Conheça a história por trás do castelo da Disney
Tempo de leitura:3 Minutos, 49 Segundos

Conheça a história por trás do castelo da Disney

A Disney é uma das maiores empresas de entretenimento do mundo. Seus estúdios são responsáveis por grandes títulos do cinema internacional, assim como as maiores franquias do meio. Entretanto, mesmo com seu gigantesco acervo, grande parte do seu sucesso se dá pelos filmes de contos de fadas. Alguns filmes praticamente começaram tudo como Branca de Neve, Cinderela e A Bela e a Fera.

Além dos filmes, a empresa tem o parque que tem diz ser o lugar mais feliz e mágico do mundo. No entanto, esse universo guarda alguns segredos e histórias bem sombrias. Uma delas é sobre a construção que inspirou o castelo da Bela Adormecida, que é um marco no parque e ilustra o logotipo que aparece nos filmes.

Há muitos anos, o Rei Ludwig II mandou construir o Castelo Neuschwanstein como uma fuga para suas fantasias excêntricas. Mas depois, ele foi declarado como louco pouco antes de morrer  em circunstâncias misteriosas. Desde sua morte, várias questões ficaram sem respostas.

Castelo

O castelo da Bela Adormecida se parece muito com o castelo na Baviera, Alemanha. Isso porque, antes de inaugurar o parque, em 1955, Walt Disney viajou com sua esposa pela Europa. E uma das paradas que eles fizeram foi no Castelo Neuschwanstein.

Ele ficou tão impressionado com o castelo que decidiu usá-lo como modelo para o castelo de uma das princesas. Além de também ter inspirado a famosa logo do estúdio Walt Disney Pictures.

Até hoje o castelo existe nas montanha da Bavária. Sua construção com uma fortaleza dramática e romântica com as torres que podem ser vistas no conto de fadas fica perto de Munique e da fronteira austríaca.

Construção

O castelo foi construído no fim do século XIX e, supostamente, idealizado pelo jovem Ludwig II. Ele queria construir um castelo acima da sua casa de infância, o Castelo Hohenschwangau.

Ludwig II nasceu em 1845 e era mais interessado no mundo das artes do que em governar. Isso fez com que ele ficasse conhecido por sua personalidade dramática. Logo ele desenvolveu uma obsessão precoce por Richard Wagner, um compositor alemão.

Assim que o pai de Ludwig faleceu ele teve que assumir o trono, aos 18 anos. E uma de suas primeiras ordens como rei foi convidar seu ídolo, Richard Wagner, para Munique para que ele participasse de um festival de ópera.

Contudo, o reinado de Ludwig não ia nada bem. Depois de dois anos que ele tinha se tornado rei, a Baviera foi derrotada de forma humilhante na Guerra das Sete Semanas. Os historiadores acreditam que foi depois dessa derrota que Ludwig decidiu ir para o seu reino de fantasia nos Alpes.

História

Se projetou a arquitetura do lugar como uma carta de amor para a obra de Wagner. Se decorou as paredes do castelo com afrescos que representavam cenas da lendas usadas nas óperas do compositor.

E mesmo tendo referências artísticas do passado, o castelo tinha uma infraestrutura avançada com sistema de iluminação, encanamento e aquecimento central de última geração.

O rei queria se mudar para o castelo quando ele já estivesse pronto. Mas ele começou a viver no lugar na primeira seção que estava pronta 15 anos depois do começo da construção.

Dizem que Ludwig dormia o dia todo e vagava pelo castelo à noite. Além de contratar músicos e atores para concertos e óperas particulares. E no inverno, o rei saía para passear em um trenó elaborado. E às vezes ele se vestia com trajes medievais. Ele tinha mergulhado completamente em uma realidade alternativa de suas fantasias.

Inacabado

Em 1885, o castelo ainda estava inacabado e muito acima do orçamento. E como o rei não conseguiu pagar suas dívidas, os bancos apreenderam propriedades dele e ameaçaram a falência da Bavária.

No dia 12 de junho de 1886, Ludwig II foi diagnosticado como mentalmente incapaz de governar e foi encarcerado no castelo de Berg. Um dia depois ele foi encontrado morto, aos 40 anos, afogado nas águas rasas do lago Starnberg.

O caso poderia ter sido um suicídio. Mas se encontrou o o seu psiquiatra morto a seu lado. É dito que o médico levou o rei para passear. A última vez que alguém viu os dois foi por volta das 18h30. Quando eles foram encontrados mortos, o relógio de Ludwig estava parado às 18h54.

Mistério

E uma das frases mais citadas por Ludwig é: “Desejo permanecer um enigma eterno para mim e para os outros”.

Até os dias de hoje o castelo não foi concluído, mas é um dos destinos mais populares da Europa. Sendo visitado por cerca de 1,3 milhão de pessoas por ano.