Notícias

Autora de ‘Como matar seu marido’ é acusada pela morte do marido

Autora de 'Como matar seu marido' é acusada pela morte do marido
0

Embora a romantização de crimes esteja gerando muito capital para a indústria do entretenimento, quando casos criminais saem do papel para a vida real, a coisa fica séria. Curiosamente, foi o que aconteceu com Nancy Crampton Brophy, autora do ensaio “Como matar seu marido”. A escritora de 71 anos está passando por um processo jurídico na cidade de Portland, Oregon, após ser acusada de matar – pasme – o próprio marido.

Quem nunca se pegou assistindo um documentário ou série sobre investigações criminais ou escutou um podcast sobre histórias de psicopatas? Pois bem, esse tipo de conteúdo tem sido cada vez mais consumido pelo público do mainstream. Contudo, esse é um famoso caso de “não faça o que eu digo e nem o que eu faço”, afinal, o histórico de Nancy rendeu-lhe o posto de suspeita na morte do cônjuge.

Segundo o The Guardian, renomado jornal britânico, o júri da cidade norte-americana condenou a romancista pelo homicídio do marido. Após passar dois dias deliberando, os 12 jurados apontaram Nancy como culpada pelo assassinato em segundo grau de Daniel Brophy. O chef de cozinha de 63 anos foi morto no dia 2 de junho de 2018. Enquanto preparava-se para trabalhar, o homem foi baleado.

Embora a morte de Daniel ainda siga envolta por mistérios, as autoridades nunca anunciaram outro suspeito. Visto que a perícia não identificou sinais de resistência, luta ou roubo, Nancy foi presa em 2018. Apesar de não ter sido o motivo definitivo para a sentença da escritora, certamente o ensaio detalhado sobre o porquê e como matar seu marido também não ajudou.

Como matar seu marido

Fonte: Aventuras na História

Escrito e publicado de forma independente pela escritora, o ensaio de 2011 detalha especificamente como cometer um assassinato de forma não rastreável. Logo no começo, Bromphy já diz “como escritora de suspense romântico, passo muito tempo pensando em assassinato e, consequentemente, no procedimento policial. Afinal, se o assassinato deve me libertar, com certeza não quero passar nenhum tempo na cadeia. E, deixe-me dizer claramente, eu não gosto de macacões e laranja não é minha cor”.

Apesar de ter sido um tanto quanto específica sobre sua aversão ao uniforme da prisão, Nancy não conseguiu impedir o destino. O juiz Christopher Ramras desconsiderou o ensaio no julgamento, explicando que ela o havia publicado anos antes. Ademais, os jurados também não o levaram em consideração. Todavia, um promotor aludiu aos temas do ensaio sem citá-lo diretamente.

Segundo a acusação, os motivos por trás do crime de Nancy contra o marido envolvem problemas financeiros e uma apólice de seguro de vida. Dados divulgados pela Associated Press revelam que a procuradoria do distrito avaliou a apólice de seguro em US$1,4 milhão.

Em contrapartida, a advogada da escritora defende que Nancy não ganhou nada após a morte do marido e que a alegação de que ela buscava compensação de uma seguradora não está correta.

Detalhes do julgamento Autora de 'Como matar seu marido' é acusada pela morte do marido

 

Das acusações da promotoria, Brophy alegou que não tinha motivos para matar seu marido. Além disso, ela também explicou que resolveu seus problemas financeiros com uma parte do plano de poupança de aposentadoria de Daniel.

Contudo, ela possuía a mesma marca e modelo de arma que a perícia constatou como arma do crime. Ademais, as câmeras de vigilância do instituto de culinária no qual o marido trabalhava registraram imagens de Nancy. Depoimentos também relacionaram a acusada ao local.

Embora a polícia não tenha encontrado a arma que matou o chef de cozinha, os promotores alegam que a escritora comprou uma “arma fantasma”. Apesar do júri já ter dado seu veredicto, Nancy só será sentenciada no dia 13 de junho, mesmo que esteja em custódia na prisão desde setembro de 2018.

Fontes: G1 e The Guardian

Ciência revela porque tempo de ida parece mais longo que o de volta

Matéria anterior

Monalisa é atacada por visitante no Louvre

Próxima matéria

Comentários

Comentários não são permitidos