• MAIS LIDAS
  • QUIZ
  • VÍDEOS
  • ANUNCIE

Afinal, Einstein era realmente um péssimo aluno?

POR Cristyele Oliveira    EM Curiosidades      07/02/19 às 13h56

A resposta para essa pergunta é: não! Albert Einstein foi um físico teórico alemão que desenvolveu a teoria da relatividade, a qual lhe rendeu um Prêmio Nobel de Física, é considerado um dos mais importantes cientistas do século 20, um verdadeiro gênio, e ser um péssimo aluno não faz parte das suas listas de conquistas. Embora sua jornada estudantil não tenha sido excepcional em todas as matérias escolares, Einstein esteve longe de ser um estudante comum, sendo inclusive um aluno acima da média.

O mito

Essa ideia de que Einstein era um aluno com notas baixas foi um mito que se originou na Alemanha, onde o folclore popular afirma que ele era um "zero à esquerda" em matemática, justamente a matéria em que ele demonstrava ter melhor desempenho. Essa crença foi ancorada devido ao sistema de classificação e de notas da Alemanha e da Suíça, onde ele foi para obter o seu diploma escolar.

O sistema de avaliação era o mesmo, porém, espelhado, um método que gera a confusão. A classificação funciona da seguinte forma: a nota vai de 1 até 6, sendo que na Alemanha uma nota 6 teria o peso de excelente enquanto a 1, ou seja muito fraco, sendo o oposto na Suíça, onde a nota 1 era equivalente ao excelente na terra de Einstein.

Observando um dos boletins escolares do físico, você pode notar a sua excelente marca em Álgebra,Física e Geometria. O fato é que a maioria de suas avaliações ficava entre 6 (excelente) e 5 (bom), algumas outras disciplinas que ele tinha a nota 4 (suficiente) e apenas na disciplina de francês em que ele teve a nota 3 (fraco). Realmente, não dá para ser um gênio em tudo, não é mesmo?

O temperamento

No quesito notas, não há o que se duvidar, ele passou longe de ser um aluno medíocre, o seu problema na escola, era muito menos intelectual e muito mais comportamental. Devido ao seu temperamento forte, ele teve alguns conflitos com professores autoritários. Quando tinha apenas 5 anos, em uma discussão com um de seus tutores, ele jogou uma cadeira no professor, confirmando a ideia do seu gênio explosivo.

Mesmo não sendo verdade, essa crença pode continuar se perpetuando, talvez apenas como uma história atraente, de inspiração e que serve como consolo para aqueles alunos que se sentem fracassados.

Próxima Matéria


Matérias selecionadas especialmente para você

Cristyele Oliveira
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.
Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+