7 piores casos de assassinos ligados a igreja

POR Isabela Ferreira    EM Mistérios & Horror      22/05/18 às 16h30

Embora a religião e a igreja em si sejam símbolo de paz e amor, não podemos negar que tais entidades já foram e ainda são responsáveis por inúmeras mortes pelo mundo. Infelizmente, muitos líderes religiosos já usaram o nome de Deus para matar e exterminar outros grupos que iam contra suas ideologias. Muitos deles realmente acreditavam estarem fazendo isso em nome de  Deus.

No entanto, alguns deles realmente mataram apenas por seus próprios interesses. Apesar de terem jurado fidelidade à vida  sagrada e longe de pecados, simplesmente ignoraram seus juramentos em troca de algo completamente banal, dando continuidade à seus planos mortais. Pensando nisso, nós aqui da Fatos Desconhecidos separamos abaixo 7 piores casos de assassinos ligados a igreja. Confere aí!

1 - David Love

David Love era o pastor de uma igreja no Missouri, Estados Unidos. Ele era muito amigo de Randy Stone e presenciou toda a dificuldade que ele enfrentava em seu casamento com a mulher, chamada Teresa. Frequentemente Stone ia até o padre para receber conselhos e ter melhor orientação sobre como poderia agir. No entanto, o que ele não sabia era que seu amigo religioso estava tendo um caso extraconjugal com sua esposa, já há 10 anos.

Foi no dia 10 de março de 2011 que Teresa encontrou Stone morto em seu escritório. Ele apresentava marcas de tiro que provavelmente, haviam sido disparados de sua própria arma. O funeral aconteceu poucos dias depois, sendo que o pastor ainda compareceu e deu suas palavras de condolência. No entanto, pouco após o enterro, ele se mudou para a Carolina do Sul.

Investigando o caso, as autoridades descobriram que Love tinha sim envolvimento no caso. Chegaram até ele e acabaram o prendendo, junto a Teresa, por assassinato. Mais tarde ela confessou que havia dado a combinação do cofre do marido ao pastor. A ideia era usar a arma para forjar um suicídio e em seguida, cobrariam o valor do seguro pela morte do homem. Love declarou culpa e foi condenado à prisão perpétua. Enquanto isso, a mulher pegou oito anos de prisão.

2 - Mike Tabb

Tabb era um ex-capelão que havia acabado de se mudar com sua esposa, Marla, para a pequena cidade de Troup, no Texas. Pouco antes de se mudarem, ela havia dado à luz ao segundo filho do casal. Dias depois de terem se estabelecido na cidade, Tabb procurou o xerife desesperado, pois tinham espancado sua esposa até a morte, dentro da própria casa. Assim que a polícia chegou encontrou uma cena de filme de terror. Ela estava jogada em uma poça de sangue, completamente desfigurada.

O espancador foi tão cruel que sua mandíbula havia sido deslocada e o rosto estava irreconhecível. Faltavam duas pernas na mesa da casa, sendo que uma delas nunca foi encontrada, sendo considerada como a arma do crime. À medida que analisavam a cena do crime, as coisas foram ficando ainda mais estranhas. Parecia que o local havia sido um pouco limpo. Ao checarem as roupas e o caminhão de Tabb, encontraram vestígios de sangue e o homem foi imediatamente preso. Mais tarde ele confessou o crime mas não revelou os motivos no tribunal, para "resguardar" os filhos. Foi condenado a 55 anos de prisão, embora possa ter liberdade após 27 anos.

3 - Leticia Lopez

A irmã Luz Amparo Granada foi uma freira que trabalhou em uma área de alto risco da Colômbia. Ela cuidava de prostitutas moradores de rua e diariamente se via em situações complicadas. Infelizmente, seu corpo foi encontrado queimado e desmembrado na região, em novembro de 1999. O número de suspeitos por terem cometido o crime eram enorme, até porque, a região era realmente perigosa.

No entanto, logo a suspeita caiu sobre a vizinha da irmã, que também era uma freira: irmã Leticia Lopez. Durante o julgamento ela negou envolvimento com o crime e logo foi absolvida. No entanto, o FBI precisou intervir no caso e descobriram coisas realmente horríveis. As paredes do quarto de Lopez apresentava manchas de sangue e chegaram a encontrar uma trilha de sangue pela casa, o que indicava que o corpo havia sido arrastado. Mais tarde a freira confessou o crime e pegou 14 anos de prisão. Em depoimento, ela alegou ter feito aquilo pois não aprovava o trabalho de Granada com as mulheres do "comércio sexual".

4 - Hans Schmidt

No ano de 1909, Hans Schmidt se mudou para Nova York pois havia conseguido o cargo de padre católico em uma igreja local. No entanto, ele acabou conhecendo Anna Aumuller, por quem se apaixonou fortemente. Embora fosse proibido, ele iniciou um relacionamento com a mulher e eles chegaram até mesmo a se casar em segredo. No entanto, o padre acabou sendo transferido para uma outra igreja, localizada bem mais longe de Aumuller, o que no fim das contas, não impediu que eles continuassem se encontrando.

O problema aconteceu quando a mulher ficou grávida. Para o padre, aquilo seria o fim de sua carreira, o que certamente o levaria a ser exonerado. Então, ao invés de simplesmente assumir seu amor e esperar pela misericórdia da igreja, ele decidiu quebrar um de seus mandamentos mais sagrados. Em 2 de setembro de 1913, ele simplesmente cortou a garganta de Aumuller. Em seguida, desmembrou seu corpo e espalhou os pedaços pela cidade.

Não demorou muito até que ele fosse descoberto e o caso se transformasse em um verdadeiro escândalo na mídia. Em seu primeiro julgamento ele declarou insanidade. Já no segundo, foi considerado culpado e condenado à pena de morte. Sua execução ocorreu no dia 18 de fevereiro de 1916, sendo considerado como o único padre a ser executado nos EUA, por assassinato.

5 - Ryan Erickson

Foi no dia 5 de fevereiro de 2002, que um caso chocou a pacífica cidade de Hudson, em Wisconsin. Um atirador  invadiu uma funerária e matou o dono e seu estagiário, que trabalhava no local. Não houve roubo e nem nada além dos assassinatos. As autoridades não conseguiram identificar o culpado e muito menos entender porque alguém iria querer matar funcionários de uma funerária. Foi apenas 3 anos mais tarde que a polícia chegou até o padre católico Ryan Erickson, de 31 anos. O mais estranho é que ele chegou a presidir o funeral de um dos mortos na ocasião.

As autoridades o interrogaram duas vezes. Na primeira vez, ele negou que tenha tido algum envolvimento. Na segunda, acabou negando também. No entanto, após a saída dos policiais, ele simplesmente vestiu sua batina e se enforcou... Um grave crime para o catolicismo. Ele chegou a deixar uma nota de suicídio, afirmando que não havia matado ninguém. Entretanto, mesmo depois de sua morte, foi considerado realmente culpado. Registros mostram que o padre teve uma vida conturbada e chegou a se envolver com outros homens, mesmo depois de aceitar a vida religiosa. Tudo indica que um dos homens mortos por ele sabia de alguma coisa e poderia colocá-lo em risco.

6 - John Nelson Canning

Por volta de 1980, John Nelson Canning, ministro pentecostal, se mudou para o estado da Flórida, nos Estados Unidos. Sua mudança não ocorreu de forma voluntária, uma vez que ele foi acusado de desviar fundos e precisou fugir. Começou a trabalhar em uma das igrejas do local e era bem visto por seus frequentadores. No início dos anos 80, um casal já idoso resolveu se casas com as bênçãos de Canning. Mas não demorou muito tempo até que um deles adoecesse e precisasse de cuidados especiais.

Como um suposto sinal de compaixão, o ministro se ofereceu para ir todos os dias até a casa do casal, para cuidar deles e administrar suas finanças. Eles aceitaram a "ajuda". No entanto, pouco tempo depois um dos idosos percebeu que milhares de dólares haviam sumido de sua conta bancária e que inclusive, uma de suas propriedades havia sido vendida. Imediatamente resolveram confrontar Canning

Para se livrar dos dois, foi capaz de sufocá-los até a morte. Em seguida, foi para a praia aproveitar o dia e apenas relatou as morte para a polícia mais tarde, alegando que havia os visitado e encontrado apenas os corpos já falecidos. A polícia suspeitou e prendeu o homem. Mais tarde ele confessou os crimes e no ano de 1996, foi condenado à prisão perpétua.

7 - Thomas Kottur, Jose Puthurukkayil e a irmã Sephy

Foi em 27 de março de 1992, que a irmã Abhaya simplesmente desapareceu. Após procurar um pouco mais, o corpo dela foi encontrado em um poço de seu convento, na Índia. Inicialmente sua morte foi considerada um suicídio, apesar de o corpo apresentar diversos cortes e escoriações. O caso permaneceu engavetado por quase 16 anos, até que as freiras do convento pediram que o caso fosse reaberto, em 2007.

Durante a nova investigação, o CBI chegou a  interrogar 3 pessoas do convento, o padre Jose Puthurukkayil, padre Thomas M. Kottur e irmã Sephy. Eles acabaram apresentando controvérsias em suas histórias, o que os transformou em suspeitos. Mais tarde, acabaram confessando o crime. Acontece que a irmã Abhaya acabou flagrando os três em um ato sexual dentro do convento. Desesperada, Sephy atacou a irmã com golpes de machado. Em seguida, eles se juntaram para jogar o corpo dentro do poço.

E então pessoal, o que acharam? Compartilhem suas ideias com a gente aí pelos comentários!

Isabela Ferreira
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL

Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.
Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+