7 jogadores que mudaram seus nomes
Tempo de leitura:3 Minutos, 36 Segundos

7 jogadores que mudaram seus nomes

Se você perguntar hoje a uma criança o que ela quer ser quando crescer, há uma grande chance de ela responder jogador de futebol. Isso porque, além do futebol ser considerado o esporte mais famoso do planeta, a ideia de fazer fama e ganhar fortuna fazendo o que gosta, é muito tentadora.

Entre os vários esportes praticados em todo o mundo, o futebol com certeza se destaca entre os mais adorados pelas pessoas. E para estar entre os mais famosos e bem pagos do mundo é preciso ser muito bom de bola.

Hoje os jogadores de futebol são considerados mais do que apenas atletas. Eles figuram entres as celebridades. E assim como alguns  atores, que tem nomes artísticos, alguns jogadores de futebol também trocam seus nomes.

De acordo com Marcelo Palaia, professor de marketing esportivo da ESPM, a mudança de nome pode acabar afetando a carreira do jogador, e ela não deve acontecer com frequência. “O nome de um atleta, assim como de músico, artista, celebridades, são verdadeiras marcas que eles passam a ter durante a carreira. Carregam consigo até o fim. O cuidado com essa marca, com o nome, tem de existir constantemente”, explicou.

No entanto, alguns jogadores já mudaram seus nomes. Mostramos alguns casos aqui.

1 – Gabi

O atacante do Flamengo, Gabriel Barbosa, decidiu trocar seu apelido, que já era bastante conhecido. Ele deixou de lado a alcunha de artilheiro, para que não fosse mais chamado de Gabigol. Agora, ele é somente Gabi.

O centroavante rubro-negro já tinha o seu apelido bastante consolidado desde que ele passou pelo Santos. E em 2019, ele virou referência no Rio quando o Flamengo ganhou o Brasileirão e a Libertadores. No entanto, essa mudança de nome, quando o jogador está em ascensão, não é uma coisa fora do comum.

2 – Lucas Moura

O jogador começou na escolinha de Marcelinho Carioca. Por conta disso, e por se parecer com o ex-jogador do Corinthians, Lucas começou a ser chamado de Marcelinho.

Esse apelido durou até 2010. Foi nesse ano, que o jogador disse à imprensa que queria ser chamado por seu nome de batismo. E desde então, ele é conhecido como Lucas ou Lucas Moura.

3 – Dentinho

Desde as categorias de base do Corinthians, o jogador é conhecido como Dentinho. No entanto, por pouco, ele não perdeu seu apelido. Quando ele foi para o profissional, o time decidiu que o atacante começaria a ser chamado pelo seu nome, Bruno Bonfim.

O jogador aceitou, mas não imaginava que mudar o nome o colocaria em uma seca de gols. Então, para tentar afastar a fase ruim ele voltou com seu apelido e não largou nunca mais.

4 – Casemiro

Esse é o último nome de Carlos Henrique. Quando estava nas categorias de base do São Paulo o jogador era chamado de Carlão. Mas ele optou por esse apelido não o acompanhar quando ele foi para o profissional do tricolor.

Hoje, no Real Madrid, todos conhecem o jogador como Casemiro.

5 – Diego Tardelli

Quando estava nas categorias de base do São Paulo o jogador era chamado de Dinei. O apelido veio porque quando ele era criança, o atacante descoloriu o cabelo para ficar parecido com o ex-jogador do Corinthians, Dinei.

Esse apelido pegou e o jogador foi chamado assim até ir para o profissional do time tricolor. Foi no profissional que ele mudou para o seu nome de batismo.

6 – Tchê  Tchê

O meio-campo do São Paulo ganhou o apelido quando estava nas categorias de base do Pão de Açúcar. No entanto, quando ele foi transferido para o Ponte Preta, ele teve que mudar para o seu nome de batismo, Danilo Neves.

Essa decisão não foi do próprio jogador. Quem quis isso foi a diretoria do time. E quando ele deixou Campinas, o jogador voltou a usar o apelido pelo qual é chamado até hoje.

7 -Taffarel

Até quem não é muito fã de futebol sabe quem é o ex-goleiro e ídolo da seleção brasileira. O que muita gente pode não saber é que ele surgiu como Cláudio e não como Taffarel.

E com o passar dos anos o primeiro nome do ex-goleiro foi deixado de lado e seu sobrenome foi ganhando destaque. E em 1998, o nome foi imortalizado por Galvão Bueno na semifinal da Copa do Mundo da França.