Irmãs que nasceram grudadas crescem e ficam completamente diferentes

POR Natália Pereira    EM Curiosidades      11/05/18 às 18h38

A espera por um bebê pode ser mais difícil do que a maioria das pessoas imagina antes de se encontrar nessa posição. Os pais ficam ansiosos para a chegada do seu filho(a) e tudo o que eles podem esperar é que tudo ocorra bem. Que o parto não tenha complicações, por exemplo, e que aquela vida que está prestes a nascer venha com saúde. Tudo isso pensando no bem daquela criança no futuro, afinal, todos queremos que nossos filhos tenham uma boa vida.

Mas, infelizmente, as coisas nem sempre acontecem como esperamos. E essa família teve que enfrentar muitas coisas para proporcionar a vida de suas filhas. Casos de gêmeos xipófagos são extremamente raros e, além de serem uma condição realmente difícil, eles também apresentam dificuldades durante a gravidez, sendo uma das mais arriscadas. Essas irmãs nasceram grudadas por conta do problema mas, felizmente, conseguiram superar e estão completamente diferentes hoje.

O caso das irmãs

A condição que faz com que os bebês nasçam grudados, conhecida como gêmeos xipófagos, é realmente rara e afeta apenas 1 em cada 200 mil daqueles que nascem com vida. Acontece que o caso dessas irmãs é ainda mais peculiar e raro do que os demais. Elas são, na verdade, trigêmeas - sendo que duas delas nasceram conectadas e a outra não. Mas, por incrível que pareça, os problemas de Mackenzie, Macey e Madeline não pararam por aí.

Assim que elas nasceram, a mãe biológica das garotas percebeu que não poderia cuidar delas e acabou as abandonando. Mas, felizmente, elas acabaram chamando a atenção de um casal de Iowa, nos estados unidos, que se chamavam Darla e Jeff Garrison. Eles já tinham 3 filhos biológicos e ainda assim se dispuseram a cuidar das meninas, oferecendo uma casa e muito amor para elas. Darla chegou a afirmar que se apaixonaram por elas e que todos os irmãos ficaram felizes em receber as três.

A separação

Macey e Mackenzie, as xipófagas, acabaram sendo separadas apenas algumas semanas depois de nasceram. Os cirurgiões que fizeram o procedimento foram os mesmos que as trouxeram a vida, o que tornou tudo ainda mais emocionante e pessoal. E, por mais que houvessem riscos, as duas acabaram ficando bem. Mackenzie se recuperou mais rápido e foi para casa depois de 6 semanas. Macey acompanhou a irmã depois de 1 mês.

Depois que essa questão foi resolvida e todas elas se encontravam bem, Darla e Jeff Garrison puderam iniciar o processo de adoção. Elas se recuperaram bem do procedimento mas, ainda assim, ele trouxe consequências. Ambas acabaram mantendo apenas uma de suas pernas. Isso porque uma terceira, que era compartilhada quando estavam juntas, era inativa.

A família depois da adoção

O processo de adoção demorou 2 anos mas, depois desse tempo, eles finalmente conseguiram adotar as três irmãs legalmente - mesmo que estas já estivessem sobre os seus cuidados. Elas passaram a frequentar a mesma escola e até ganharam um cavalo para que pudessem cuidas. As duas irmãs tiveram que passar por uma fisioterapia a fim de aprenderem a andar por conta própria e até mesmo a se adaptarem a próteses.

Apesar dos problemas que tiveram que enfrentar logo cedo, elas puderam ter uma infância 'normal', na medida do possível. Encontraram uma família repleta de amor e três irmãos mais velhos para cuidar e proteger todas elas. Atualmente, depois de 16 anos, as três cresceram e se tornaram lindas jovens. E, como qualquer outro adolescente, estão cheias de vida e alegria.

As 3 irmãs juntas

1.

2.

3.

Atualmente

1.

2.

3.

4.

É incrível ver como a família toda acolheu as meninas e o quanto as coisas acabaram dando certo no final. O que acharam?

Via   Newsner     Inspired  
Imagens Inspired Newsner
Natália Pereira
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL

Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.
Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+