6 coisas intrigantes a respeito do museu de Auschwitz

POR Eduardo Coelho    EM Curiosidades      03/09/15 às 17h35

Não precisa nem ser partidário de alguma ONG que enaltece e luta pelos direitos humanos, para percebermos o quanto o Holocausto foi um fatídico, doloroso e triste capítulo recente da formação das diretrizes da Humanidade. Os oficiais nazistas, supervisionados por grandes nomes do governo alemão e com o aval de Hitler, protagonizaram horrores contra várias etnias, principalmente com relação aos judeus.

E o campo de concentração de Auschwitz, especificamente, foi um dos maiores palcos desse show de barbárie. A rede de campos, em 1947, acabou se tornando um acervo moderno, como se fosse um viveiro de lembranças, uma vitrine real, do que os prisioneiros passaram e sofreram no início da década de 40.

Abaixo listaremos para vocês alguns fatos intrigantes desse Museu e citaremos uma polêmica ocorrida em pleno século XXI envolvendo esse, que é um dos marcos do nazismo quando ele ainda existia e após o fim da Segunda Guerra também:

1- "ARBEIT MACHT FREI"

Gates Of Auschwitz

Os museus pertinentes ao campo de concentração de Auschwitz e Birknau localizam-se na cidade polonesa de Oswiecim, em torno de setenta quilômetros da Cracóvia. Logo na entrada do museu, existe alocada a frase completamente irônica: "Arbeit Macht Frei", em português, "O Trabalho Liberta".

O museu de Auschwitz apresenta um série de seções que mostram o cotidiano tanto dos oficiais nazistas, quanto dos próprios prisioneiros, em sua grande maioria judeus.

2- Pertences que não pertenciam mais

Cracóvia_-01921

Quando os prisioneiros, a maioria deles judeus, iriam realizar o primeiro contato com o campo de concentração, eles tinham os seus itens pessoais confiscados e amontoados em gigantes galpões. Muitos deles eram utilizados para novos fins, pertinentes ao convívio no campo.

Gafas,_Auschwitz_Museum,_Polonia

Em um dos itens abaixo, iremos falar à respeito do modo com o qual isso era mais representativo para as coisas do sexo feminino, afinal, os nazistas de certo modo, tentavam 'aproveitar' várias coisas para utilizar com outras finalizados.

AuschwitzRings

Adentrando ao campo, tinham que se despirem de tudo que fosse 'material', até mesmo coisas como dentes de ouro, eram arrancadas de modo abrupto e levados junto a outros itens de valor, como anéis e alianças e outras joias, para as casas de fundição, para tentarem aproveitar o ouro e a prata.

Pile-of-Shoes-Auschwitz

Acima, vocês podem ver o amontoado de sapatos que pertenciam aos ex-prisioneiros. É facilmente perceptivo que tratam-se de pilhas realmente gigantescas.

3- Universo feminino

img_4747

Nem centenas, nem milhares! Milhões de mulheres acabaram sendo perseguidas e posteriormente de algum modo ou outro, de modo cruel e sanguinário, assassinadas pelo regime nazista.

Não necessariamente pelo seu sexo em si, mas pelo fato de estarem dentro do campo de perseguições dos nazistas, por outros segmentos, como no caso a religião. Várias judias tiveram suas vidas e famílias ceifadas durante o Holocausto, e o Museu de Auschwitz trás à tona vários símbolos pertinentes a isso.

Hair

Seus cabelos eram prontamente raspados, e além do sofrimento de perderem uma das maiores marcas da representação da feminilidade, que são os cabelos, elas ainda deviam realizar o ofício de artesãs e confeccionarem roupas, tecidos e coisas do tipo, usando os próprios cabelos ceifados pelos nazistas.

 

4- Identificação à base de tortura

Tattoo-stamps-3

Esse era um instrumento de identificação, que era utilizado pelos nazistas como se fosse uma espécie de carimbo, pois levava tinta em cima das pontas de perfuração.

Existiam 5 tipos de formatos desses carimbos de identificação, que eram literalmente "martelados" no peito dos prisioneiros, com um único golpe. Posterior à prensagem na pele, eles "limpavam" a ferida causada, enchendo-a com tinta. Esse processo era repetido pelo menos cinco vezes para cada um dos prisioneiros.

5. Marcas do Holocausto

wpid-20131106_140318

Essa representação acima, é um registro fotográfico de uma verdadeira tatuagem realista, do que foi o Holocausto, do nazismo, e do sofrimento que homens e mulheres, judeus e outras etnias passaram no campo de concentração, localizado próximo à Cracóvia.

A imagem mostra o sinal de diversas unhas, que imprimiram o desespero e a agonia, de estar em uma câmera de gás nazista e submetido a abundância de gases tóxicos, que levava à morte, apenas pela sua inspiração, em poucos minutos.  Foram mais de 1,6 milhões, de acordo com estimativas, de pessoas mortas somente  em Auschwitz.

Polêmica em pleno século XXI

sem-titulo-3

Ainda falando sobre Auschwitz, recentemente o Museu Polonês entrou em pautas de discussões no mundo todo por  uma polêmica inesperada, ainda mais se tratando de uma entidade que expõe os horrores do Holocausto e do nazismo.

Foi instalado na fila para o museu, alguns chuveiros automáticos, que segundo os administradores locais, servem para amenizar a forte onda de calor que assola o verão polonês. (afinal, a Europa fica no hemisfério norte e tem a estação do ano invertida com a do hemisfério sul)

Só que o fato mais intrigante é que o chuveiro é idêntico ao formato com o qual os nazistas fizeram uso, no extermínio em massa de judeus, chuveiros esses que até mesmo no próprio museu, existem réplicas. Um tanto quanto desnecessário, não?!

É ou não é, um lugar que deve ter uma atmosfera assustadoramente triste?

Eduardo Coelho
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL

Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.
Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+