Toda popularidade e sucesso do universo unificado da Marvel Studios se deve ao Homem de Ferro. Ele foi o herói a começar o movimento, ou melhor, a iniciativa Vingadores. Tony Stark saiu dos quadrinhos sendo aquele personagem categoria C. Sua presença dentro da equipe não fazia diferença, e ele era apenas mais um herói na lista da editora. Problemático e sempre disposto a piorar a situação, houve um tempo em que Homem de Ferro sequer era um personagem querido. Robert Downey Jr. e a Marvel Studios mudaram isso em 2008.

O herói se tornou um exemplo dentre eles. Gênio, bilionário, playboy e filantropo, Tony Stark saiu das sombras para ganhar o coração de todo o público. Em especial quando faz melhorias em seu traje como Homem de Ferro. Atualmente, são dez anos de influência tanto nos quadrinhos quanto dentro no universo cinematográfico. Com sua eventual aposentadoria da vida heroica, olhamos para trás para conferir as realizações do personagem. Entre seus bravos feitos, houve momentos em que Homem de Ferro teve algumas escorregadas. Por mais que, às vezes, sua intenção tenha sido das melhores, as consequências de seus atos foram, digamos, desastrosas. A seguir, comentamos alguns deles.

1 – Fusão de negócios resultou na criação do Abutre

Tony Stark não pensou duas vezes antes de unir sua empresa com o Departamento de Controle de Danos logo após os eventos de Os Vingadores. Afinal, o lucro para limpar a sujeira alienígena era muito bom. Foi nessa decisão precipitada que os empregados desse setor foram despedidos. Entre eles estava Adrian Toomes, homem que trabalhava duro para sustentar a família. Toomes queria apenas continuar com seu trabalho, contudo, sem esperança ou qualquer perspectiva, ele recorreu a ilegalidade. Dessa forma nasceu o Abutre, principal vilão de Homem Aranha: De Volta ao Lar.

2 – Criou Ultron

Se no caso do Abutre ele foi responsável indireto por sua concepção, com Ultron foi exatamente o contrário. Tony Stark sabia muito bem o que estava fazendo e calculou os riscos de sua escolha. Mesmo assim, ele decidiu seguir em frente com seus planos. Ele usou tecnologia alienígena junto com a Joia da Mente, o que resultou em uma poderosa inteligência artificial conhecida como Ultron. A máquina não era muito fã dos humanos e, claro, pretendia acabar com o máximo que conseguisse. Antes de ser impedida, deixou uma cratera de destruição, ao quase acabar com Sokovia. Sem contar todas as consequências que viriam a partir desse evento - algo que culminou em Guerra Civil e terá reflexos também em Guerra Infinita.

3 – Tentou matar Bucky Barnes

Quando você descobre que a pessoa a sua frente foi responsável pelo assassinato de seus pais, bem... a situação fica, no mínimo, complicada. Sem pensar duas vezes, ele partiu para a briga. O problema é que o cenário não estava a favor dele. De fato, Bucky cometeu o crime quando estava sob influência de controle mental. Ou seja, no fim das contas, Bucky não passava de mais uma vítima da Hydra. Mas Tony se deixou mover completamente pela emoção e, se não fosse por Steve Rogers, o Soldado Invernal não teria visto mais uma primavera.

4 – Deu início a Guerra Civil

A Guerra Civil foi uma das consequências da criação de Ultron, já que o desastre em Sokovia foi a gota d’água para o governo americano. Super-heróis agindo livremente em territórios internacionais era uma dor de cabeça constante. Portanto, foi decidido que esses heróis deveriam ser registrados perante as autoridades e apenas poderiam intervir em qualquer situação quando fosse pedido ajuda do local. Todos sabiam que Tony Stark era o Homem e Ferro, sendo assim, para ele não seria problema algum. Ele também buscava se redimir pela criação de Ultron, por isso, em sua cabeça, o registro era uma forma mais segura de ajudar as pessoas. O problema é que sua abordagem não foi nada diplomática.

5 – Deixou seus amigos na prisão

Se você não está comigo, está contra mim. Esse pareceu ser o manto do Homem de Ferro durante a Guerra Civil. Tony não apenas quis obrigar todos a assinar algo que poderia levar mais tempo para ser discutido, como também dividiu a equipe. Não satisfeito, depois de um intenso combate, os heróis do lado de Capitão América foram presos em um lugar especial, criado exclusivamente para aprisionar vilões perigosos. No final, ele não moveu uma folha para interceder pelos seus “amigos”. Coube ao próprio Steve Rogers livrar seus companheiros de tal destino.

6 – Manipulação e egocentrismo

Ser um playboy babaca faz parte da persona pública de Tony Stark, mas ele não precisava agir da mesma forma com seus amigos de equipe. O herói deveria ser uma inspiração, mas o que ele mais faz é criar confusão. Tony é gênio, mas nem por isso sabe as respostas de todos os problemas. Arrogante e egocêntrico, ele sempre espetou Steve Rogers e todos os outros membros da equipe com seu ar de superior. Por isso, quando falou para Rogers que ele “também era seu amigo”, a frase não fez sentido algum. Tony nunca foi amigo de Capitão América, algo que esperamos muito que se resolva em Guerra Infinita.

7 – Provocar Bruce Banner

Ninguém é capaz de controlar Hulk, nem mesmo Bruce Banner. Mesmo assim, foi só o cientista passar mais tempo com Tony Stark em Os Vingadores que ele não parava de provoca-lo. No fundo, poderia ser apenas uma brincadeira, mas, para variar, Tony não se preocupa com as consequências de seus atos. O que aconteceria se realmente Banner perdesse o controle da situação e se transformasse em Hulk? Nem mesmo a Hulkbuster pode deter a fúria da criatura. Para um herói, brincar com tal perigo mostra certa imprudência.

O que você acha sobre essas atitudes do Homem de Ferro? Acredita que Tony estará melhor em Guerra Infinita, já que o cenário será muito mais intenso? Comente com a gente.

Publicado em: 12/03/18 16h54