Ciência e Tecnologia

7 teorias científicas mais perturbadoras sobre a morte

0

A morte é uma das únicas certezas que temos na vida. Embora não saibamos como ou quando vai acontecer, isso é algo que afeta todo mundo e não podemos fugir. É um assunto ainda difícil de estudar, mesmo que muitas pessoas dediquem suas vidas a isso. Assim como em tudo que nos cerca, a morte também possui suas teorias ‘malucas’ desenvolvida por cientistas que se especializam no assunto e as vezes essas teorias podem deixar qualquer pessoa assustada e com mais medo ainda. Esses estudos consistem desde observar a natureza da morte em si até a relação entre ela e as pessoas e até mesmo uma forma de evitá-la. Poderia a morte ser na verdade uma ilusão, afinal?

Esse é um assunto polêmico e complicado, mas ao mesmo tempo curioso, não é mesmo? Foi pensando sobre isso que nós da Redação da Fatos Desconhecidos resolvemos listar algumas dessas teorias científicas perturbadoras sobre a morte. Aproveite para compartilhar com seus amigos para que possam juntos refletir sobre isso. Caso já tenha lido alguma outra em outro lugar, comenta pra gente aí em baixo. Agora, sem mais delongas, confiram conosco.

1 – Suicídio quântico

Primeiramente, ninguém deve tentar isso em casa. O Suicídio Quântico é a experiência de pensamento baseada na interpretação de várias teorias quânticas. De acordo com essa teoria, cada evento no espaço-tempo faz com que o universo se divida em diferentes versões de si, podendo gerar diversos resultados para a mesma coisa. Simplificando, universos paralelos. O Suicídio Quântico consiste em acreditar em dois possíveis resultados para a mesma situação e que pessoas podem sobreviver após se matar. O sujeito deve estar ciente da existência desses universos paralelos nos quais vive. Isso é um risco que não vale a pena correr.

2 – Dúvida sobre a morte

Não podemos afirmar de fato o que é a morte por também não conseguirmos explicar o que é a vida. Cientistas trabalham para definir o que é a vida. Na busca por vidas fora da Terra, a NASA definiu como “um sistema químico auto-sustentável capaz de evoluir como Darwin definia a teoria da evolução”. Mas isso é meio incerto, visto que existem sistemas químicos não vivos que conseguem imitar a vida, como os cristais por exemplo. Outro problema a ser definido é a consciência. Como é causada, se sobrevive a morte ou se ela apagaria junto com a atividade cerebral. Essa teoria afirma que nunca saberemos o que de fato é a morte e como funciona isso.

3 – Três tipos de morte

Existe uma teoria afirmando que existem três etapas diferentes da morte, que inclusive uma é reversível. Tudo começa com a morte clínica, que é a cessação das funções vitais, basicamente os batimentos cardíacos e a respiração. Isso é quando as pessoas estão tecnicamente mortas e acabam voltando por causa da não paralisação da atividade cerebral. Tem a morte biológica, às vezes chamada de “morte cerebral”. Isso é basicamente o oposto da clínica, pois as atividades cerebrais param, mesmo que as vitais continuem com auxílio de aparelhos.  Por fim, a morte molecular que refere-se ao estágio em que o corpo perde sua luta vitalícia contra a decadência. Isso é quando as células do corpo começam a quebrar.

4 – O medo de morrer pode diminuir o tempo de vida

Um estudo comprova que as pessoas mais velhas tendem a temer menos a morte do que os jovens. Isso contradiz o pensamento de muitos que acreditam que os jovens têm menos expectativa de vida por acreditarem ter um caminho maior pela frente. O medo de morrer, de acordo com o estudo, costuma atingir as pessoas com cerca de 20 anos. Acredita-se que a ansiedade que atinge os jovens nessa fase pode ser a principal causadora das doenças posteriores.

5 – Pensar muito sobre a morte pode te fazer um fanático

Estudos comprovam que pensar muito sobre a morte pode afetar o nosso comportamento e nossas crenças. Vários estudos mostraram que quando os participantes discutem sobre a morte, surge um efeito sobre suas crenças. Suas visões sobre isso podem se tornar mais conservadoras e mais tendenciosas. Tudo isso cabe em uma categoria da psicologia chamada Terror Management Theory, que consiste em dizer que o nosso medo gera um comportamento inesperado.

6 – A Espiral da Morte

Apesar de parecer um bom nome para uma banda de rock, Espiral da Morte é uma teoria. Esse é o termo básico para “o quarto estágio da morte”. Os cientistas acreditam que esse processo faz parte de uma morte geneticamente programada. Um estudo feito em cima de moscas mostrou que, quando elas entram no Espiral da Morte, elas mostram diminuição da fertilidade e param de colocar ovos. Não é uma consciência da morte e sim um preditor. Para os humanos, quando eles entram no espiral da morte, mostram um declínio nas atividades diárias.

7 – Experiências Pré-Morte

Muitos americanos afirmam ter uma experiência de quase morte quando estão realmente perto de morrer. Alguns cientistas afirmam que isso é a alma fazendo um teste, deixando o corpo e fazendo um contato com o plano celestial. Uma das coisas mais famosas é a visão do famoso túnel com uma luz no fundo, mas que as pessoas conseguem voltar. Os estudiosos dizem que isso pode ser o resultado do sangue subindo para os olhos e causando essa sensação, mas ainda sim mantém a crença de que pode sim ter uma ligação espiritual.

E aí, o que você achou disso? Comenta pra gente aí embaixo e compartilhe com seus amigos.

Entenda por que o universo não deveria existir de acordo com a física

Matéria anterior

Conheça o novo viral estúpido que está colocando em risco a vida de vários jovens ao redor do mundo

Próxima matéria

Você pode gostar

Comentários

Comentários não permitidos.