História

O que essa igreja do século 15 escondia em seus cômodos vai te deixar assustado

0

Durante a Idade Média, grande parte dos territórios europeus eram liderados por governos extremamente religiosos. Por causa disso, não é raro encontrar igrejas e templos construídas nessa época por todos lados. Também por isso, várias autoridades católicas e protestantes do período se uniram contra crenças que classificavam como feitiçaria. As bruxas condenadas eram acusadas de pacto com o demônio e executadas com base em escrituras bíblicas.

Em uma capela localizada na cidade de Aberdeen, a terceira mais populosa da Escócia, no Reino Unido, historiadores encontram indícios de que o local nem sempre foi utilizado somente para orações. Um anel de ferro encontrado numa coluna de pedra pode ter revelado que o local funcionava como uma prisão para pessoas acusadas de bruxaria e feitiçaria na cidade.

Por si só, o anel não é tão espetacular, mas ele permite que os historiadores tracem com melhor precisão o passado da igreja e da região. A descoberta foi realizada durante o projeto OpenSpace, que trabalha na restauração da capela, parte da Igreja de São Nicolau.

1

O anel de ferro pode parecer simples, mas os pesquisadores acreditam que ele é a ligação direta com o passado negro da cidade. Aberdeen é famosa por ter um organizado sistema de julgamento de bruxas e, em 1597, julgou e executou 23 mulheres e um homem por crimes e crenças em estudos de feitiçaria.

Caça às bruxas

3681963300000578-3703433-St_Mary_s_Chapel_at_the_Kirk_of_St_Nicholas_in_Aberdeen_was_used-a-30_1469198627662

De acordo com o historiador Chris Croly, da Universidade de Aberdeen, a onda de perseguição às bruxas começou no século 15, na Europa, e chegou na Escócia por volta da década de 1590. Anos mais tarde, a tendência chegou até mesmo nos Estados Unidos, onde aconteceu o famoso julgamento das bruxas de Salem.

Na Escócia, o hábito de caça às bruxas não era normalmente feito por populares exaltados e revoltados com as atitudes das supostas feiticeiras. Por ali, existiam comissões reais, que agiam sob o comando do rei. Por conta disso, os arquivos da cidade de Aberdeen, ainda hoje, mantém uma organizada e detalhada documentação dos julgamentos e execuções realizados. Dentre os documentos, é possível encontrar até mesmo comprovantes de pagamento a um ferreiro local, responsável pela forja de anéis e algemas utilizados na prisão das bruxas.

Escavações

SW-06

Além da prisão para bruxas, um outro projeto, realizado de 2006 a 2007 no mesmo local, revelou corpos de mais de 2 mil pessoas enterradas ao lado da igreja. Os historiadores conseguiram muitas informações sobre a vida da população da região dos séculos 11 ao 18, mas não conseguiram confirmar restos mortais de nenhumas das bruxas ou feiticeiras acordadas. Acredita-se que os corpos das bruxas condenadas tenham sido levados para terrenos mais distantes, não considerados sagrados, ou acabaram desaparecendo após serem queimadas em fogueiras.

Segundo o líder do projeto OpenSpace Trust, mesmo que o lugar tenha sido utilizado como uma prisão no passado, será mantido como uma área aberta ao público. “O espaço vai continuar sendo uma área de paz e tranquilidade, sendo respeitado pela capela que já foi e continuará sendo”, explicou.

O que é possível comprar com 1 milhão de reais ao redor do mundo?

Matéria anterior

10 recordes do Guinness Book mais bizarros envolvendo partes do corpo

Próxima matéria

Você também pode gostar

Mais em História

Comentários

Comentários não são permitidos