A cada dia que se passa, as mudanças climáticas ficam ainda mais em evidência. Existem aqueles que desacreditam, mas isso é algo extremamente prejudicial para nossa sobrevivência. E à medida que as geleiras vão derretendo, além de colocarem a vida animal em risco, também revelam vários mistérios que deixam cientistas e arqueólogos do mundo inteiro intrigados.

Com o aquecimento global, evidenciado pelas mudanças climáticas, muita coisa no planeta tem mudado. E isso, inclui as nossas paisagens, principalmente as cobertas por gelo.

Os arqueólogos descobriram uma abundância de artefatos especulares na região montanhosa de Lendbreen, na Noruega. Essa descoberta foi possível por causa do derretimento de gelo que revelou uma antiga paisagem. A maior parte desses artefatos achados são da era viking.

Esse derretimento começou em 2011, e a primeira coisa revelada foi uma túnica de lã do século III ou IV d.C. O gelo não parou de recuar desde então e cada vez mais tem exposto uma riqueza de artefatos. Como por exemplo, luvas tricotadas, sapatos de couro e flechas com penas.

Achados

Publicidade
continue a leitura

Os achados, além de serem bastante  valiosos para a arqueologia glacial também servem de lembrete do quão severas as consequências das mudanças climáticas estão em nosso planeta.

“Estamos falando de artefatos que foram congelados há mil anos. E mais tarde, porém mais cedo do que deveriam, retirados quando os encontramos. Assim, um tecido fica quase perfeitamente preservado, pode-se encontrar flechas com penas perfeitamente preservadas. Essas são descobertas bastante notáveis”, disse James Barrett, arqueólogo medieval e ambiental da Universidade de Cambridge.

Através da datação feita por carbono foi visto que a passagem da montanha foi suada por fazendeiros e viajantes, durante quase mil anos da Idade do Ferro nórdica. Ela foi por volta de 200 a 300 d.C. E o caminho foi usado até cair em desuso depois da peste negra no século XIV.

Publicidade
continue a leitura

A maioria dessas descobertas são datadas de 1000 d.C.,  durante a era viking. Nesse período, o comércio e a mobilidade na região estavam no seu auge. Algumas das descobertas são estruturas como marcações de pedra. Elas serviam para guiar os viajantes através da neblina ou então eram restos de pequenos abrigos.

Outras descobertas foram produtos transportados pelos fazendeiros de e para as suas pastagens. Como por exemplo, laticínios e forragens.  Ou então produtos como peles de rena e chifres, que eram levados por comerciantes que podiam levar esses produtos muito  mais longe.

Derretimento

Publicidade
continue a leitura

Alguns dos objetos mais espetaculares encontrados foram freios de madeira para os cordeiros ou cabras, rocas para a fiação de lã, um esqui da época e raquetes de neve para os cavalos.

Segundo Barret, os objetos por si só já são bem extraordinários. Mas o que realmente importa sobre eles, na visão da arqueologia, são as histórias que eles contam sobre  a passagem e as pessoas que viajaram por ela.

Por causa de um derretimento muito grande em 2019, a maior parte do gelo de Lendbreen já recuou. E em pouco tempo não terá mais nada para ser descoberto nessa região. Então não falta muito para que eles tenham uma imagem completa do que ficou eternizado na montanha.

Publicado em: 17/04/20 19h18