5 segredos que as grandes companhias farmacêuticas não querem que você saiba

POR Fatos Desconhecidos (Acervo)    EM Ciência e Tecnologia      09/02/15 às 18h44

As doenças fazem parte do dia-a-dia de qualquer pessoa e existem das mais diversas formas e tipos. Quando ficamos doente geralmente precisamos de remédio. E para ter remédios, é necessário ter quem os fabrique. Foi assim que a indústria farmacêutica se tornou responsável por um dos maiores mercados a nível mundial.

As empresas do ramo farmacêutico não são muito diferentes de quaisquer outras, elas estão focadas em ganhar dinheiro. E para isso, às vezes é necessário apelar para certas estratégias, de preferência sem que os consumidores saibam.

1. Reembalagem da medicação para induzir o consumo

imagem 1

O nome de um remédio é uma parte crucial do seu marketing. O antidepressivo Prozac, por exemplo, tem um somo mais científico, enquanto a droga Sarafem, que é dirigida às mulheres, possui um nome que remete ao feminino, além de ter uma coloração rosada. No entanto, as únicas diferenças entre estes remédios supostamente muito diferentes são os seus nomes e cores: Sarafem é apenas o bom e velho Prozac. A diferenciação é apenas porque a empresa farmacêutica Eli Lilly, por trás dos dois medicamentos, queria mulheres tomando o medicamento sem dizer a elas do que se tratava.

sarafem

Sarafem foi comercializado como a cura para uma doença chamada de transtorno disfórico pré-menstrual, os transtornos que surgem com a menstruação. E nós não estamos dizendo que Prozac não trata esses sintomas, isso apenas os médicos podem afirmar.

Prozac foi uma enorme máquina de dinheiro para a Eli Lilly, e Sarafem foi lançado apenas alguns meses antes de sua patente do Prozac expirar. Quando uma patente de medicamento expira, seu preço cai drasticamente, porque os concorrentes começam a lançar suas próprias versões genéricas. Mas pela liberação de um novo medicamento idêntico ao Prozac, Eli Lilly conseguiu aumentar a sua patente por alguns anos, permitindo que o preço do Prozac permanecesse agradável e alto.

Em 1997, a GlaxoSmithKline fez algo semelhante quando lançou o conhecido antidepressivo Wellbutrin como uma pílula que ajuda você a parar de fumar, mas só depois de ele ser renomeado como Zyban . Mais uma vez, a ciência por trás dos remédios pode ter sido realmente o som das palavras, mas isso não muda o fato de que enganar as pessoas para tomar drogas que alteram a mente é algo que você normalmente esperaria de um filme do James Bond.

2. Inundando o mundo com pesquisas tendenciosas

imagem2

Já pensou em como os médicos sabem que medicação receitar com tanta coisa nova surgindo todo o tempo?

Eles geralmente leem revistas médicas, em que são publicados os mais recentes estudos da área. Infelizmente, as empresas farmacêuticas sabem disso e quando lançam um novo produto que, ocasionalmente, dá uma diarreia incontrolável nos pacientes, lançam um número esmagador de estudos falsificados que substituem a palavra "diarreia" por outra de menor impacto.

Em um caso real, a empresa farmacêutica Medtronic pagou  210 milhões de dólares  a dezenas de cirurgiões para que eles assinassem artigos médicos redigidos e editados com a ajuda de comerciantes da Medtronic. Tudo para fazer propaganda de um produto de crescimento ósseo da empresa. O mesmo que mais tarde foi associado ao câncer e a  infertilidade nos homens, o que pode ter afetado qualquer uma das milhões de pessoas que foram prescritas com a medicação.

As advertências vinham sempre em letras bem pesquenas, mas os comerciantes foram capazes de ajustar o texto para destcar os benefícios e escovar os riscos e efeitos colaterais. Mas, mesmo quando as empresas farmacêuticas juntam esforço para realização de estudos científicos originais, muitas vezes, eles simplesmente não publicam os resultados desfavoráveis.

pilulas

 

Em um experimento, uma série de estudos de uma medicação antidepressiva foram submetidos a uma autoridade reguladora de medicamentos, e no final , apenas os estudos que renderam resultados favoráveis ??foram liberados para o público. Ah, não podemos esquecer de mencionar que os estudos foram financiados por grandes conglomerados farmacêuticos. É por isso que alguns pesquisadores acreditam que a grande maioria dos estudos sobre antidepressivos não são confiáveis.

Mas o que dizer de estudos independentes que não são pagos por grandes empresas? Claro, eles existem, mas muitos dos pesquisadores acabam sendo processados, e os estudos são mantidos a partir da publicação com advogados da empresa farmacêutica. Lembre-se, as empresas nem sequer precisam vencer os pesquisadores na justiça. Tudo o que elas precisam fazer é continuar levando os cientistas de volta ao tribunal até esgotarem todo o dinheiro deles.

3. A implantação de um exército de representantes de venda que não contam tudo

imagem 3

Outra maneira de os médicos se manterem informados é através dos representantes de vendas, que visitam os profissionais para informar as mais novas pílulas mágica que a sua empresa criou. Na maioria dos países, os representantes de vendas de drogas são legalmente obrigados a divulgar todas as informações relevantes sobre o remédio que eles estão promovendo ao médico, e não apenas as coisas boas.

Mas nos Estados Unidos, Canadá e França, por exemplo,se soube que os representantes apenas informam que droga traz sérios riscos em 6% por cento das vezes. Porque, você sabe, o objetivo não é  informar, é fazer com que os médicos assinem a linha pontilhada.

O grande risco é que mais da metade dos medicamentos cujos pontos negativos não são mencionados apresentarão a advertência mais severa: " pode causar a morte ". E isso é apenas para os riscos, as coisas que podem dar errado quando alguém toma a droga, isto é,  não os efeitos colaterais, que são coisas que quase certamente vão acontecer com quem tomar o remédio, mas realmente as reações adversas.

Alguns hospitais podem receber mais de uma dúzia representantes de vendas por dia. Os médicos querem ouvir apenas o tempo suficiente para obter a mercadoria e amostras grátis, pois eles não costumam ter tempo. Isto leva a super-vendas condensadas, e se alguma coisa precisa ser cortada, com certeza vão ser as desvantagens. Uma parte muito maior do problema, porém, é que, apesar de a lei ser muito clara sobre esses pontos em alguns locais, não há praticamente nenhuma fiscalização.

Enquanto isso, as empresas farmacêuticas estão gastando bilhões em anúncios de TV dizendo a pacientes para exigir essas drogas de seu médico. Assim, os médicos estão ficam pressionados por todos os lados. Mas, realmente, por que eles deveriam se preocupar com isso quando acabaram de ler esse artigo científico  falando sobre como a droga é segura?

4. Indicação forjada de instituições

imagem 4

Em países como os Estados Unidos, por exemplo, você não pode ler qualquer rótulo do produto sem descobrir que ele foi aprovado pela Sociedade Americana de alguma coisa, recomendado por algum centro nacional de alguma coisa, ou apreciado por algum instituto internacional.

Como se vê, a maioria destes grupos são "laranjas" da indústria farmacêutica, recomendando medicação baseada não em pesquisa rigorosa, mas sim no nome que aparece em seus cheques. O American Acne and Rosácea Society, conhecida pela sigal AARS, são uma organização imparcial, teoricamente, mas na verdade são financiados quase que inteiramente pelos fabricantes de medicamentos contra acne como Galderma, que tem 13 dos 15 especialistas AARS em sua folha de pagamento.

médico

De acordo com um estudo do Journal Sentinel, entre as 20 diretrizes clínicas para os medicamentos mais vendidos nos EUA, incluindo Nexium, Lipitor, e Oxycontin, 16 foram elaborados por médicos com claras ligações com as empresas farmacêuticas. O medicamento contra asma da GlaxoSmithKline Advair foi o quinto remédio mais vendido nos Estados Unidos em 2011 no país, graças à uma recomendação do National Heart, Lung, e Bl0od Institute, o que pode ter acontecido porque 12 dos 18 membros do painel do instituto foram pagos pela empresa.

Vamos dar um exemplo do que o gigante Wyeth fez em 2002, depois de descobrir que seus remédios hormonais para tratamento da menopausa aumentavam os riscos de câncer de mama, doenças cardíacas, acidente vascular cerebral e coágulos sanguíneos, eles continuaram a ser comercializados.

As drogas, chamadas Prempro e Premarim já estavam no mercado quando a descoberta foi feita, por isso, em vez de recolhe-las, a empresa preferiu gastar aproximadamente 120 milhões de dólares formando um conselho sobre educação hormonal, com 85 por cento dos membros contratados por ela. Durante seis anos, um curso online oferecido pelo conselho "ensinava" milhares de médicos sobre como a terapia hormonal era incrível e que o câncer tinha a ver com outros fatores.

5. Suborno desenfreado

imagem 5

As grandes empresas farmacêuticas costumam dar subornos com frequência, geralmente em países estrangeiros. Por exemplo a GlaxoSmithKline está atualmente sob investigação por pagar 500 milhões de dólares em propina para médicos chineses, funcionários públicos, administradores hospitalares etc.

PFIZER CANADA INC. - Pfizer Canada Announces New Lower Price for

Os pagamentos foram feitos para garantir à empresa uma maior quota de mercado no país e contribuir com o combate a imitações dos medicamentos. Desde a descoberta, a empresa tomou a decisão heroica de investigar-se e descobriu que a coisa toda foi orquestrada por quatro altos executivos que agiram sozinhos, supostamente contra as diretrizes da empresa.

Fatos Desconhecidos (Acervo)
Acervo, matérias feitas antes do ano de 2015.

Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.
Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+