• MAIS LIDAS
  • QUIZ
  • VÍDEOS
  • ANUNCIE


Conheça a estrutura de 36 mil toneladas que protege o material radioativo de Chernobyl

POR Arthur Porto    EM Ciência e Tecnologia      05/07/19 às 19h41

A construção da mega estrutura para proteger o núcleo do reator que explodiu em 1986, na central de Chernobyl, terminou recentemente. Para conter mais de 200 toneladas de material altamente radioativo, a estrutura, feita de aço, demorou, ao todo, nove anos para ser construída. Com 257 metros de extensão, 108 metros de altura e um peso total de mais de 36 mil toneladas. A estrutura é considerada o maior complexo móvel já construído.

Designado como o Novo Confinamento Seguro, o complexo custou 1,5 milhões de euros. Além do projeto de construção de abrigos que totalizou mais 2,2 mil milhões de euros investidos. Já para a Reconstrução e Desenvolvimento, o Banco Europeu disponibilizou um fundo gerado com contribuições de 45 países pertencentes à União Europeia. Bem como mais 715 milhões vindos de recursos financeiros próprios.

O projeto iniciou-se em 1998. No entanto, o contrato para a estrutura foi celebrado apenas em 2007.

O legado de Chernobyl

A explosão do reator nuclear de Chernobyl, que ocorreu na Ucrânia há mais de 30 anos, ficou marcada como o pior acidente nuclear da história. O número real de mortos pode chegar a dezenas de milhares ao longo dos anos, em consequência da contaminação radioativa. Após o acidente, o combustível nuclear queimou por dez dias, lançando para a atmosfera elementos radioativos que contaminaram, de acordo com estudos científicos, até três quartos da Europa, em especial a Rússia, a Ucrânia e a Bielorrússia, nações então pertencentes à União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS) na ocasião.

Contaminação

Ainda hoje, muita gente está exposta aos perigos da radiação, mesmo a centenas de quilômetros de Chernobil. De acordo com dados oficiais, cinco milhões de pessoas residem em regiões contaminadas na Ucrânia, na Rússia e na Bielorrúsia - os países mais afetados pelo desastre de 1986. Mesmo apesar do risco, os moradores se alimentam de plantas e animais que crescem nesses locais.

A situação, no entanto, é ainda mais crítica na chamada "zona de exclusão", que fica a um raio de 30 quilômetros da antiga Usina Nuclear de Chernobyl. O cenário engloba ruas desertas, construções destruídas e abandonadas. Algumas centenas de ex-moradores, a maioria idosos, ainda vivem na zona de exclusão. Apesar de ilegal, a presença desses indivíduos é tolerada.

Minissérie

Exibida entre maio e junho de 2019, a minissérie da HBO retrata com muitos detalhes os momentos após o acidente de 26 de abril de 1986. A trama resgata tensões políticas e atos heróicos que impediram uma catástrofe ainda mais devastadora. Por outro lado, acidentes posteriores, como o de Fukushima, em 2011, mostram que o uso da energia nuclear ainda representa uma grande ameaça à vida no planeta.

Como funcionava a usina de Chernobyl

O princípio básico de funcionamento da usina era similar ao das demais usinas nucleares. O reator, local onde são armazenados os combustíveis fósseis, faz com que a energia emitida pela fissão de elementos instáveis, como urânio ou plutônio, quando liberada, tenha força suficiente para movimentar um conjunto de turbinas conectadas a um gerador. Os geradores, por sua vez, são como grandes ímãs e ficam envolvidos em uma enorme quantidade de bobinas condutoras. A produção de energia elétrica acontece de acordo com o fenômeno chamado de indução eletromagnética: enquanto o gerador estiver em rotação, haverá geração de corrente elétrica.

Próxima Matéria
Via   JN     Brasil Escola     Greenpeace     Agência Brasil  
Imagens BBC
Arthur Porto
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+