Os dentes de Hitler revelam a verdade sobre sua morte

POR Isabela Ferreira    EM Ciência e Tecnologia      22/05/18 às 19h01

Afinal de contas, como Adolf Hitler realmente morreu? O que não faltam são histórias conspiracionistas sobre os últimos dias da Alemanha Nazi, principalmente sobre o que aconteceu com o ditador. Você já deve ter escutado histórias que contradizem sua morte em 1945, por exemplo. Dessa forma, alegam que ele apenas fugiu e iniciou uma vida nova em algum lugar da América do Sul, ou na Antártida talvez.

No entanto, os cientistas finalmente conseguiram decifrar o mistério de uma vez por todas. Para a decepção de muitos, a verdadeira história não é cercada por grandes fugas e esconderijos de elite. Pesquisadores franceses conduziram análises biomédicas na arcada dentária de Hitler, divulgando os resultados de seus estudos no European Journal of Internal Medicine. Segundo o professor Philippe Charlier, que participou da análise: "Os dentes são autênticos, não há dúvidas quanto a isso. Nosso estudo prova que Hitler morreu em 1945".

Detalhes

Desta vez, todas as teorias da conspiração que envolvem a morte de Hitler foram realmente desbancadas. Ainda de acordo com o professor Charlier: "Ele não fugiu para a Argentina em um submarino. Ele não está em uma base escondida na Antártida e nem mesmo no lado escuro da lua". Por si só, o ato de poder estudar os dentes do ditador já é um grande feito. Então, ser capaz de definir o ano e como ele morreu, é algo ainda mais recompensador, visto que este compunha um dos maiores mistérios ainda regidos pelo nazismo.

Embora existam de fato estas teorias, a maioria dos pesquisadores acreditava em uma outra versão. Para eles, Hitler havia se matado ao lado da esposa, Eva Braun, no dia 30 de abril de 1945. Como um desejo final, seus corpos teriam sido cremados logo em seguida. Alguns dias depois, os  soviéticos acabaram tomando Berlim e encontraram os restos mortais do ditador alemão nas proximidades de seu bunker. Após a descoberta, ainda jogaram gasolina sobre o corpo já carbonizado, e o queimaram ainda mais.

O que realmente aconteceu

A partir daí já podemos imaginar que pouco restou do corpo. No entanto, uma parte de sua mandíbula, onde ainda tinham alguns dentes, foi salva e permaneceu em domínio do serviço russo de inteligência. Esta foi a primeira vez que cientistas tiveram liberdade para estudar tais vestígios. Assim que compararam os restos mortais a relatórios de autópsias soviéticas, radiografias de arquivos dos EUA e registros  odontológicos, tiveram certeza de que os dentes pertenceram a Hitler. Fato é que ele não tinha dentes nada saudáveis. Apesar de ter morrido com apenas 56 anos, possuía apenas quatro dentes naturais e os outros eram próteses.

E aqueles que ainda restavam, já apresentavam grave estágio de desgaste. O curioso é que algumas cavidades entre os dentes eram preenchidas por "minúsculos depósitos azuis". Segundo os responsáveis pela investigação, eles poderiam ter surgido a partir de uma "reação química entre o envenenamento por cianeto e a liga metálica". Em contrapartida, não encontraram evidências que apontem que o ditador disparou um tiro contra si mesmo. Apesar disso, os pesquisadores não descartam a possibilidade.

Segundo Charlier: "Não sabemos se ele usou um ampola de cianureto para se matar ou se foi uma bala na cabeça. Mas provavelmente, foi ambos". De qualquer forma, ele realmente cometeu suicídio em seu bunker, no ano de 1945. Ainda é válido mencionar que seus dentes contribuíram para confirmar uma outra lenda... Tudo indica que ele provavelmente era um vegetariano, e não um típico comedor de carne.

E então pessoal, o que acharam? Compartilhem suas ideias com a gente aí pelos comentários!

Isabela Ferreira
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL

Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.
Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+