Curiosidades

Como as crianças descobrem o que as palavras significam?

0

Ao redor do mundo são falados vários idiomas. Várias pessoas têm vontade de aprender o maior número de línguas possíveis. Até porque chegar em um país e saber falar a língua nativa é muito bom. E todos nós aprendemos nossa língua nativa desde que nascemos.

Os cientistas estão sempre descobrindo mais coisas a respeito de como as pessoa aprendem a língua desde bebês. Um novo estudo examinou, especificamente, como as crianças bem pequenas juntam diferentes fontes de informação para aprender novas palavras.

As fontes podem ser as mais variadas, desde se eles viram ou não um objeto antes, até  o que eles podem estar conversando com alguém quando uma nova palavra é falada.

Estudo

Os pesquisadores montaram um modelo cognitivo para descobrir mais a respeito de como essas fontes são combinadas. Eles propuseram uma abordagem de inferência social onde as crianças usam todas as informações disponíveis na sua frente para determinar a identidade de um determinado objeto.

“Você pode pensar neste modelo como um pequeno programa de computador. Inserimos a sensibilidade das crianças a diferentes informações, que medimos em experimentos separados, e então o programa simula o que deve acontecer se essas fontes de informação forem combinadas de maneira racional. O modelo lança previsões sobre o que deve acontecer em novas situações hipotéticas nas quais essas fontes de informação estão disponíveis”, disse o psicólogo do desenvolvimento Michael Henry Tessler,  do Massachusetts Institute of Technology (MIT).

Esse sistema teórico feito pelos pesquisadores foi informado por pesquisas anteriores em filosofia, psicologia do desenvolvimento e linguística. E os dados foram coletados a partir de testes feitos com 148 crianças com idade entre dois e cinco anos avaliando a sensibilidade delas para diferentes informações. Depois disso, esses dados foram inseridos no modelo.

Crianças

Então, depois de reunir as previsões no modelo, os pesquisadores foram fazer experimentos no mundo real. O experimento foi feito com 220 crianças para analisar como elas poderiam determinar o significado de palavras como: pato, maçã e peão, quando esses objetos eram colocados na sua frente na tela de um tablet.

Várias dicas foram dadas às crianças a respeito da relação entre as palavras e objetos. Inclusive, uma narração de um apresentador e uma mistura de rótulos com os quais as crianças já estariam familiarizadas. Assim, os pesquisadores conseguiram testar três fatores: conhecimento prévio, dicas do apresentador e contexto em uma conversa.

Esse modelo se alinhou bastante com os resultados dos experimentos finais e sugeriu que as três fontes de informação eram usadas pelas crianças de forma previsível e mensurável conforme elas vão construindo o seu vocabulário.

“A vantagem da modelagem computacional é que você pode articular uma gama de hipóteses alternativas com diferentes conexões internas para testar se outras teorias fariam previsões igualmente boas ou melhores”, pontuou Tessler.

Análises

Os resultados do estudo sugerem que várias hipóteses alternativa podem ser descartadas. Como por exemplo, que determinadas fontes de informação são ignoradas, ou que a maneira como as fontes são processadas muda conforme as crianças crescem.

Esse estudo dá aos pesquisadores uma perspectiva matemática para entender como a aprendizagem de línguas acontece nas crianças. Mas é o começo para essa abordagem. E mais estudos são necessários, feitos com grupos maiores de crianças para que ela seja melhor desenvolvida.

“No mundo real, as crianças aprendem palavras em ambientes sociais complexos nos quais mais do que apenas um tipo de informação está disponível. Eles precisam usar seu conhecimento de palavras enquanto interagem com um falante. O aprendizado de palavras sempre requer a integração de fontes de informação diferentes e múltiplas”, concluiu o psicólogo do desenvolvimento Manuel Bohn, do Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva, na Alemanha.

Doctors take inspiration from online dating to build organ transplant AI

Matéria anterior

Quais animais ”falam” mais?

Próxima matéria

Comentários

Comentários não são permitidos