Curiosidades

Assim está Fukushima 8 anos após o desastre nuclear

0

Parece que foi ontem, mas já fazem oito anos que um terremoto gigantesco, de magnitude 9, atingiu o Japão. O desastre natural levou a um terrível tsunami que matou 15.896 pessoas. O fenômeno, considerado o pior de todos os tempos que já atingiu o país asiático, foi a causa do desastre nuclear de Fukushima Daiichi. Esse, por sua vez, foi o segundo mais grave desastre nuclear desde o evento de Chernobyl, em 1986.

Fukushima tinha seis reatores nucleares. Em março de 2011, o reator 4 foi reabastecido e os reatores 5 e 6 foram desligados para manutenção. No momento em que o terremoto ocorreu, os reatores 1, 2 e 3 desligaram-se automaticamente e os geradores de emergência foram ligados para continuar fornecendo refrigeração e evitar que os reatores derretessem.

Acontece que em seguida, o tsunami atingiu o local. A onda, que superou 5,7 metros, inundou as instalações e desligou os geradores de emergência. O desastre foi uma tempestade que mostrou o poder da natureza, e apontou possíveis problemas de projeto e falhas nos equipamentos.

Fukushima: dias depois

Nos dias seguintes ao desastre, houve formação de gás hidrogênio na usina, que acabou inflamando de maneira explosiva. O teto do reator 1, 3 e 4 explodiu, ferindo 16 pessoas. Sem refrigeração, o núcleo derretido e o material nuclear foram liberados para evitar maiores riscos. Algumas pesquisas estimam que, no máximo, a contaminação foi equivalente a 42% do que foram as emissões de Chernobyl.

Apesar do vazamento de radiação, não houve mortes. No total, 37 trabalhadores sofreram ferimentos físicos durante o acidente e dois tiveram queimaduras por radiação. Um ex-trabalhador de estação já morreu de câncer relacionado ao desastre. A evacuação, no entanto, causou mais mortes, com mais de 2 mil relacionadas a pacientes hospitalizados e idosos que morreram de hipotermia, deterioração de condição preexistente, desidratação na evacuação ou em razão do deslocamento a longo prazo desencadeado pelo desastre.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), não existe nenhum risco de contaminação por radiação na população evacuada. O relatório mostra que eles foram expostos a tão pouca quantidade de radiação, que não afetou significativamente gerando risco de câncer. Dado o uso extensivo da tecnologia remota, também não se espera que a equipe de limpeza seja afetada pela radiação.

Fukushima: hoje

Apesar de já terem se passado oito anos, a contaminação nuclear persiste na região. Isótopos como o césio-137, permanecerão no ambiente por décadas. O solo também está afetando a vida selvagem, das plantas aos cogumelos e animais silvestres. Pesquisadores vêm coletando dados sobre essas populações selvagens desde a tragédia. Há muita coisa que não sabemos sobre a tolerância dos organismos à radiação ionizante. Em Chernobyl, vimos a decadência de algumas espécies, enquanto certas populações selvagens começaram a prosperar devido ao súbito desaparecimento de humanos.

A descontaminação da instalação, da água e da área próxima está em andamento. O desmantelamento da central nuclear deverá durar décadas. Espera-se que a remoção do combustível nos três reatores que sofreram o colapso do núcleo tenha início em 2021. Também foi sugerido que um sarcófago, como o que está sendo construído em Chernobyl, poderia ajudar.

E aí, o que você achou dessa matéria? Comenta aqui com a gente e compartilha nas suas redes sociais. Para você que não tinha percebido o tempo passar tão rápido, aquele abraço.

6 imagens que mostram as casas de alguns milionários que estão bem abaixo do que eles ganham

Matéria anterior

Mesmo aposentada, professora decide alfabetizar adultos gratuitamente

Próxima matéria

Comentários

Comentários não são permitidos

Fatos Desconhecidos Nós gostaríamos de enviar notificações dos últimos conteúdos e atualizações que fazemos.
Dismiss
Allow Notifications