Doença rara e inédita faz unhas cresceram pelo corpo de americana

POR Thamyris Fernandes    EM Ciência e Tecnologia      17/11/14 às 20h12

Se desenvolver uma doença rara e pouco conhecida é um grande sofrimento, imagine como deve sofrer para uma pessoa que acaba contraindo uma doença inédita, nunca antes vista no mundo! Pois é, parece bizarro demais para uma coisa assim acontecer na vida real, mas esse é o caso de Shanya, uma americana que teve a vida e a aparência completamente alteradas a partir de setembro de 2009.

De acordo com a família da universitária, nesse período a garota sofreu uma forte crise asmática e acabou sendo internada. Mas os remédios usados para controlar os problemas respiratórios de Shanya acabaram resultando em uma reação alérgica insuportável, que fazia a moça se coçar toda, com muita violência.

Parentes e amigos da americana contam que ela recebeu altas doses de medicamentos contra a reação alérgica, mas nada fazia efeito ou era capaz de aliviar o sofrimento da garota. Foi então que uma crosta escura e sólida começou a aparecer sobre a pele de Shanya, que praticamente começou a se "quebrar" ao longo do corpo.

4

Os médicos não sabiam o que fazer com a mulher, já que nunca tinham visto nada igual acontecendo. Depois de muitos exames e tentativas frustadas de tratamento, os especialistas disseram à família da menina que ela, muito provavelmente, ficaria daquele jeito por toda a vida e que não sabiam dizer, com certeza, o que estava acontecendo em seu organismo, já que estruturas como unhas humanas estavam aparecendo por toda parte, substituindo os cabelos e pelos da garota.

Desesperados, os familiares de Shanya procuraram ajuda em várias faculdades que pudessem estudar o caso, até que em 2011, a Universidade de Johns Hopkins aceitou o desafio. Foi preciso análises e estudos infindáveis até os médicos do centro de pesquisa descobrirem que o corpo da paciente produz cerca de 12 vezes mais células da pele em cada folículo que qualquer outra pessoa. Isso, em consequência, faz com que o organismo de Shanya produza unhas humanas, ao invés de simples pelos.

3

Conforme os médicos, existe uma possibilidade de que essa doença seja motivada pela falta crônica de vitaminas específicas no organismo da americana ou que sua pele acabe não recebendo oxigênio adequado e suficiente. Mas, como o quadro de Shanya só vinha piorando eles preferiram adotar uma medida de emergência para conter o problema ao invés de procurar os motivos pelos quais a doença pode ter surgido.

Eles, então, começaram a remover as "unhas" da cabeça da menina. Embora essa seja apenas uma forma paliativa de lidar com a doença, os médicos pretendem, pouco a pouco, repetir o mesmo precedimento em outras partes do corpo de Shanya, já que o resultado do processo foi positivo.

1

Acontece, no entanto, que além da decadência física da paciente - que mal consegue andar sozinha - o problema ainda está deixando Shanya e seus familiares endividados. Isso porque o tratamento da garota, bem como seus medicamentos e almofadas especiais ultrapassam o valor de 50 mil reais por mês. Ao todo, a dívida médica da americana é de 2 milhões de reais.

Mas não há outras opções para Shanya se não continuar seguindo o tratamento e deixando a dívida aumentar. Os médicos, aliás, continuam estudando o caso da garota e, mesmo depois de tanto tempo, ainda não chegaram a uma possível cura para essa doenças jamais vista antes.

2

O vídeo abaixo, conta um pouco sobre o estado de Shanya. As imagens estão em inglês, mas se for preciso você pode ativar as legendas do YouTube:

https://www.youtube.com/watch?v=KuLO-GBVB-s#t=68

Achou bizarro esse assunto? Conheça outras doenças exóticas e também sinistras nos links a seguir: 9 doenças exóticas e
Doenças que se parecem com "O curioso caso de Benjamin Button".

Thamyris Fernandes
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL

Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.
Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+