Curiosidades

7 imagens que fizeram pessoas famosas e arruinaram suas vidas

0

Não é nada fácil conseguir esquecer de pessoas que se envolveram em polêmicas ou foram expostas pela mídia em casos de extrema relevância. Mas o que pouca gente, às vezes, param para refletir é como a vida dessas pessoas são transformadas após tamanha exposição.

Quem não se lembra do caso da Escola Base, em São Paulo, onde os donos foram acusados pela imprensa de abusar das crianças? Porém, poucos se recordam ou sabem que dias depois descobriu que as acusações eram falsas. Mas a vida dos sócios e dos professores da antiga escola foram arruinadas com a fama repentina. A Fatos Desconhecidos separou mais exemplos de pessoas que tiveram a vida destruída após serem expostas.

1 – O homem que filmou policiais agredindo um afro-americano

George Holliday tinha uma vida normal e feliz até março de 1991, quando ele ouviu as sirenes que virariam sua vida de cabeça para baixo. Com uma câmara na mão, ele filmou seis policiais espancando o taxista afro-americano, Rodney King, sob acusação de dirigir em alta velocidade. Apesar do flagra, os policiais foram absolvidos, o que provocou os motins de Los Angeles que levaram a 54 mortos, quase três mil pessoas feridas e centenas de edifícios incendiados. Na época, as pessoas queriam culpar alguém pelo o que estava acontecendo, sendo assim, um pequeno grupo acabou colocando toda a culpa em Holliday, que chegou a perder seu emprego e o casamento por causa da mídia.

2 – O empregado de um hotel que foi acusado injustamente

Em junho de 1968, o senador Robert Kennedy foi morto a tiros por uma pessoa, que muitos suspeitam ser Sirhan Sirhan, pois estava chateado que seus pais negligenciaram dar-lhe dois nomes separados. No momento em que Kennedy morreu, Juan Romero, um imigrante mexicano de 17 anos que trabalhava como empregado no hotel em que Kennedy estava hospedado quando foi baleado, estava apertando a mão do senador.

Após a imagem dele assustado apoiando a cabeça de Kennedy circular o mundo, as pessoas começaram a culpá-lo pelo crime. Ele foi ameaçado e acabou fugindo de cidade em cidade em um esforço para retornar à vida simples.

3 – O soldado que morreu de decepção

Os soldados segurando uma bandeira durante uma guerra inspirou muita gente. A foto chegou a ganhar o Prêmio Pulitzer e dois filmes sobre o caso chegaram a serem feitos. Os homens da foto acabaram ficando famosos, mas o problema é que o levantamento da bandeira não era de forma alguma o fim da luta – dos seis homens que apareceram na foto, três acabaram morrendo em batalha logo depois disso. Temendo que todos os soldados morressem, o governo americano resolveu retirá-los da guerra e fazê-los heróis.

John Bradley e Rene Gagnon foram rapidamente identificados e voaram para casa, o que deixou o terceiro e último homem da bandeira, o nativo americano Ira Hayes, para se tornar o soldado Ryan da vida real. Mas Hayes não queria ser encontrado. Após ser convencido, ele voltou para casa e quando ouviu falar sobre como seus amigos na guerra foram mortos, a culpa resultante arruinou sua vida e Hayes acabou se afundando no alcoolismo.

4 – A mulher que pousou para o quadro Ophelia

O quadro Ophelia de John Everett Millais levou cinco meses para ser concluído e, provavelmente, é a pintura mais bonita de alguém em um rio. Porém, Elizabeth Siddal, a modelo para a pintura, era assistente quando foi convencida por Everett a pousar. Ela ficou famosa e posou para outros grandes artistas vitorianos, mas morreu de forma prematura após viciar em drogas. Ela começou a ficar viciada em drogas em 1862, após viver uma vida com um casamento infeliz e uma recente aborto, provavelmente causado pela droga. Siddal morreu de overdose.

5 – O empregado da empresa Lester LaRue

Em 1995 a imagem de um bombeiro segurando uma criança ensanguentada se tornou mundialmente famosa, chegando a ser capa de revista, como a Newsweek. Porém, a foto não foi feita por um fotojornalista famoso, mas por um empregado aleatório de uma empresa de gás chamada Lester LaRue. 

Ele chegou a ceder entrevistas alegando que era o autor da imagem, mas a mãe da criança ficou preocupada com a exposição, e a empresa LaRue reivindicou a propriedade da fotografia, alegando que a imagem foi feita durante o período de trabalho por um funcionário da empresa que usava a câmara da LaRue. O empregado se recusou e acabou sendo demitido.

6 – A mulher que foi morta após ser confundida

Em 2014, a dona de casa Fabiane Maria de Jesus, de 33 anos, foi morta por causa de um boato gerado por uma página em uma rede social que afirmava que ela sequestrava crianças para utilizá-las em rituais de magia negra.  Fabiane foi amarrada e agredida violentamente por várias pessoas, e isso provocou traumatismo craniano. Ela chego a ser internada em estado crítico em um hospital na cidade onde morava, em Guarujá, mas não resistiu e morreu.

7 – Caso Escola Base

Em 1994, os donos da Escola de Educação Infantil Base, na zona sul de São Paulo, foram chamados de pedófilos. Na época, foi noticiado que os sócios drogavam as crianças e fotografava elas nuas. A opinião pública e a maioria dos veículos de imprensa acusaram, julgaram e condenaram Icushiro Shimada, Maria Aparecida Shimada, Mauricio Alvarenga e Paula Milhim Alvarenga. Porém, os quatro acabaram sendo absolvidos após todos os indícios apontar como inverídicos e infundados as acusações feitas a eles. A antiga escola teve que fechar as portas e os sócios tiveram que se mudar. Uma antiga professora da escola também ficou sem emprego após o caso vir à tona.

Então pessoal, o que acharam dessas histórias? Comentem com a gente!

7 filmes que escondem grandes atores sob os efeitos especiais

Matéria anterior

10 séries originais Netflix que você precisa ver agora

Próxima matéria

Comentários

Comentários não são permitidos