• MAIS LIDAS
  • QUIZ
  • VÍDEOS
  • ANUNCIE


É por isso que não se deve beijar um recém-nascido

POR Jesus Galvão    EM Ciência e Tecnologia      10/01/19 às 18h52

A mamãe Rafaela Moreira recentemente fez um apelo em seu perfil no Facebook, pedindo para que as pessoas não beijem bebês recém-nascidos. "Parem de querer beijar bebê que não é seu", escreveu a mulher na rede social. Tudo aconteceu porque seu filho, Gustavo, foi infectado pelo vírus do herpes com apenas 17 dias de vida, por causa do beijo de uma visita.

A publicação de Rafaela teve mais de 185 mil compartilhamentos e cerca de 25 mil curtidas. Segundo Moreira, antes das bolhas aparecerem no rosto pequeno, a criança chorava muito e, num primeiro momento, a mamãe pensou se tratar de cólicas, o que é bastante comum na fase que Gustavo se encontrava.

Os riscos

Ao aparecerem as bolhas no rosto do garoto, Rafaela se assustou. "O rosto dele estava todo infeccionado, aí eu o levei de imediato ao hospital, onde a médica contou que o herpes foi contraído pelo beijo. Ela recomendou que nessa fase a gente tem que evitar visitas", contou Moreira ao portal Extra.

A herpes afeta cerca de 4 bilhões de pessoas no mundo todo. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o vírus do herpes é extremamente perigoso para os bebês. Assim, alguns cuidados devem ser tomados por aqueles que vão visitar um recém-nascido.

O infectologista e professor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Kléber Luz, explica que, apesar de ser muito comum nos adultos, devido ao sistema imunológico dos bebês ainda serem muito frágeis, o herpes representa um verdadeiro risco.

O recém-nascido tem as defesas muito baixas. O herpes, no recém-nascido, tem uma característica: invade o sistema nervoso e produz encefalite [inflamação no cérebro]. Por isso que, mesmo vendo só as bolhinhas no rosto, é um indicativo de lesão cerebral. Por isso que é grave", explicou Luz.

Dois são os tipos de vírus que causam o herpes: o tipo 1 e o tipo 2. O tipo 1 é, geralmente, responsável pelos casos de herpes oral. Já o vírus do tipo 2 é o responsável, na maioria dos casos, pelo herpes genital. Informações da OMS contam que cerca de 3,7 bilhões de pessoas ao redor do mundo abaixo dos 50 anos de idade possuem o vírus do tipo 1 e 417 milhões, o tipo 2.

A transmissão do vírus acontece por meio de contato íntimo, como um beijo, por exemplo. Segundo Luz, mesmo que não haja feridas ou bolhas visíveis, o contágio pode acontecer. No entanto, este risco aumenta drasticamente caso as úlceras ou bolhas fiquem aparentes.

A doença não possui cura, mas o uso de medicamentos antivirais auxiliam a reduzir a severidade e frequência dos sintomas. Fatores como a exposição ao sol e estresse podem desencadear surtos da doença. Outra forma de contágio do herpes é por meio do canal vaginal durante o parto normal. De acordo com a OMS, entre 10 e 100 mil nascidos no mundo acabam sendo infectados pelo vírus.

Precauções e cuidados

Dessa forma, sempre que visitarmos uma criança recém-nascida, alguns cuidados devem ser adotados. Na verdade, o ideal é nunca visitar um bebê que nasceu há pouco tempo. Além de que a mamãe também precisa se recuperar do parto.

"Recém-nascido não é pra ser visitado, é pra ser cuidado. Uma mãe, uma tia, uma avó, encerra aí. Hoje em dia é uma caravana pra visitar — e pega, beija, abraça. A criança é muito frágil, o sistema imunológico está debilitado. Quem tem que ter contato é a mãe. Ficar em silêncio. Deixa a criança fazer um mês, dois meses, que aí pelo menos já tomou as primeiras vacinas", recomendou o infectologista.

"Ninguém tem que pegar o bebê no colo. Ele tem que ficar na dele, quietinho, longe de todo mundo. Só quem pega é a família íntima. Tocar na mão do bebê, por exemplo, é a mesma coisa que dar um beijo na boca dele, porque ele coloca muito a mão na boca. E, se estiver doente, não vá visitar", afirmou Ana Escobar,  pediatra e professora da Faculdade de Medicina da USP.

Ainda de acordo com Escobar, "Todo bebê é um imunodeprimido — as defesas são baixíssimas. Por isso tem que ser tudo esterilizado, para não contaminar. Não existe pegar num recém-nascido sem lavar as mãos e ter passado álcool em gel. Beijar bebê não se deve — só gente muito próxima, mas mesmo assim só com certeza absoluta de que não está doente. Pode pegar com roupa limpa, tendo lavado a mão".

As crianças também não ficam de fora."Deixe as crianças longe. Os pais têm que ter bom senso — criança gripada, resfriada, não deve visitar, nem chegar perto ou respirar perto do bebê", orientou a pediatra.

Então pessoal, o que acharam da matéria? Deixem nos comentários a sua opinião e não esqueçam de compartilhar com os amigos.

Próxima Matéria
Via   G1  
Jesus Galvão
Goiano, Canceriano e Publicitário.
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+