Ciência e Tecnologia

Como microesferas de vidro poderão salvar o gelo do Ártico?

0
Como microesferas de vidro poderão salvar o gelo do Ártico (3)

No Ártico, o nível de aquecimento é o dobro do resto do planeta. E claro, isso afeta diretamente o gelo da região. Com isso, os cientistas estão testando alguns métodos alternativos para salvar o gelo do Ártico. Entre eles, um método que vem chamando a atenção inclui microesferas de vidro.

O gelo do Ártico, enquanto uma superfície branca, funciona como um refletor do Sol. Por isso, a região está tão ameaçada. Quanto mais quente, mais gelo é derretido e assim por diante. Assim, em julho deste ano, a cobertura de gelo no Ártico foi a mais baixa já registrada nesta época do ano. Mas, um método alternativo poderia apresentar uma solução um tanto quanto peculiar para o problema.

Uma forma de quebrar o ciclo vicioso de derretimento de gelo

De acordo com a Arctic Ice Project, uma empresa sem fins lucrativos, a ideia é espalhar uma fina camada de vidro moído ou microesferas de vidro sobre o gelo para protegê-lo dos raios solares. Logo, isso permitiria que a camada de gelo se regenerasse, quebrando o ciclo vicioso de derretimento de gelo e lutando contra os efeitos do aquecimento global.

Para além do Ártico, o desaparecimento do gelo vai contribuir para um aumento no nível do mar. Além disso, padrões climáticos em todo o mundo também estão sentindo as alterações. “Estamos tentando quebrar o ciclo vicioso e iniciar um processo de recuperação”, afirma Leslie Field, engenheiro, diretor técnico do projeto e professor da Universidade de Stanford.

Atualmente, essa camada de gelo pela qual estamos lutando funciona como uma espécie de estudo protetor para o resto do mundo. Caso o gelo desapareça, o efeito será equivalente ao de 25 anos de queima de combustíveis fósseis nos níveis atuais. Dessa forma, as mudanças serão sentidas com o aumento de secas, inundações e ondas de calor.

Quais os riscos de tentar manipular a natureza?

Esse tipo de ação, que busca mudar o curso da natureza e é chamada de geoengenharia. Dito isso, por conta dos riscos, ela não é bem vista por muitos cientistas. “A total falta de progresso na mitigação das mudanças climáticas está abrindo espaço para a consideração de opções de geoengenharia”, afirma Emily Cox, política climática e pesquisadora de geoengenharia da Universidade de Cardiff, no País de Gales.

Com riscos elevados, Cox nos lembra que o melhor é não agir em cima da incerteza. “O que faremos se algo não der certo, especialmente em um ecossistema tão frágil hoje como o Ártico?”, afirma a pesquisadora. Por outro lado, em defesa do projeto, Field afirma que essas são medidas e urgentes. E, de fato, se nada for feito, estaremos prestes a presenciar danos irreversíveis ao planeta.

Também vale lembrar que o projeto já possui um preço e ele não é nada barato. Para a fabricação, transporte e distribuição, o projeto custará entre US $ 1 bilhão e U$ 5 bilhões por ano. Olhando assim, pode parecer um valor elevado, mas se compararmos com os estrados de desastres e eventos climáticos, estamos falando de um prejuízo de U$ 460 bilhões nos Estados Unidos entre os anos de 2017 a 2019.

Em todo caso, as microesferas de vidro não irão reduzir as emissões de dióxido de carbono. Mas, como nos lembra Field, esse é “o plano de emergência que eu esperava nunca precisarmos”, afirma.

Centenas de túmulos antigos na Espanha revelam uma história muçulmana secreta

Matéria anterior

Estudo mostra os efeitos de gritar com seu cachorro a longo prazo

Próxima matéria

Você pode gostar

Comentários

Comentários não permitidos.