aos dados apresentados, surge a dúvida: por que não sentimos nenhum desses movimentos? A resposta para essa pergunta é devido à aceleração centrípeta. Esta aceleração nos permite perceber que estamos em rotação, entretanto, no caso do planeta Terra, a incidência dos raios [de rotação e translação] são muito grande, a aceleração centrípeta produzida por eles é muito menor em comparativo com a aceleração da gravidade.

3. Planetas gasosos 

Dentre os planetas que compõem o sistema solar, apenas quatro são telúricos. Ou seja, apelas quatro planetas possuem solo rochoso. São eles: Terra, Mercúrio, Marte e Vênus. Os outros planetas são formados por uma grande quantidade de gases, que são presos por uma enorme interação gravitacional, formando, assim, um amontoado de gases.

Os planetas Júpiter, Saturno, Urano e Netuno são os maiores do Sistema Solar e também os que possuem maior massa, mesmo que formados exclusivamente por gases. Apesar do seu tamanho e peso, esses planetas são menos densos que os telúricos.

Uma curiosidade é que Júpiter é o planeta mais massivo de todo sistema solar, sua massa sendo menor do que um milésimo do Sol. Em contrapartida, o planeta é também 2,5 vezes maior que a massa de todos os planetas juntos, equivalendo a 317 vezes a massa da Terra.

4. Ano galático

Considera-se por tempo galático o tempo indispensável para que o sol dê uma volta completa em torno do centro da nossa galáxia. Estima-se que esse volta tenha duração aproximada de 250 milhões de anos. Denominada Via Láctea, no centro de nossa galáxia encontra-se o sistema solar, que está preso à atração gravitacional exercida pelo sol.

Estima-se que a velocidade do movimento orbital realizado pelo sistema solar é de cerca de 828 mil km/h, sendo uma velocidade muito pequena em comparação à velocidade da Via Láctea, que possui mais de 100 mil anos-luz de diâmetro.

5.  Buracos negros

Muitas pessoas ao redor do mundo acreditam que os buracos negros tenham sido uma descoberta do físico Albert Einstein, quando, na realidade, foram propostos por Karl Schwarzschild. Na visão de Karl, essas estruturas foram previstas como possíveis soluções para a teoria da relatividade geral de Einstein.

Até pouco tempo atrás acreditava-se que não seria possível ter uma imagem direta de um buraco negro. Porém, a primeira fotografia real desta estrutura foi tirada pelo projeto Event Horizon Telescope.

Um buraco negro é formado a partir dos estágios finais da vida de uma estrela com grande massa (cerca de 6 vezes menor que a massa do Sol), quando o combustível dessa estrela acaba, sua gravidade se torna cada vez maior, fazendo com que o astro entre em colapso interno gravitacional, o que reduz drasticamente o seu tamanho.

Fonte: Mundo Educação

7 boatos que as pessoas acreditaram nos anos 1990

Matéria anterior

10 Curiosidades sobre os Beatles que você não sabia

Próxima matéria

Comentários

Comentários não são permitidos