Como as pessoas cegas-surdas-mudas raciocinam?

POR A redação    EM Curiosidades      22/09/15 às 15h05

Viver nem sempre para todos é algo simples e que fazemos em um modo automático, do tipo: Acordar, ir lá na pia escovar os dentes, preparar o café da manhã e seguir a rotina do dia.

Isso não é novidade para ninguém, pois mesmo dentro da sua própria casa, nem todos os componentes de sua família possui as mesmas características que você, por exemplo. Muitas pessoas possuem particularidades e/ou condições que as diferenciam umas das outras.

E em alguns casos, onde todos acham que não existe o sentido de simplesmente viver, é que surgem as grandes surpresas. Calma aí que vamos explicar direitinho o teor dessa pauta ao longo do transcorrer do texto.

Durante um período correspondente do 21º ao 36º meses de vida, as crianças aprendem o necessário para formar uma estrutura cognitiva que a induz a iniciar o que chamamos de raciocínio. Estudos recentes descobriram que temos realmente uma voz interna, que forma uma espécie de monólogo particular, de nós para nós mesmos, que nos auxiliam em funções fundamentais como a memória, o raciocínio e a cognição à respeito das indagações sobre si mesmos. Já as pessoas que nascem surdas-mudas, para terem os seus raciocínios estimulados, diferente do que muita gente imagina, podem ter raciocínio e uma mentalidade produtiva mesmo sem a possibilidade de 'ouvir' mesmo dentro dos pensamentos internos, podem compreender as coisas através da linguagem dos sinais.

Mas e quando a pessoa é cega, surda e muda? A pergunta pode soar grotesca, mas será que elas raciocinam como nós?

A resposta é SIM! E daremos alguns exemplos extremamente bem sucedidos à respeito disso. Abaixo você poderá ver os exemplos

Victorine Morriseau, a primeira mulher cega-surda-muda alfabetizada no mundo. Ela aprendeu o braille e desde então, pode até mesmo escrever sob esse formato de linguagem e ensinar pessoas que possuem condições similares às suas, á partir de 1789.

Alfabeto-Braille

Laura Bridgman, no ano de 1829, acabou se tornando pioneira nesse tipo de superação. Conseguindo aprender a se comunicar por sinais e ler em braille, foi uma das precursoras na datilografia, como método de transmissão de conteúdo.

laura-bridgeman

Eugênio Malossi, um surdo-cego italiano, que teve sua condição ocorrida por meio de uma meningite ao nascer, conseguiu se tornar um verdadeiro mestre em artesanato e mecânica. Além de ter se tornado mestre em braille e aprendido o alfabeto e a gramática italiana, através do próprio método do braille.

download

Mas respondendo basicamente ao indagamento da chamada da matéria: Coube principalmente ao tato, e às coisas que são pertinentes à ele, como a leitura via braille, por exemplo, para que os surdos-cegos-mudos estimulem seus raciocínios cognitivos e adquiram talentos, práticas, técnicas, para viver do modo mais natural possível.

Pessoas sob essas condições e que conseguem de algum modo viverem normalmente e exercerem um bom papel na sociedade ao qual estão inseridas, merecem todo o respeito e admiração do mundo. São ou não são pessoas extremamente guerreiras?

A redação
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL

Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.
Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+