Curiosidades

Lavrador encontrou tesouro do Brasil colonial em Tocantins

0

A maioria das pessoas já brincou de caça ao tesouro quando era criança. Sair procurando pistas para, no final, encontrar uma recompensa é bastante emocionante. E por mais que as pessoas deixem a brincadeira de lado quando crescem, a vontade de encontrar um tesouro ainda permanece em quase todo mundo.

Infelizmente, não existem mapas do tesouro com um “X” marcado no local exato onde a descoberta estará. Mas isso não impede que pessoas saiam à procura de algum tesouro e, em determinados casos, tenham a sorte de encontrar. Exemplo disso é esse lavrador que descobriu um pote de cerâmica com mais de 200 moedas do período colonial do nosso país.

Essa descoberta aconteceu na cidade de Conceição do Tocantins e foi feita com a ajuda de um detector de metais. Claro que esse tesouro tem a sua importância histórica, por isso que Valdomiro Costa, o lavrador que fez a descoberta, está esperando propostas para vendê-lo.

Descoberta

Olhar digital

Na realidade, o que Valdomiro queria era encontrar ouro na região. Então, ele juntou dinheiro e comprou um detector de metais usado. No primeiro dia que ele usou o aparelho ele fez a descoberta do pote de cerâmica em um terreno perto da casa dele.

Quando ele abriu o pote viu que dentro tinha mais de 200 moedas antigas do período do Brasil colônia. De acordo com o lavrador, em um primeiro momento ele ficou frustrado com a descoberta que tinha feito. No entanto, com a ajuda de uma professora de história ele conseguiu entender o quão importante a descoberta daquele tesouro era.

Ao todo foram 206 moedas datadas de 1816. Elas são de bronze e a mais importante entre elas é uma moeda de 960 réis, que é de prata, e chamada de patacão.

Depois dessa descoberta feita por Valdomiro, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico (Iphan) fez a análise do lugar onde ela foi feita e disse que esse era um caso de “um achado isolado”.

Ainda de acordo com a entidade, o tesouro não é parte de nenhum sítio arqueológico e por conta disso não existe nenhum impedimento para que ele seja comercializado. O Iphan também informou que as moedas ficaram com o lavrador, mas que ele cedeu a cerâmica para o Museu de Conceição do Tocantins. O pote está em fragmentos, mas será restaurado e exposto.

As moedas ficarão em um cofre de um banco em outra cidade enquanto o lavrador espera compradores interessados nelas. “Eu quero ajudar minha família porque nós somos uma família, assim fraca [de condições], não tem condição quase. Dar oportunidade dos meus filhos ao estudo. Se for muito dinheiro, não vai ficar nada para mim, eu quero deixar pros meus filhos”, disse ele.

Na época do Brasil colônia, o Tocantins era rota do ciclo do ouro depois que os bandeirantes passaram pelo local. No caso do município de Conceição do Tocantins, ele era uma vila de um garimpo e foi fundado na metade do século XVIII.

Mesmo sabendo disso, existem poucos registros dessa época. Por conta disso não é possível saber quem enterrou o tesouro descoberto ou quando ele foi enterrado.

Tesouro

Olhar digital

Assim como Valdomiro, esse grupo de detectores amadores acabou encontrando um tesouro com mais de 600 moedas medievais. Esse tesouro foi descoberto no interior do Reino Unido e por serem objetos históricos, as moedas foram avaliadas em 150 mil libras, cerca de 930 mil reais. De acordo com o Daily Mail, o grupo de sete amigos encontrou as moedas, em 2019, em uma planície de Culden Faw Estate, no sudoeste de Buckinghamshire.

Contudo, somente ano passado que os itens tiveram o seu valor revelado depois de terem passado por várias análises. As 12 moedas encontradas são do reinado de Edward III, elas foram chamadas de “Hambleden Hoard”, “Tesouro de Hambleden” traduzido, e são a maior coleção de ouro e prata que ancestrais enterraram já encontrada no Reino Unido.

Esse não foi o primeiro tesouro que Andrew Winter, Dom Rapley, Eryk Wierucki, Jaroslaw Giedyna, Dariusz Fijalkowski e os irmãos Tobiasz e Matthew Nowak encontraram. Os detectoristas também já descobriram cartuchos de espingarda e dedais.

Um dos detectores também trabalha como operador de máquinas em Bristol, no caso, Dariusz Fijalkowski. Ele encontrou o tesouro depois de ter se encantado com um dedal e cartuchos de espingarda que ele encontrou no mesmo local das moedas.

Primeiro ele encontrou duas moedas de prata com seu detector. Depois disso, ele contou o que tinha encontrado para seus amigos e então todos se juntaram e foram procurar se havia mais moedas no local.

“As duas moedas de prata foram muito especiais para mim. Quando as encontrei, gritei muito porque estava muito animado com a descoberta”, contou ele.

Os amigos ficaram quatro dias procurando. Nesse período, eles encontraram 627 moedas, dentre elas as 12 de ouro que datam da época da Peste Negra. Eles montaram um acampamento onde estavam fazendo a procura até terem certeza de que tinham recuperado o tesouro completo e para evitar que as moedas fossem encontradas por ladrões ou curiosos que as venderiam depois sem nem cogitar o seu valor histórico.

Claro que a experiência de encontrar moeda atrás de moeda desse tesouro foi uma grande surpresa para o grupo de amigos. “Talvez eu devesse ter ficado quieto, mas fiquei tão feliz. Só para mim aquelas moedas eram especiais. São pequenas peças de prata e também um pedaço de história. Mas fiquei ainda mais emocionado com tudo que encontramos no final. Ainda não consigo acreditar”, disse Fijalkowski.

De acordo com Crispin Butler, legista sênior da Corte de Beaconsfield Coroners, essas moedas são consideradas um tesouro da história do Reino Unido. Tanto é que elas fizeram todos os requisitos do Museu Britânico. Além disso, segundo as regras de descoberta e detecção de tesouros, qualquer coisa maior do que três moedas é considerada como um tesouro. Por conta disso, ele deve ser declarado para as autoridades e para as organizações competentes.

Fonte: Olhar digital,  UOL

Imagens: Olhar digital

Robô japonês pode ficar sem bateria na lua. Entenda

Artigo anterior

iPhone 16 de 2 TB pode ser lançando em 2024

Próximo artigo