Curiosidades

Estação de monitoramento subaquática desaparece misteriosamente e ninguém sabe expllicar

0

Uma grande estação de monitoramento, usada para coletar dados científicos no Mar Báltico, desapareceu misteriosamente. O observatório subaquático, que estava no fundo do mar desde dezembro de 2016, é gerenciado pelo Centro GEOMAR Helmholtz de Pesquisa Oceânica Kiel e pelo Centro Helmholtz Geesthacht (HZG).

No mês de agosto, as transmissões da estação foram interrompidas repentinamente. Em suma, para averiguar o motivo do problema, mergulhadores foram enviados até o local. Os mergulhadores descobriram que toda a estrutura havia desaparecido. De acordo com comunicado oficial, havia apenas um cabo de transmissão triturado.

A estação estava localizada em uma área restrita, ao largo da costa norte da Alemanha. Segundo informações, divulgadas pela imprensa, barcos, incluindo embarcações de pesca, não são permitidos na área. Além disso, o desaparecimento do observatório continua sendo um mistério.

Devido a estrutura da estação, fatores, como fortes tempestades, correntes pesadas ou mesmo animais marinhos, foram descartados. O caso, agora, está sendo investigado pelas autoridades alemãs.

O caso

O Observatório Boknis Eck estava localizado na saída da Baía Eckernförde, ao norte de Kiel, na Alemanha, e ao sul da fronteira com a Dinamarca. A 1,8 km da costa, o Observatório estava a uma profundidade de 22 metros.

Durante seu funcionamento, a estação coletou dados sobre temperatura da água, nutrientes, salinidade, velocidade do fluxo da água e concentrações de clorofila e metano. Os dados foram utilizados ​​para avaliar a saúde do ecossistema no mar Báltico e entorno. O Observatório atua desde os anos 1950.

“No início, pensamos em um erro de transmissão”, disse Hermann Bange, coordenador de projetos do Observatório Boknis Eck. “Quando os mergulhadores chegaram ao fundo do mar, exatamente no local do observatório, encontraram apenas um cabo”, completou.

De acordo com Bange, o observatório incluía diversos aparelhos eletrônicos e seu valor estava estimado em US$ 330 mil (cerca de R$ 1,2 milhão). Apesar do custo, Bange informou também que os dados obtidos pelo Boknis Eck têm valor incalculável.

O Observatório consistia em duas partes, uma pesando 250 kg e a outra 100 kg, incluindo fontes de alimentação e cabos pesados. Ambas partes incluíam um quadro, que segurava a fonte de alimentação, e um quadro para armazenar os sensores.

A estação

O Observatório Boknis Eck começou a funcionar em abril de 1957, no Mar Báltico. O Báltico situa-se no norte da Europa, é circundado pela península Escandinava, a Europa continental, e pelas ilhas dinamarquesas. 

Boknis Eck, antes do desaparecimento, era considerado um dos mais antigos laboratórios em operação no mundo. Pesquisas e qualquer outro tipo de informação sempre estiveram disponíveis na página web do laboratório. Além disso, Boknis Eck, desde que começou a operar, sempre esteve incluído na lista de projetos afiliados à Future Earth Costasts.

Ainda nesse ínterim, em 2014, Boknis Eck foi considerado membro importante do Grupo Internacional de Séries Temporais Ecológicas Marinhas. Em março de 2015, Boknis Eck tornou-se membro da Rede Alemã de Pesquisa em Ecossistemas de Longo Prazo. 

Em 2016, o Observatório Boknis Eck passou a integrar o Sistema de Observação Costeira dos Mares do Norte e do Ártico. Em suma, Bokins Eck é dirigido Centro GEOMAR Helmholtz de Pesquisa Oceânica Kiel e pelo Centro Helmholtz Geesthacht (HZG), e suas atividades são coordenadas por Hermann Bange.

Novo jogo de Pokémon pode responder se humanos realmente comem as criaturas

Matéria anterior

O dia em que Stephen King criou um vilão para os X-Men

Próxima matéria

Mais em Curiosidades

Você pode gostar