Esse animal é o único que faz cocô em cubo, e agora se sabe o porquê
Tempo de leitura:3 Minutos, 3 Segundos

Esse animal é o único que faz cocô em cubo, e agora se sabe o porquê

Todos os seres do planeta evacuam. Várias pessoas sabem que, através das fezes de uma pessoa, é possível observar como anda o estado de saúde física da mesma. A cientista, Patricia Yang, já viu muito cocô na vida quando ela estava estudando a dinâmica dos fluidos corporais. Contudo, nem os mais variados tipos de fezes a prepararam para uma descoberta.

Em 2015, Yang tinha apresentado um modelo matemático para evacuações. E um cientista, na conferência onde ela apresentou esse modelo, a perguntou se o modelo se aplicava também para os wombats. A cientista nunca tinha visto as fezes desse animal. E quando ela foi procurar no Google, viu o cocô no formato mais estranho que ela já tinha visto.

Animal

Esse mamífero australiano faz suas fezes na forma de pequenos cubos. Eles são os únicos cocôs prismáticos conhecidos no mundo. Os wombats são, na verdade, os únicos animais que os cientistas descobriram que podem produzir cubos naturalmente.

O mais curioso é que os cientistas não tinham ideia do motivo porque isso acontecia. Esse mistério era antigo, mas ninguém nunca tinha feito investigações para descobrir o motivo e como isso estava acontecendo.

Contudo, Yang e sua supervisora de laboratório, Georgia Tech, e o engenheiro biomecânico, David Hu, decidiram mudar isso. Em 2018, eles tinham em mãos um intestino de um wombat para estudarem.

O intestino foi dissecado de maneira cuidadosa por um cientista na Tasmânia e foi enviado para os EUA. Ele mostrou a clara progressão de matéria lamacenta para uma estrutura rígida de seis lados com cantos afiados.

Estudo

Parecia que os cubos estavam sendo formados antes mesmo do wombat os expulsar. E outras tomografias computadorizadas que foram feitas confirmaram que o animal não tem um ânus quadrado. Por isso a pergunta ainda estava no ar. Como os wombats fazem cocô no formato de cubo?

A resposta está no intestino. Yang e seus colegas usaram dois novos modelos matemáticos e dissecações de wombats e com isso descobriram como esses animais fazem suas fezes em cubos.

O intestino do wombat é bastante longo, tendo até nove metros de comprimento. Com isso, esses animais levam muito mais tempo para sugar toda nutrição e água da sua comida. Levando até cinco dias.

O resultado disso é que as fezes dos wombats são quase duas vezes mais secas que a dos humanos. E pode ser isso que os ajuda a sobreviver às secas no mato australiano. Além disso, esse processo demorado também ajuda as fezes a se formarem mais concretas.

“Apenas olhando para o intestino do wombat, você pode ver claramente a transição gradual de uma pasta amarelo-esverdeada de digesta para um cubo seco com “bordas chanfradas e faces planas”, disseram os autores.

Os pesquisadores usaram um balão para estourar determinadas partes do intestino e notaram vários níveis de espessura e rigidez em alguns tecidos e músculos.

Cubos

Isso significa que algumas partes da circunferência do intestino estava se contraindo de uma maneira diferente. Por trás disso, era por causa da espessura muscular diferente.

As partes apertadas se contraíram de forma rápida e empurraram o cocô com mais força. Enquanto as partes mais macias se contraíram de forma mais lenta, isso moldava os cantos. Os pesquisadores criaram um modelo simples do intestino e encontraram cantos formados em menos de 10 ciclos de contração.

“Com as contrações ocorrendo a cada dois segundos durante um período de cinco dias, as fezes realmente experimentam na ordem de 100.000 contrações”, escreveram.

Essas contrações poderiam formar vários cubos na última extremidade do intestino do wombat, que é quando o cocô está mais seco. No entanto, as dissecações mostraram que os cubos são formados somente nos últimos 17% do intestino.