5 mitos sobre violência doméstica que muitas pessoas acreditam

POR A redação    EM Curiosidades      01/09/15 às 19h40

A violência doméstica é um padrão de comportamento que envolve violência ou abuso de uma pessoa contra a outra em um ambiente doméstico, como no casamento ou coabitação. A violência doméstica pode ocorrer entre relacionamentos heterossexuais ou homossexuais e às vezes também envolve a violência contra as crianças na família.

Esse problema pode tomar uma série de formas, incluindo física, verbal, emocional, econômica e abuso sexual, que pode variar de formas coercivas sutis, a violação conjugal e ao abuso físico violento que resulta em mutilação ou morte. Assassinatos domésticos incluem os crimes de honra e mortes por herança.

A violência doméstica ocorre muitas vezes quando o abusador acredita que o abuso é aceitável, justificado, ou seja improvável de ser comunicado. Pode produzir ciclos intergeracionais de abuso em crianças e outros membros da família, que podem sentir que essa violência é aceitável ou tolerada.

Consciência, percepção, definição e documentação da violência doméstica difere muito de país para país. Em relacionamentos abusivos, pode haver um ciclo de abuso durante o qual as tensões aumentam e um ato de violência é cometida, seguido por um período de reconciliação e de calma.

Vítimas de violência doméstica podem ser presas em situações de violência doméstica através do isolamento, poder e controle, a aceitação cultural, falta de recursos financeiros, medo, vergonha ou para proteger as crianças. Como resultado de abuso, as vítimas podem sofrer deficiências físicas, problemas crônicos de saúde, doença mental, finanças limitadas, e pobre capacidade de criar relacionamentos saudáveis.

Conheça a seguir as realidades que cercam a violência doméstica:

24

1. A violência também pode acontecer com homens: Em maioria, o sexo feminino é mais comumente vítima de violência doméstica, embora a vítima também pode ser o parceiro do sexo masculino, ou ambos os parceiros podem se envolver em comportamento abusivo ou violento.

Tem-se argumentado que a violência doméstica contra os homens é mais frequentemente não declarada por causa de normas e pressão social; aqueles que o fazem muitas vezes enfrentam estigma social em relação à sua percepção de falta de machismo e outras difamações de sua masculinidade.

23

2. Não é só abuso físico: Terrorismo íntimo (TI) pode também envolver abuso emocional e psicológico. Terrorismo íntimo é um elemento de um padrão geral de controle por um parceiro sobre o outro. Terrorismo íntimo pode durar um longo tempo e ser mais propenso a causar problemas psicológicos graves.

Os agressores geralmente são pessoas com tendências psicopatas e violentas. As vítimas são pessoas que estão emocionalmente dependentes do relacionamento. A depressão também é comum, como vítimas se sentindo culpadas por 'provocar' o abuso e são frequentemente sujeitas a intensas críticas.

É relatado que 60% ??das vítimas tem depressão durante ou após o término do relacionamento, e apresentam um risco muito maior de suicídio. As mulheres e homens que são agredidos seja emocional ou fisicamente muitas vezes também estão deprimidos por causa de um sentimento de inutilidade. Esses sentimentos muitas vezes persistem a longo prazo.

Além da depressão, vítimas de violência doméstica também experimentam geralmente de longo prazo ansiedade e pânico, e são suscetíveis a satisfazer os critérios de diagnóstico de Transtorno de Ansiedade Generalizada e Transtorno de Pânico. O efeito psicológico mais citado da violência doméstica é o Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT).

Estes sintomas são geralmente experimentados por um longo período de tempo depois de a vítima ter deixado esse tipo de situação. Muitos pesquisadores afirmam que o TEPT é possivelmente o melhor diagnóstico para aqueles que sofrem de efeitos psicológicos da violência doméstica, uma vez que representa a variedade de sintomas comumente experimentados por vítimas de trauma.

22

3. Costumes e tradições podem levar ao comportamento: Costumes e tradições locais são muitas vezes responsáveis ??pela manutenção de certas formas de violência doméstica. Esses costumes e tradições incluem a preferência por filhos (o desejo de uma família ter um menino e não uma menina, que é fortemente predominante em partes da Ásia), que pode levar ao abuso e negligência de crianças meninas por membros da família decepcionados; crianças e os casamentos forçados; dote; o hierarquia de castas, entre outros.

De acordo com um relatório de 2003 do Human Rights Watch, nos últimos anos, tem havido progressos na área de abordar práticas costumeiras que põem em perigo as mulheres, com leis que estão sendo promulgadas em vários países. O Comitê Inter-Africano sobre Práticas Tradicionais que Afetam a Saúde das Mulheres e Crianças é uma ONG que trabalha na mudança de valores sociais, eleva a consciência, e promulgação de leis contra as tradições prejudiciais que afetam a saúde das mulheres e crianças na África.

Nas culturas em que a polícia e autoridades legais têm uma reputação de práticas de corrupção e de abuso, as vítimas de violência doméstica são muitas vezes relutantes em recorrer a ajuda formal.

25

4. A vítima tem dificuldade em deixar relações abusivas: A capacidade das vítimas de violência doméstica para deixar uma relação violenta é crucial para a prevenção de novos abusos. Nas comunidades tradicionais, mulheres divorciadas muitas vezes se sentem rejeitados e no ostracismo, por isso voltam para os agressores.

A fim de evitar este estigma, muitas mulheres preferem permanecer no casamento e suportar o abuso. Muitas leis de casamento e divórcio discriminatórias pode também desempenhar um papel na proliferação de violência doméstica. De acordo com Rashida Manjoo, Relator Especial da ONU sobre a violência contra as mulheres: "[...] em muitos países o acesso da mulher à propriedade depende de seu relacionamento com um homem.

Quando ela se separa do marido ou quando ele morre, ela corre o risco de perder sua casa, terras e tudo que construiu. A incapacidade de garantir direitos de propriedade iguais em casos de separação ou divórcio desencoraja as mulheres de deixar casamentos violentos."

27

5. As origens: Um aspecto comum entre os agressores é que eles testemunharam o abuso na infância, em outras palavras, eles eram participantes de uma cadeia de ciclos de violência doméstica. Isso não significa, pelo contrário, que se uma criança testemunha ou está sujeita a violência que ela vai se tornar um agressor.

A redação
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL

Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.
Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+