Ciência e Tecnologia

Moto voadora é realidade e custa R$ 4 milhões

moto voadora
0

Cenas de filme estão a um passo de se tornarem reais. O novo lançamento japonês chegou para provar que a tecnologia existente já consegue produzir itens que não imaginaríamos que seria possível tão cedo.

Com características futurísticas, a primeira moto voadora do mundo foi apresentada em um circuito de corrida próximo a Tóquio. Na ocasião, a moto chamada de XTurismo alçou voo e impressionou a todos que ali estavam, além da imprensa nacional e internacional.

Os primeiros exemplares da moto estão sendo fabricados e já começaram a ser vendidos. A previsão é que cheguem ao mercado no segundo semestre de 2022. O veículo pode voar por cerca de 40 minutos e atingir uma velocidade máxima de 100 km/h. Além disso, a moto possui quatro motores movidos a eletricidade e um a combustão.

Seis hélices foram acopladas à moto, sendo duas onde ficariam as rodas e quatro nas pontas. A escolha dos locais para a colocação das hélices foi estrategicamente pensada, levando em conta o equilíbrio e a sustentação do veículo.

Reuters

A moto, que pesa cerca de 300 quilos, está sendo produzida desde 2017 pela startup A.L.I Technologies, que é do Japão. A empresa já conta com o apoio dos investidores Mitsubishi Electric e Kyocera.

A tecnologia tem 3,7 metros de comprimento, 2,4 metros de largura e 1,5 metros de altura. Sua operação é similar a de um drone, ou seja, com pouso e decolagem vertical. No entanto, a moto voa apenas próximo ao chão. No formato atual, o veículo pode carregar até 100 quilos.

Propostas para a XTurismo

A XTurismo está sendo vendida por cerca de US$ 680.000, o que equivale a pouco mais de R$ 3,8 milhões. Inicialmente, o veículo será limitado a locais restritos, como pistas de corrida e circuitos fechados.

O tráfego nas pistas convencionais só será possível quando as leis permitirem, o que ainda não é uma realidade. De toda forma, as versões iniciais do veículo estão sendo disponibilizadas apenas no Japão.

Uma das propostas da empresa responsável pela fabricação da XTurismo é que ela seja utilizada por equipes de resgate. Essa finalidade foi pensada para facilitar a chegada das equipes a locais de difícil acesso, inclusive em desastres.

No entanto, muitos anos podem levar para que esse tipo de transporte seja popularizado. O custo da moto é um fator dificultador para que a população tenha acesso a ela, além de que, nos estágios iniciais, poucas unidades são vendidas.

Além da XTurismo, outras empresas estão investindo em projetores de veículos voadores. Como exemplo, pode-se citar a Embraer, a General Motors e a Hyundai. A última está desenvolvendo um carro voador juntamente com a Uber.

Revolução tecnológica

A produção de motos e carros voadores alimentam a perspectiva de uma revolução tecnológica nos próximos anos. Isso porque esse cenário é pensado há muitos anos, quando se falava sobre um futuro distante em que as pessoas trafegariam em veículos voadores como algo normal.

Embora não exista previsão para a popularização desses serviços, já é algo que pode ser visualizado mais facilmente. Com isso, muito provavelmente as máquinas existentes nos dias atuais poderão se tornar obsoletas daqui há alguns anos.

As tecnologias serão (ou já estão sendo) cada vez mais elaboradas. Ano após ano, percebemos o avanço dos celulares, das televisões, dos carros e até dos robôs, que já foram incorporados à nossa realidade.

Um exemplo disso é o fato de ‘robôs aspiradores’ terem se tornado comuns. Basta programá-lo e ele retira toda a poeira presente no chão das casas, sozinho. Não há necessidade sequer de guiá-lo.

Se tratando de veículos de locomoção, também já existem aqueles com a função de piloto automático, ou seja, que dirigem sozinhos. Embora o valor para compra seja muito alto, eles já são uma realidade. A tendência é que isso se repita com os mais diversos itens, inclusive com os carros e motos voadores.

Esses famosos odeiam filmes de super heróis

Matéria anterior

Whindersson Nunes revela luta contra as drogas

Próxima matéria

Comentários

Comentários não são permitidos