Curiosidades

Missão ambiciosa para estudar as origens do sistema solar foi lançada

0

Em suma, dominar o espaço e descobrir tudo que ele guarda, ainda é um dos maiores desejos do homem. Isso faz que nos arrisquemos em nome do conhecimento. Afinal, quem não gostaria de viajar pela imensidão do universo?!

Nosso sistema solar é imenso e o espaço no qual vivemos pode esconder diversos segredos que jamais imaginamos. Em suma, quando crianças, ainda nos primeiros anos escolares, aprendemos que o sistema é formado pelo sol, a lua e pelos planetas.

Porém, existem muitas coisas orbitando na nossa imensa galáxia que podem nos deixar surpresos. Até mesmo os pesquisadores que se dedicam a estudar o sistema solar e o que o compõe se surpreendem.

Lançamento

E além de estudar tudo o que forma o nosso sistema solar, os pesquisadores também são fascinados em descobrir como tudo começou. Por isso, a NASA lançou uma espaçonave chamada Lucy em uma missão que durará 12 anos para explora os asteroides Trojan de Júpiter.

Essa missão foi lançada no último sábado, e seu objetivo é reunir novos insights a respeito da formação do sistema solar. A espaçonave foi lançada a bordo do foguete Atlas V que decolou do Cabo Canaveral.

O nome da missão foi uma homenagem ao fóssil mais antigo de um ancestral humano. E Lucy será a primeira espaçonave movida por energia solar que irá se aventurar tão longe do sol. Além de também observar mais asteroides do que qualquer outra sonda já enviada. Ao todo, Lucy observará oito asteroides.

Exploração

A espaçonave também irá fazer três sobrevoos da Terra para ajuda da gravidade, o que a tronará a primeira espaçonave a voltar às vizinhanças do nosso planeta vindo do sistema solar externo.

“Cada um desses asteroides, cada uma dessas amostras imaculadas, fornece uma parte da história do sistema solar, a nossa história”, disse Thomas Zurbuchen, administrador associado da Missão Científica da NASA.

Missão

O primeiro encontro que Lucy fará vai ser em 2025 com o asteroide Donaldjohanson no Cinturão Principal, que fica entre Marte e Júpiter. Se nomeou o asteroide em homenagem ao descobridor de Lucy.

Depois disso, entre 2027 e 2033, Lucy irá encontrar sete asteroides de Trojan. Cinco deles será no enxame que conduz Júpiter e dois em um enxame que segue o planeta. O maior desses asteroides tem 95 quilômetros de diâmetro.

A espaçonave irá voar pelos objetos dentro de 400 quilômetros das suas superfícies, e irá usar seus instrumentos de bordo e antenas grandes para investigar a geologia dos asteroides. Incluindo sua composição, massa, densidade e volume.

Esses asteroides de Trojan são matéria-prima remanescente da formação dos planetas gigantes do nosso sistema solar: Júpiter, Saturno, Urano e Netuno. E os cientistas acreditam que eles podem ter pistas essenciais a respeito da composição e condições físicas do disco protoplanetário a partir do qual todos os planetas ao redor do sol, inclusive o nosso, se formaram.

“Uma das coisas realmente surpreendentes sobre os asteroides de Trojan, quando começamos a estudá-los do solo, é como eles são diferentes uns dos outros, especialmente com suas cores. Alguns são cinza, enquanto outros são vermelhos. Com as diferenças indicando a que distância do Sol eles podem ter se formado antes de assumir sua trajetória atual”, concluiu Hal Levison, o principal cientista da missão.

Fonte: https://www.sciencealert.com/lucy-spacecraft-launches-on-ambitious-mission-to-study-the-origins-of-the-solar-system

7 piores lugares onde filmes foram gravados

Matéria anterior

Consumo de oxigênio vai acabar sufocando maior parte da Terra

Próxima matéria

Comentários

Comentários não são permitidos