Inovação

Por que a “biologia da ressurreição” está ganhando força no mundo todo

0

A ressurreição biológica é uma abordagem que busca revitalizar cadeias de moléculas e organismos mais complexos, e ela está se consolidando nos laboratórios ao redor do mundo.

Embora ainda distante da visão de dinossauros geneticamente modificados à solta, como vistos no filme “Jurassic Park”, alguns cientistas almejam, em última instância, a extinção e volta de animais e plantas perdidos.

Por outro lado, outros pesquisadores também analisam ao passado em busca de novas fontes medicinais ou para alertar sobre a possível reativação de patógenos.

Além disso, esse campo de estudo abrange a recriação de aspectos da história humana. Ele busca uma compreensão mais profunda de como nossos ancestrais viveram e morreram.

Com diversos investimentos acontecendo, existem alguns projetos de pesquisa nesse campo emergente, que foram lançados ou alcançaram progressos significativos em 2023.

Vírus “zumbis”

Via Freepik

O aumento das temperaturas no Ártico está causando o descongelamento do permafrost na região, uma camada congelada de solo abaixo da superfície, potencialmente liberando vírus que, após milhares de anos de dormência, podem representar uma ameaça para a saúde animal e humana.

Jean-Michel Claverie, professor emérito de medicina e genômica na Faculdade de Medicina da Universidade Aix-Marseille, em Marselha, França, dedica-se a compreender os riscos associados ao que ele chama de “vírus zumbi”. Isso porque ele ressuscita vírus a partir de amostras terrestres da Sibéria.

Em 2014, Claverie e sua equipe conseguiram reativar um vírus isolado do permafrost, tornando-o infeccioso pela primeira vez em 30.000 anos ao inseri-lo em células cultivadas.

Em sua pesquisa mais recente, publicada em fevereiro, Claverie e sua equipe isolaram diversas cepas de vírus antigos de várias amostras da Terra, identificando cinco novas famílias de micro-organismos.

Como medida de precaução, optaram por estudar um vírus capaz de afetar apenas amebas unicelulares, excluindo assim animais e humanos de possíveis impactos.

O mais antigo desses vírus era de quase 48.500 anos, conforme indicado pela datação por radiocarbono do solo. Ele saiu de uma amostra de terra coletada de um lago subterrâneo situado 16 metros abaixo da superfície.

Em contraste, as amostras mais jovens, provenientes do conteúdo estomacal e da pelagem dos restos mortais de um mamute lanoso, tinham aproximadamente 27 mil anos.

A persistência da capacidade infecciosa dos vírus ao longo de tantos anos é considerada um sinal de uma potencial ameaça séria à saúde pública, conforme destacou Claverie.

Novos antibióticos remonta à era glacial

Para César de la Fuente, pioneiro da bioengenharia e professor assistente da Universidade da Pensilvânia nos Estados Unidos, o passado representa uma fonte rica de oportunidades de ressurreição biológica na luta contra superbactérias resistentes a medicamentos.

Os avanços a partir de fósseis possibilitam a criação de bibliotecas detalhadas contendo informações genéticas sobre parentes humanos extintos e animais há muito desaparecidos, agora acessíveis ao público.

O grupo de biologia mecânica liderado por de la Fuente na UPenn utiliza métodos computacionais baseados em inteligência artificial para extrair essas informações genéticas e identificar pequenas proteínas, conhecidas como peptídeos.

Eles acreditam que essas moléculas possuem propriedades antibacterianas. Isso porque descobriram compostos promissores provenientes de Neandertais e criaturas da era glacial, como o mamute lanoso e a preguiça gigante.

Como explica o professor, isso permitiu desvendar novas sequências e tipos de moléculas que não tinham encontrado previamente em organismos vivos. Dessa forma, expandiram a compreensão da diversidade molecular.

As bactérias contemporâneas nunca foram expostas a essas moléculas, proporcionando uma oportunidade melhor para combater os patógenos problemáticos dos dias de hoje.

A maioria dos antibióticos tem sua origem em bactérias e fungos, descobertos por meio da análise de microrganismos presentes no solo.

Contudo, nas últimas décadas, a resistência aos medicamentos tem se desenvolvido em muitos patógenos, devido ao uso excessivo generalizado.

Dessa forma, embora a abordagem de de la Fuente seja não convencional, a necessidade de identificar novos candidatos nunca foi tão bem-sucedida.

A população global enfrenta quase 5 milhões de mortes anuais associadas à resistência microbiana, conforme relatado pela Organização Mundial de Saúde.

No cenário de extinções ocorrendo em um ritmo acelerado, alguns cientistas consideram a possibilidade de controlar essa perda ressuscitando criaturas do passado.

Via Freepik

Volta do dodô

A startup de biotecnologia e engenharia genética, Colossal Biosciences, anunciou em janeiro sua intenção de trazer de volta o dodô. Essa era uma ave não voadora de aparência peculiar que habitava a ilha de Maurício, no Oceano Índico, até o final do século 17, e reintroduzi-la em seu habitat original.

A empresa está imersa em outros projetos igualmente ambiciosos, que incorporam avanços no sequenciamento de DNA antigo, tecnologia de edição de genes e biologia sintética para ressuscitar o mamute lanoso e o tilacino, conhecido como tigre da Tasmânia.

Os geneticistas da Colossal Biosciences identificaram células precursoras de ovários ou testículos no pombo Nicobar, o parente vivo mais próximo do dodô. Essas células têm a capacidade de crescer com sucesso na ressurreição biológica.

Os cientistas estão atualmente investigando a possibilidade de que essas células, denominadas células germinativas primordiais (PGCs), possam se transformar em espermatozoides e óvulos.

A abordagem da empresa envolve a comparação dos genomas do dodô e do solitário Rodrigues, uma ave extinta intimamente relacionada ao dodô, para identificar suas diferenças.

Imitação

Posteriormente, a empresa realizará a edição dos PGCs de um pombo Nicobar para expressar as características físicas de um dodô. Essas células editadas serão então introduzidas nos embriões de uma galinha e de um galo estéreis.

Com a inclusão dos PGCs editados, a galinha e o galo serão capazes de se reproduzir. Teoricamente, seus descendentes assemelhar-se-ão ao dodô, graças ao DNA hibridizado do pombo incorporado em seus sistemas reprodutivos.

Em termos físicos, o dodô restaurado será indistinguível do que sabemos sobre a aparência do dodô, explica Matt James, diretor de animais da Colossal Biosciences, em um e-mail enviado à CNN em novembro.

Mesmo que os pesquisadores alcancem sucesso nesse empreendimento de alto risco, não estarão criando uma cópia exata do dodô que habitou o planeta há quatro séculos, mas sim uma forma híbrida modificada.

Ressurreição biológica para aves

Via Wikimedia

Enquanto isso, a Colossal Biosciences estabeleceu uma parceria com a Mauritian Wildlife Foundation para realizar um estudo de viabilidade, a fim de avaliar a localização ideal para as aves, caso o experimento obtenha sucesso.

Contudo, encontrar um habitat adequado pode ser um desafio considerável. Maurício, uma ilha relativamente pequena, passou por mudanças significativas desde a extinção do dodô.

Apesar de ser uma das aves mais famosas do mundo, ainda sabemos muito pouco sobre o dodô. Dessa forma, torna impossível compreender suas interações com o ambiente. É o que explica Julian Hume, paleontólogo aviário e pesquisador associado do Museu de História Natural de Londres, que conduziu estudos sobre o pássaro.

Devido à complexidade envolvida na recriação de uma espécie a partir do DNA, mesmo que isso fosse viável, resultaria apenas em uma criatura do tipo dodô.

Seriam necessários anos de reprodução seletiva para transformar um pequeno pombo em uma grande ave não voadora.

Além disso, vale ressaltar que a natureza levou milhões de anos para conduzir esse processo com o dodô. Assim, mesmo com os avanços da ressurreição biológica, ainda devemos esperar para termos resultados significativos.

 

Fonte: CNN

Imagens: Freepik, Freepik, Wikimedia

Surpreendentemente, lugar mais frio do universo observável fica na Terra

Artigo anterior

10 coisas do dia a dia que foram inventadas pela NASA

Próximo artigo