É bem visível que com o passar dos anos, a mulher vem sempre encontrando mais espaço em locais que somente homens poderia habitar. Um bom exemplo disso é a história de Amelia Earhart, que se tornou a primeira mulher piloto de avião a cruzar o oceano Atlântico.

Com esse feito a norte americana se igualou a, Charles Lindberg, que foi o pioneiro nesse tipo de viagem solo, indo de Nova York a Paris. Desde muito nova, Amelia, se mostrava que era uma pessoa diferente da maioria das garotas que ela conhecia. Gostava de se aventurar subindo em árvores, caçar ratos com espingarda e colecionar recortes de jornais sobre mulheres que tiveram sucesso em suas carreiras em áreas predominantes masculinas.

Ela aprendeu a pilotar, comprou um avião biplano, da cor amarelo,e o nomeou de "O Canário". O feito que trouxe a fama para Amelia foi cruzar o Atlântico sozinha, coisa que ela conseguiu em 21 de maio de 1932.

Em uma viagem que estava fazendo, no dia 2 de julho, sob o oceano Pacífico relataram mau tempo ao Itasca, um navio da guarda costeira norte americana. Trocaram algumas informações, mas depois de um tempo a comunicação caiu. Desde o ocorrido não se teve mais notícias de Amelia e nem do avião que ela se encontrava.

Bom, conforme o tempo passou foram aparecendo teorias que tenta explicar o desaparecimento de Amelia. Pensando que vocês queiram conhecer essas teorias, listamos algumas delas para vocês:

1 - Prisioneira de japoneses

A última vez que Amelia e seu co-piloto foram vistos vivos, foi quando pararam em um aeródromo  na Nova Guiné para fazer revisão no avião e abastecer.

Publicidade
continue a leitura

Oitenta anos depois do desaparecimento, o ex diretor executivo do FBI, produziu um documentário no canal History  Channel de um total de duas horas de conteúdo. Amelia Earhart: The Lost Evidence Armled (Amelia Eahart: A Evidência Perdida Armada). Nela ele informa que tem uma foto recentemente descoberta, relacionada ao desaparecimento de Earhart.

A fotografia preto e branco, mostra uma mulher com cabelos curtos, com um corte parecido com o que a Earhart usava, ela estava sentada em uma doca em Jaluit Atool, nas Ilhas Marshall. Vários especialistas acreditam que a foto é uma "evidência muito convicente" que ela estava sendo mantida sob custódia dos japoneses.

2 - Co-piloto era um alcoólatra

Talvez essa seja uma das teorias mais aceitas pelos pesquisadores sobre o desaparecimento. Os rumores se definiam que o co-piloto de Amelia estava bêbado no vôo, e seria o responsável pelo desaparecimentos dos dois.

3 - Dona de casa em Nova Jersey

Publicidade
continue a leitura

Em 1970, um livro publicado chamado melia Earhart Lives de Joe Klass, que afirmava que Irene Bolam, uma mulher que morava em Monroe Township, Nova Jersey, seria a piloto desaparecida. No livro era claro as afirmações que Earhart teria voltado para os EUA e vivido uma vida tranquila logo após a Segunda Guerra Mundial, com a esperança de nunca volta ao olhar do público.

4 - Os restos mortais foram devoras por caranguejos

Em 1940, segundo um oficial britânico, ele tinha descobrido um esqueleto junto com uma antiga caixa sextante na ilha Gardner. Atualmente o esqueleto já foi perdido, devido ao degaste.

Outros habitantes da ilha, são os caranguejos de coco que podem crescer até o tamanho de um cão pequeno,  e são capazes de comer carne de um porco e espalhar os ossos.

5 - Espião dos Estados Unidos

Publicidade
continue a leitura

Segundo o livro Lost Star: The Search for Amelia Earhart, ela não estava indo apenas em uma aventura pelo mundo, mas estava entrando em uma missão de espionagem e que seu avião estava secretamente equipado para tirar fotos de instalações da ilha japonesa e acabou entrevistando um ex-técnico da Lockheed, que lhe disse: "Lembro que fui direcionado para cortar dois orifícios de 16 a 18 polegadas de diâmetro para as câmeras , Que deveriam ser montados na baia de fuselagem inferior e seriam operados eletricamente ".

6 - Sem combustível

Elgen Long, aviador, é um dos principais defensores da teoria do "acidente e afundamento". Com cerca de trinta e cinco anos de pesquisa, ele e sua mulher, Maria k. Long, foram os responsáveis por documentar para as pessoas os dados sobre o ocorrido.

Long acredita que quando estavam perto do destido de Earhart, Howland Islando, o avião ficou sem combustível. Earhart e seu co-piloto não tiveram escolha se não abandonar o avião.

E ai, o que acharam dessas teorias relacionadas ao desaparecimentos de Earhart? Comenta ai e não se esqueça de compartilhar com os amigos, lembrando que seu feedback é sempre muito importante.

Publicado em: 11/07/17 00h25