Curiosidades

O ambicioso plano para salvar o lençol de gelo na Antártida

0

O lençol de gelo na Antártica está em risco de entrar em colapso. Contudo, os cientistas podem ter uma solução incomum: explodir trilhões de toneladas de neve artificial em geleiras com canhões. A pulverização dessa nevasca artificial na área costeira de Thwaites e Pine Island pode estabilizar a falha do lençol de gelo do oeste da Antártida. Isso reduziria a perda de gelo, que pode levar a um aumento catastrófico do nível do mar. Por mais intrigante que possa parecer essa solução extrema, também haveria inconvenientes consideráveis. Nada é 100% positivo. O esforço seria proibitivamente caro e poderia prejudicar ecossistemas oceânicos sensíveis. Conheça o ambicioso plano para salvar o lençol de gelo na Antártida.

A Antártica Ocidental é particularmente vulnerável às mudanças climáticas. Décadas de temperaturas elevadas fizeram com que cerca de 24% das camadas de gelo na parte ocidental entrasse em risco de colapso. Além do mais, a taxa de fusão está acelerando, com a água derretida fluindo para o mar cinco vezes mais rápido do que em 1992. As pesquisas começaram nesse período.

“A perda de gelo está acelerando e pode não parar até que a camada de gelo da Antártida esteja praticamente acabada”, disse o coautor do estudo Anders Levermann. Ele é físico do Instituto Potsdam para Pesquisa sobre Impacto Climático (Pikdam), na Alemanha.

Sobre o estudo

Sem intervenção para deter a perda de gelo na Antártida, a elevação do nível do mar pode chegar a 3 metros. As metrópoles costeiras “de Nova York a Xangai” pagarão o preço caso a camada de gelo ocidental do continente colapse. No estudo, Levermann e seus colegas criaram simulações de computador para avaliar como o gelo costeiro fraco pode ser fortalecido.

Eis o ambicioso plano para salvar o lençol de gelo na Antártida. Eles descobriram que a neve artificial espalhada na superfície da camada de gelo, onde as geleiras encontram o mar, impediria o colapso da camada de gelo. A técnica imitaria a precipitação natural na Antártida, ao mesmo tempo em que forneceria substancialmente mais neve.

“Na prática, isso pode ser percebido por uma enorme disposição de massas de água, bombeada para fora do oceano e coberta de neve sobre a camada de gelo”, disse Levermann.

As simulações dos pesquisadores mostraram que a estabilização da camada de gelo exigiria pelo menos 7,25 trilhões toneladas de neve artificial. Elas seriam distribuídas com ”canhões”. Porém, fazer neve na Antártida precisaria de muita infraestrutura mecânica. A água do mar teria que ser transportada até a superfície da camada de gelo. Depois, deveria ser distribuída em uma área de mais 52.000 quilômetros quadrados.

Estimativas

Os pesquisadores estimaram que seriam necessárias 12 mil turbinas eólicas para gerar energia suficiente. Tudo para apenas movimentar a água. A dessalinização e a fabricação de neve exigiriam ainda mais energia. Além disso, o parque eólico teria que ser construído perto do litoral, o que poderia destruir um ambiente oceânico primitivo.

Isso seria “um esforço sem precedentes para a humanidade em um dos ambientes mais hostis do planeta”, escreveram os cientistas. No entanto, segundo Levermann, a enormidade da ameaça exige soluções drásticas e não convencionais como esta.

A opção de fabricação de neve não pode ser vista como uma alternativa de mudança ecológica. Não podemos esquecer que as emissões de gases de efeito estufa são os principais propulsores da mudança climática. “Esse esforço gigantesco só faz sentido se o Acordo Climático de Paris for mantido e as emissões de carbono forem reduzidas rápida e inequivocamente”, disse Johannes Feldmann.

Empresa mostra em vídeo drone lança-chamas que já pode ser comprado

Matéria anterior

Entrelaçamento quântico é finalmente capturado em foto assustadora

Próxima matéria

Mais em Curiosidades

Você pode gostar

Comentários

Comentários não permitidos.