Compartilhando coisa boa

Grupo de motociclistas faz guarda em mesquitas após ataque na Nova Zelândia

0

Após o atentado sofrido em uma mesquita em Christchurch, na Nova Zelândia, um grupo de motociclistas prometeram fazer a guarda dos muçulmanos enquanto eles fazem suas primeiras orações depois do ocorrido na sexta-feira. Grupos como The Mongrel Mob, King Cobra e The Black Power prometeram dar apoio à comunidade muçulmana de todo o país.

No massacre ocorrido na última sexta-feira, 15 de março, 50 pessoas, com idades entre 3 e 77 anos, foram mortas e outras dezenas ficaram feridas depois que um homem, que se autodeclarava supremacista branco, invadiu duas mesquitas e atirou nas pessoas presentes e filmou todo o ato.

Em um manifesto divulgado pelo homem, repleto de falas racistas, ele informou que o ataque estava sendo planeja há dois anos. Após os ataques, a primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, em comunicado informou que rifles de assalto e armas semi-automáticas foram proibidos no país.

Nobre atitude

O presidente do grupo Waikato Mongrel Mob, Sonny Fatu, ofereceu-se para proteger a Mesquita Jamia Masjid, em Hamilton. “Apoiaremos e ajudaremos nossos irmãos e irmãs muçulmanos por quanto tempo precisarem de nós,”, disse Fatu ao portal neozelandês Stuff.

Ele informou que as pessoas começaram a entrar em contato com o grupo e lhes informou que os membros da comunidade muçulmana estavam receosos e com medo de fazerem suas orações tradicionais de sexta-feira.

“A questão era se poderíamos fazer parte da rede de segurança para que eles pudessem orar em paz sem medo. É claro que faríamos isso, não havia dúvidas sobre isso e estaríamos vestidos apropriadamente”, completou Fatu.

Fatu ainda explicou como a barreira humana seria organizada pelos membros de seu grupo de motociclistas. “Nós não estaremos armados. Estamos garantindo pacificamente o perímetro interno fechado, com outros membros da comunidade, para que se sintam à vontade”.

O apoio

Asad Mohsin, chefe da Associação Muçulmana de Waikato, demostrou o quanto está feliz pelo apoio recebido pelos motoqueiros, entre outras pessoas de diferentes setores da sociedade, com interesses e disposições diferentes.

“Nós não estaremos armados. Estamos garantindo pacificamente o perímetro interno fechado, com outros membros da comunidade, para que se sintam à vontade”, disse Asad.

“O Islã é inclusivo, livre de julgamento – nós não vemos membros de gangues, como os vemos. Nós os valorizamos como humanos e apreciamos que eles também nos valorizem”, completou.

Em entrevista ao New Zealand Herald, Asad disse: “Não há medos, e não estamos com medo. Eles não precisam ficar do lado de fora da mesquita, eles podem entrar, bem atrás de onde o sermão é dado”.

Membros da gangue The King Cobra no último sábado, 16, prestaram uma homenagem aos membros da mesquita Al-Masjid Al-Jamie, em Ponsonby.

Outros integrantes da Mongrel Mob também mostraram todo seu apoio à comunidade muçulmana neozelandesa por todo o país, incluindo a filial de Aotearoa, que prestou uma homenagem a eles na escola Hagley College, em Christchurch. Um integrante de uma das gangues está fazendo a proteção de uma mesquita em Sydney, na Austrália.

Então pessoal, o que acharam da matéria? Deixem nos comentários a sua opinião e não esqueçam de compartilhar com os amigos.

A história emocionante do órfão que pediu emprego em um açougue para ajudar família

Matéria anterior

Podemos ter descoberto uma maneira de levitar coisas usando apenas luz

Próxima matéria

Você pode gostar

Comentários

Comentários não permitidos.