Ao longo de 15 anos, o cientista Pascal Cotte vasculhou 1.650 imagens de câmeras de alta tecnologia da pintura Mona Lisa, de Leonardo Da Vinci. Assim, ao final de sua pesquisa, Cotte conseguiu um esboço incrível que mostra o que está por trás da Mona Lisa.

Após séculos de sua criação, a Mona Lisa continua mostrando que ainda tem muito a ser revelado. Isso porque, o pesquisador que estuda o quadro desde 2004, encontrou um desenho oculto sob a pintura que mostra o traço original se diferenciava do trabalho final.

O cientista que descobriu o esboço estudou a pintura por mais de 15 anos

Publicidade
continue a leitura

Tudo começou em 2004, quando o cientista Pascal Cotte recebeu a autorização para realizar digitalizações fotográficas da obra. "O Museu do Louvre me convidou porque sou o inventor de uma nova câmera multiespectral de alta resolução e alta sensibilidade", afirma Cotte. Desde então, toda sua pesquisa tem se pautado em um material de mais de 1.650 imagens. Com isso, somente em agosto desde ano, suas descobertas foram publicadas no Journal of Cultural Heritage.

Também vale lembrar que Cotte é criador da Lumiere Technology, que utiliza o método de amplificação de camada ou LAM para detectar a luz refletida em 13 comprimentos de onda. Sendo pioneiro no método de digitalização, seu trabalho possibilita detectar detalhes em grandes pinturas históricas.

Dito isso, ao utilizar sua câmera na Mona Lisa, Cotte logou notou algo de diferente na pintura. Nas fotografias feitas, o pesquisador encontrou linhas de carvão subjacentes nas áreas mais claras da pintura. "O sistema óptico nos permite ver detalhes muito finos e a alta sensibilidade permite uma amplificação muito alta de sinal baixo", afirma Cotte. Nesse caso, há um esboço que se destaca na parte da testa e da mão da Mona Lisa.

Publicidade
continue a leitura

Aqui, Da Vinci utilizou a técnica de pouncing, que consiste em transferir os primeiros esboços para uma tela. Dessa forma, o artista faz pontos ao longo dos contornos do esboço. Em seguida, o desenho é colocado sobre a tela e um pó fino de carvão é espalhado para marcar os contornos do quadro.

É possível que exista um esboço da Mona Lisa escondido em algum lugar

O fato da técnica ter sido usada também levanta a possibilidade de que existe um esboço da Mona Lisa escondido em algum lugar. Porém, também é possível que esse desenho tenha se perdido. Em todo caso, caso o esboço seja encontrado, ele terá uma forma distinta da versão final do quadro. Isso porque, a pose é ligeiramente diferente e, além disso, também há grampos de cabelo na cabeça da Mona Lisa.

Publicidade
continue a leitura

Sabendo dessas questões, também é levantada a possibilidade de que a Mona Lisa nunca existiu. Dessa forma, ela seria uma obra alegórica ou representação de uma "mulher irreal, como uma deusa", como afirma Cotte. "As pessoas tinham que se vestir de certas maneiras para denotar sua profissão e para serem respeitadas pela nobreza", afirma Cotte. "Não é possível para Mona Lisa tivesse um cabelo assim, era impossível na época na cidade de Florença", completa.

Também vale lembrar que Cotte não é o primeiro a levantar esse tipo de questionamento sobre a obra. Em todo caso, essas diferentes teorias acabam por reforçar as dúvidas e os mistérios sobre a Mona Lisa.

Publicado em: 24/10/20 17h40