Em Monte Ikeno, no Japão, a mil metros abaixo do chão, você será capaz de encontrar um lugar, no mínimo, estranho. Ele tem vários nomes e você pode escolher. Oficialmente, por lá, ele se chama Super-Kamiokande, já popularmente, ele é reconhecido como Super-K. Mas aqui no Brasil, você já deve ter ouvido falar dele com outro nome: Detector de Neutrinos.

A gigantesca câmera dourada é muito parecida com o esconderijo de um super-vilão dos quadrinhos ou até mesmo de um cientista do mal nos cinemas. Mas a verdade é que você deve estar se perguntando: o que é um detector de neutrinos? Mas primeiramente você precisa saber o que é um neutrino. Vamos um passo de cada vez, tudo bem?

Detector de Neutrinos

Para começar, você precisa saber que os neutrinos são partículas subatômicas que viajam pelo espaço e atravessam a matéria sólida como se fosse ar. Entender os neutrinos é um passo elementar para entender o espaço e tudo o que há nele. Para você ter uma ideia, estudar essas partículas significa que podemos entender quando as estrelas estão morrendo por aí no espaço. Isso nos permite conhecer mais sobre o que há no universo.

Publicidade
continue a leitura

Mundo subatômico

Uma das celebridades da ciência, Neil de Grasse Tyson, afirmou que os neutrinos são a presa mais evasiva do universo. Ele chegou a explicar que a máquina que detecta neutrinos,- a maquina em questão nessa matéria, no caso - fica tão abaixo da terra para impedir que outros elementos e partículas entrem. "A matéria não representa nenhum obstáculo para um neutrino. Um neutrino poderia passar por cem anos-luz de aço sem diminuir a velocidade", afirmou Neil.

Mas por que os neutrinos são tão importantes para estudar as estrelas? Momentos antes de uma estrela entrar em colapso, ela neutraliza os neutrinos, de modo que a Super-K atua como uma espécie de sistema de alerta antecipado, dizendo-nos quando devemos observar esses deslumbrantes eventos cósmicos. Ou seja, ele nos antecipa um colapso de uma estrela, ou seja, de uma Supernova.

Publicidade
continue a leitura

Dr. Yoshi Uchida, do Imperial College London, afirmou em uma entrevista ao site Business Insider que "se há uma supernova, uma estrela que entra em colapso e se transforma em um buraco negro, algo como a Super-K é um dos poucos objetos que podem ver os neutrinos dele".

Como a máquina funciona?

Publicidade
continue a leitura

A mil metro de profundidade, como já dito anteriormente, a Super-K tem a mesma altura que um prédio de 15 andares.Ele fica cheio de água super pura, porque através dessa água hiper-limpa, os neutrinos conseguem viajar mais rápido que a velocidade da luz. Ao viajarem lá dentro, luz são disparadas, podendo acompanhara trajetória.

"Se um avião está indo muito rápido, mais rápido que a velocidade do som, ele produzirá som - uma grande onda de choque - de um modo que um objeto mais lento não consegue acompanhar.  Da mesma maneira que uma partícula passa pela água, se vai mais rápido que a velocidade da luz na água, também pode produzir uma onda de choque de luz ". A câmara é forrada com 11.000 lâmpadas de cor dourada. Estes são detectores de luz incrivelmente sensíveis chamados Photo Multiplier Tubes, que podem captar essas ondas de choque.

Além disso, o estudo dos neutrinos também podem auxiliar a entender o início do universo. Isso porque eles podem passar da matéria para a antimatéria, ou seja, poderemos entender melhor a relação da matéria com a anti-matéria.

E aí, o que você achou dessa matéria? Conversa com a gente comentando e compartilha essa matéria nas suas redes sociais. Para você que está com um nó na mente depois de ler sobre essa máquina, aquele abraço.

Publicado em: 03/01/19 22h23