• MAIS LIDAS
  • QUIZ
  • VÍDEOS
  • ANUNCIE


Grupo de motociclistas faz guarda em mesquitas após ataque na Nova Zelândia

POR Jesus Galvão    EM Compartilhando coisa boa      22/03/19 às 14h29

Após o atentado sofrido em uma mesquita em Christchurch, na Nova Zelândia, um grupo de motociclistas prometeram fazer a guarda dos muçulmanos enquanto eles fazem suas primeiras orações depois do ocorrido na sexta-feira. Grupos como The Mongrel Mob, King Cobra e The Black Power prometeram dar apoio à comunidade muçulmana de todo o país.

No massacre ocorrido na última sexta-feira, 15 de março, 50 pessoas, com idades entre 3 e 77 anos, foram mortas e outras dezenas ficaram feridas depois que um homem, que se autodeclarava supremacista branco, invadiu duas mesquitas e atirou nas pessoas presentes e filmou todo o ato.

Em um manifesto divulgado pelo homem, repleto de falas racistas, ele informou que o ataque estava sendo planeja há dois anos. Após os ataques, a primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, em comunicado informou que rifles de assalto e armas semi-automáticas foram proibidos no país.

Nobre atitude

O presidente do grupo Waikato Mongrel Mob, Sonny Fatu, ofereceu-se para proteger a Mesquita Jamia Masjid, em Hamilton. "Apoiaremos e ajudaremos nossos irmãos e irmãs muçulmanos por quanto tempo precisarem de nós,", disse Fatu ao portal neozelandês Stuff.

Ele informou que as pessoas começaram a entrar em contato com o grupo e lhes informou que os membros da comunidade muçulmana estavam receosos e com medo de fazerem suas orações tradicionais de sexta-feira.

"A questão era se poderíamos fazer parte da rede de segurança para que eles pudessem orar em paz sem medo. É claro que faríamos isso, não havia dúvidas sobre isso e estaríamos vestidos apropriadamente", completou Fatu.

Fatu ainda explicou como a barreira humana seria organizada pelos membros de seu grupo de motociclistas. "Nós não estaremos armados. Estamos garantindo pacificamente o perímetro interno fechado, com outros membros da comunidade, para que se sintam à vontade".

O apoio

Asad Mohsin, chefe da Associação Muçulmana de Waikato, demostrou o quanto está feliz pelo apoio recebido pelos motoqueiros, entre outras pessoas de diferentes setores da sociedade, com interesses e disposições diferentes.

"Nós não estaremos armados. Estamos garantindo pacificamente o perímetro interno fechado, com outros membros da comunidade, para que se sintam à vontade", disse Asad.

"O Islã é inclusivo, livre de julgamento - nós não vemos membros de gangues, como os vemos. Nós os valorizamos como humanos e apreciamos que eles também nos valorizem", completou.

Em entrevista ao New Zealand Herald, Asad disse: "Não há medos, e não estamos com medo. Eles não precisam ficar do lado de fora da mesquita, eles podem entrar, bem atrás de onde o sermão é dado".

Membros da gangue The King Cobra no último sábado, 16, prestaram uma homenagem aos membros da mesquita Al-Masjid Al-Jamie, em Ponsonby.

Outros integrantes da Mongrel Mob também mostraram todo seu apoio à comunidade muçulmana neozelandesa por todo o país, incluindo a filial de Aotearoa, que prestou uma homenagem a eles na escola Hagley College, em Christchurch. Um integrante de uma das gangues está fazendo a proteção de uma mesquita em Sydney, na Austrália.

Então pessoal, o que acharam da matéria? Deixem nos comentários a sua opinião e não esqueçam de compartilhar com os amigos.

Próxima Matéria
Jesus Galvão
Goiano, Canceriano e Publicitário.
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+