• MAIS LIDAS
  • QUIZ
  • VÍDEOS
  • ANUNCIE


A explosão de Sultana, o pior desastre marítimo da história norte-americana

POR Bruno Destéfano    EM Curiosidades      31/07/19 às 19h42

Em 27 de abril de 1865, os Estados Unidos protagonizaram seu pior desastre marítimo da história. Poucas semanas após o fim da Guerra Civil, Sultana explodiu e afundou no rio Mississippi. A tragédia matou entre 1.200 e 1.800 soldados da União que foram libertados da prisão e estavam à caminho de casa. O naufrágio do barco à vapor tirou a vida de mais vítimas do que o Titanic, mas essa página da história continua relativamente esquecida. Por trás da devastação, existia conspiração, jogo sujo e negligência. O desastre poderia ter sido evitado? Será mesmo que a ambição humana falou mais alto do que a própria vida? Conheça, a partir de agora, alguns aspectos que estão entremeados na explosão de Sultana.

Após o fim da Guerra Civil em 1865, os confederados e os sindicalistas se esforçaram para recolher os restos do sangrento conflito. Isso incluiu a libertação de prisioneiros de guerra de ambos os lados. Milhares de soldados recém-conduzidos da União haviam sido mantidos nos campos de prisioneiros confederados. Subsequentemente, foram levados para um campo menor fora de Vicksburg, no Mississippi.

Enquanto isso, o capitão James Cass Mason, de St. Louis, estava no comando de uma embarcação chamada Sultana rumo a Missouri. O pequeno barco normalmente transportava uma tripulação de 85 pessoas e era destinado ao transporte de algodão.

Durante uma parada em Vicksburg, o comandante recebeu a notícia de que o governo dos EUA estava disposto a pagar uma taxa principesca pelo transporte de ex-prisioneiros da União para o norte. O capitão Mason, atraído pela promessa de pagamento, aproveitou a oportunidade e aceitou um suborno de um oficial para transportar vários prisioneiros da União.

Em sua pressa, o capitão Mason optou por não consertar a caldeira da embarcação de maneira definitiva. Decidiu resolver com uma solução rápida e temporária. Grande erro. De acordo com o advogado Jerry Potter, o capitão carregou mais homens do que o barco deveria suportar. "O barco tinha capacidade legal de transportar 376 passageiros", explicou Potter. "Em sua viagem, havia mais de 2.500 a bordo".

O naufrágio e explosão de Sultana

Em 24 de abril de 1865, a Sultana partiu de Vicksburg para o norte. Havia cerca de 1.960 prisioneiros em liberdade condicional, 22 guardas da 58ª Infantaria Voluntária de Ohio, 70 passageiros pagantes e 85 tripulantes. Muitos dos soldados estavam em más condições, tendo acabado de deixar hospitais confederados ou prisões.

Além disso, era um dia particularmente ruim para estar no rio Mississippi. Ele estava passando por altos níveis de água, enquanto a neve derretida do norte inundava suas margens. Árvores caídas e outros detritos misturaram-se nas vias navegáveis ??que se movem rapidamente. Era difícil navegar por essas águas entupidas e turbulentas ao anoitecer, mas o capitão Mason estava determinado a fazer seu carregamento de soldados.

Eles pararam brevemente em Memphis e continuaram sua jornada à noite. Por volta das 2h da manhã de 27 de abril, uma das caldeiras da Sultana explodiu. Como o barco estava cheio, muitos dos passageiros estavam apinhados pelas caldeiras. A explosão matou instantaneamente centenas de pessoas.

A maioria eram soldados de Kentucky e Tennessee, que haviam sido acertados contra as caldeiras. Muitos deles morreram instantaneamente por conta dos estilhaços, o vapor e a água fervente liberada pela explosão. Por conseguinte, outras duas caldeiras explodiram.

"Em um minuto, eles estavam dormindo e no outro eles se viram lutando para nadar no rio Mississippi. Muito frio. Alguns passageiros queimaram no barco", escreveu o advogado Potter. Ele ainda disse que "os afortunados se agarravam aos escombros no rio ou em cavalos que haviam escapado do barco. Tudo isso esperança de chegar à costa, que não podiam ver porque estava escuro".

O caos ainda sem resposta

Passageiros a bordo do barco tiveram que decidir entre duas opções: ficar no barco ou pular na água para enfrentar a possibilidade de se afogar. De qualquer forma, as chances de sobrevivência eram pequenas. Soldados que tinham acabado de deixar a guerra agora se viam novamente lutando por suas vidas.

Indiscutivelmente, muitos dos fatores que contribuíram para a destruição da Sultana provavelmente poderiam ter sido evitados. O mais óbvio é a extrema superlotação, possibilitada por um suborno aos funcionários e pelas condições climáticas severas que o barco teve que enfrentar.

Também houve o manuseio inadequado de uma caldeira danificada. Aparentemente, o Capitão Mason e seu engenheiro-chefe ordenaram que um de seus mecânicos fizesse um reparo rápido (e provavelmente defeituoso) para retomar sua viagem ao rio.

"Ele disse ao capitão e ao engenheiro-chefe da caldeira que não estava seguro, mas o engenheiro disse que ele teria um reparo completo quando o barco chegasse a St. Louis", disse Potter. Em última análise, ninguém foi acusado pelas mortes dos que estavam a bordo de Sultana, mesmo depois de uma investigação e de um tribunal militar.

Estima-se que aproximadamente 1.800 homens foram perdidos pelo Sultana. Em comparação, o naufrágio do Titanic levou pouco mais de 1.500 vidas. O desastre de Sultana continua sendo uma tragédia não resolvida e o pior da história marítima norte-americana.

Próxima Matéria
Bruno Destéfano
Escritor, fotógrafo e jornalista // Deixe que o conhecimento te revolucione de dentro para fora.
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+