Curiosidades

Observadores das trevas assombram caminhantes há séculos

0

Por pelo menos 300 anos, caminhantes que desbravam as montanhas de Santa Lucia, na Califórnia, Estados Unidos, têm relatado avistamentos de silhuetas sombrias e misteriosas, popularmente conhecidas como “observadores das trevas”.

Os primeiros relatos dessas feições, presentes nas montanhas, datam de 1700, quando os espanhóis chegaram pela primeira vez à Califórnia. Na verdade, foram os espanhóis os primeiros a apelidar essas estranhas silhuetas de “observadores das trevas”.

Os relatos ganharam mais força ainda com a chegada dos primeiros colonos anglo-americanos, os quais também declararam ter vistos figuras semelhantes. Obviamente, com o tempo, e a gama de relatos, as sombrias figuras acabaram se tornando parte do folclore local.

O mais intrigante é que, independente de relatos, das lendas e das histórias de terror, alguns caminhantes, que passaram pelas montanhas de Santa Lucia recentemente, conseguiram capturar imagens dessas silhuetas sombrias.

Observadores das trevas

A editora-chefe do SFGate, Katie Dowd, escreveu um artigo sobre os observadores das trevas da Califórnia, cheio de detalhes e com possíveis explicações sobre a existência dessas temerosas feições.

Um fato interessante, mencionado no artigo, é a experiência do escritor americano John Steinbeck com os observadores das trevas. Steinbeck, que cresceu em Salinas, aparentemente, os viu pessoalmente. A real experiência acabou inspirando o escritor a produzir o conto “Flight”. Escrito em 1938, o conto, basicamente, relata a história de um menino que mata um homem e é forçado a fugir para as montanhas de Santa Lucia.

“Quando chegares às altas montanhas, se vires algum dos escuros homens vigilantes, não se aproxime deles, nem tente falar com eles”, diz a mãe do personagem principal no livro.

O que torna o artigo de Dowd ainda mais promissor é o fato de outros membros da família de Steinbeck também terem vivido experiências com os misteriosos observadores das trevas. Sua mãe, Olivia, e o filho do escritor, Thomas, ao que parece, também ficaram diante destes seres.

Relatos

Diferente dos relatos do escritor Steinbeck e dos membros de sua família, aqueles que caminham pelas montanhas e avistam os observadores das trevas dizem que as silhuetas desaparecem em um passe de mágica. Por esse motivo, alguns dos caminhantes que avistaram as macabras feições resolveram capturá-las com o auxílio de uma máquina fotográfica.

Muitos acreditam que os caminhantes das trevas são os famosos Pé-grandes. Para os cientistas, essas silhuetas são apenas exemplos de pareidolia ou simples ilusões de ótica – os quais até chegaram a criar um paralelo com a lenda dos espectros de Brocken, em homenagem ao Pico de Brocken nas montanhas Harz, onde os moradores também têm relatado avistamentos de silhuetas sombrias.

Aparentemente, os avistamentos são mais frequentes onde a neblina se forma regularmente. As silhuetas sombrias, nesse ínterim, aparecem de forma clara por conta do contraste estabelecido pelas formas das árvores e da neblina, e desaparecem rapidamente quando o caminhante se posiciona de uma forma diferente.

A premissa até pode explicar os constantes avistamentos, mas os registros que foram feitos deixam dúvidas no ar. Verdade ou não, os observadores das trevas seguem vivos nos inúmeros relatos – que são cada vez maiores.

Fotógrafo passou 12 anos fazendo essa foto da Via Láctea

Matéria anterior

Quanto 7 estrelas de Hollywood cobram para dar autógrafos?

Próxima matéria

Comentários

Comentários não permitidos.

Mais em Curiosidades

Você pode gostar