Fatos NerdNotícias

Quarteto Fantástico altera drasticamente os poderes do Galactus

0

Criado em 1966, Galactus, também conhecido como o Devorador de Mundos, vem dando trabalho para o Quarteto Fantástico há mais de cinco décadas. Por diversas vezes, a entidade cósmica já ameaçou destruir a Terra, mas acabou sendo impedida por Reed Richards e companhia. Além disso, apesar de ter sido inicialmente apresentado como vilão, atualmente sabe-se que, apesar de mórbida, a função do Grande G é encontrar um planeta capaz de sobreviver a próxima entropia do universo.

Pois bem, em sua mais recente série, intitulada Quarteto Fantástico: Antítese, a equipe de super-heróis recebeu uma missão que fugiu do convencional. Dessa vez, ao invés de lutar contra Galactus, a família do Edifício Baxter ficou encarregada de ajudá-lo. O pedido de ajuda veio por parte do Surfista Prateado, que pediu à Primeira Família da Marvel que auxiliasse seu amigo de longa data. Contudo, após ajudarem Galactus a derrotar a ameaça que o afligia, aconteceu algo bastante inesperado. Em suma, Reed Richards roubou os poderes do Devorador de Mundos para si mesmo e, após sua família implorar para que ele devolvesse os mesmos, Richards acabou cedendo, mas não sem fazer algumas alterações drásticas nos poderes de Galactus.

Reed Richards e os poderes de Galactus

Enquanto ainda estava com os poderes de Galactus em suas mãos, Reed Richards decidiu que morreria em vez de devolver as habilidades a Galactus. De acordo com Reed, se ele ignorasse a fome de devorar planetas, ele poderia morrer como um herói, porque salvaria incontáveis ​​mundos da fome de Galactus. Até Galan – nome oficial de Galactus – ficou feliz com isso, pois o mesmo foi amaldiçoado durante anos a buscar substância para sua fome e, como ele disse, era hora de passá-la para outra pessoa. Porém, isso não aconteceu graças ao Surfista Prateado, Agatha Harkness e o Coisa.

Dessa vez, toda a estratégia para salvar o dia ficou por conta do Coisa que pediu que Agatha Harkness usasse sua magia em conjunto com o Poder Cósmico do Surfista Prateado para alcançar Reed. Em seguida, Sue Storm fez o Surfista lembrar o que o fazia amar tanto a Terra antes de estender a mão para atrair Reed de volta ao planeta. De acordo com o Surfista, ele disse que escolheu proteger a Terra porque os humanos no planeta eram compassivos e usavam sua inteligência para ajudar os outros. As possibilidades de esperança e amor tornaram a Terra diferente dos mundos dominados pelos Skrulls e Kree.

A nova versão do Devorador de Mundos

Reed Richards finalmente percebeu o que precisava fazer antes de devolver o Poder Cósmico a Galactus. Ele não iria se sacrificar para salvar o mundo mas, mesmo assim, abriria mão de parte de si mesmo em prol do universo. Assim como o Surfista Prateado, Reed sabia que a esperança foi o principal motivador, para que a Terra tenha sido poupada por Galactus. Sendo assim, o líder do Quarteto Fantástico deixou algo a mais no Poder Cósmico antes de devolvê-lo a Galan, um pedacinho de sua consciência tão pequena e infinitesimal que Galactus nunca perceberá que está lá.

Por fim, Reed disse que esperava que, dando a Galactus parte de sua consciência, isso lhe permitiria ver as pessoas e ter compaixão por elas e, consequentemente, salvar um mundo no futuro. Embora ele tenha admitido que isso poderia acabar não surtindo efeito, ele ainda tinha fé de que isso salvaria vidas. Felizmente, foi o que aconteceu, já que o final da série mostrou Galactus pensando em devorar outro planeta. Todavia, quando ele viu famílias e vida alienígena no planeta, vivendo, rindo e brincando, ele olhou para ela e voou para o espaço, em busca de outra fonte de alimentação. Assim, Reed Richards deixou algo em Galactus que salvou vidas em todo o universo e tornou o Devorador de Planetas um pouco mais compassivo e menos perigoso.

Fonte: CBR
Imagens: Marvel.

iCarly retornará com boa parte do elenco original

Matéria anterior

Dragon Ball Super sugere forma de substituir Goku

Próxima matéria

Mais em Fatos Nerd

Você pode gostar

Comentários

Comentários não permitidos.