Curiosidades

Ex-ginasta norte-coreano foge do país ao pular cerca

0

De acordo com um oficial da Coreia do Sul, um norte-coreano, de baixa estatura e com 20 e poucos anos, logrou, recentemente, o feito de fugir do país após pular a cerca, de três metros, que marca a fronteira entre a Coreia do Sul e do Norte. Segundo a reportagem, publicada pelo Correio do Brasil, o desertor afirma ser um ex-ginasta.

A imprensa internacional informou que o homem está sendo investigado pelas autoridades militares de Seul, que buscam entender os motivos que levaram o ex-ginasta à deserção. Com o intuito de comprovar a notável experiência na ginástica, as autoridades da Coreia no Sul pediram para o indivíduo repetir o salto duas vezes.

A fuga do ex-ginasta

Para as autoridades, o baixo peso e, consequentemente, a experiência no esporte, ajudou o indivíduo a escapar. O ex-ginasta cruzou a Coreia do Sul por meio da Zona Desmilitarizada (DMZ). De acordo com o The Korean Herald e a Yonhap News Agency, a fuga ocorreu por volta das 19h do dia 3 de novembro.

Evitando a captura por 14 horas, o indivíduo foi encontrado por soldados sul-coreanos às 10 horas do dia 04, a menos de um quilômetro da fronteira. Além de não ter sido detectado pelas tropas norte-coreanas e não ter acionado os sensores presentes ao redor da cerca, o ex-ginasta conseguiu evitar as minas terrestres, que estão distribuídas por toda.

Questionadas pela imprensa local, as Forças Armadas sul-coreanas não souberam informar o motivo dos sensores não estarem funcionando. As autoridades só souberam informar que a cerca não sofreu nenhuma modificação em nenhum de seus pontos.

A fuga do ex-ginasta gerou críticas tanto os sistemas militares quanto aos de segurança da Coreia do Sul em torno da DMZ. O fato do indivíduo ter sido localizado somente no outro dia, também coloca em pauta a eficácia das autoridades locais.

“Iremos verificar porque os sensores não foram acionados e faremos de tudo para que voltem a operar novamente”, disse um oficial do Estado-Maior Conjunto da Coreia à Yonhap.

Deserção

Com a fuga do ex-ginasta, os militares podem ser acusados de não terem impedido uma potencial infiltração norte-coreana e uma violação de segurança na área.

Com isso, Seul prometeu fortalecer a vigilância ao longo da fronteira com seu vizinho comunista, não só por conta da fuga do ex-ginasta como também por já ter vivido outros tipos de violação. Em junho de 2019, por exemplo, um barco que transportava quatro norte-coreanos chegou à cidade de Samcheok, na Coreia do Sul, sem ser detectado.

A última deserção norte-coreana ocorreu em agosto de 2019, quando um soldado logrou cruzar a DMZ. Uma fuga de um outro soldado norte-coreano ganhou as manchetes em todo o mundo em 2017. O indivíduo conseguiu dirigir um caminhão do exército pela fronteira em meio a uma saraivada de tiros.

O Ministério da Unificação da Coréia do Sul afirma que um total de 33.523 desertores norte-coreanos entraram na Coréia do Sul desde 1948, ano que marcou o início da divisão oficial entre os dois países.

O Norte e o Sul concordaram em cessar os combates da Guerra da Coreia em 1953, mas permaneceram mutuamente hostis. As relações pioraram ainda mais no ano passado, desde o colapso das negociações de desnuclearização entre Pyongyang e Washington.

Em setembro, tropas norte-coreanas mataram a tiros um oficial de pesca sul-coreano que, por engano, mergulhou nas águas territoriais do Norte. Os norte-coreanos culparam Seul, dizendo que o assassinato foi devido ao “controle impróprio ” de um cidadão.

New York Times publica lista com os melhores atores do século XXI, até agora

Matéria anterior

Crianças desenvolvem Síndrome do Lobisomem após ingerirem remédio contaminado

Próxima matéria

Mais em Curiosidades

Você pode gostar