Implantes estão possibilitando o hack do corpo humano

POR Gustavo Camargo    EM Ciência e Tecnologia      04/04/18 às 14h54

Você já ouviu falar em transhumanismo? É uma filosofia que incentiva o uso da biotecnologia para ajudar o ser humano a superar os limites do corpo. Mas entre vários tipos de preconceitos esse conceito está ligado a superar o envelhecimento, sofrimentos e deficiências cognitivas.

Em um bar no leste de Londres, um grupo de hackers do corpo está apresentando suas razões e benefícios da tecnologia para o corpo do ser humano, para uma plateia de pessoas com menos de 35 anos, das quais muitos usam piercings e tatuagens. Para eles, colocar um chip sob a pele não é tão diferente assim de fazer uma tatuagem ou colocar um piercing.

A biohacker Lepht Anonym tem vários implantes e acredita que o que ela faz hoje um dia irá beneficiar a humanidade. Mas ela admite que tais processos podem ser bastante dolorosos.

"Os ímãs em meus dedos realmente, realmente doem. Eles doem tanto que minha visão fica branca por um tempo".

Esses ímãs permitem que ela detecte a radiação eletromagnética, para que ela possa dizer se um dispositivo está ligado ou desligado. Se um micro-ondas está funcionando, ela identifica onde estão as linhas de energia.  O que admite não ser muito útil.

Ela também possui um chip sob a pele que permite que ela interaja com seu celular e destranque portas de sua casa. Ela tem esperanças que esses resultados iniciais possam ser usados por outras pessoas mais qualificadas para construir algo melhor.

"A comunidade de bio-hackers é uma cooperativa. Trata-se de melhorar a qualidade de vida das pessoas, mas de uma maneira prática".

Contras

corpo

O fato é que nem todo mundo é muito fá dessa prática. Andreas Sjostrom, um dos principais apoiadores da prática, teve um implante em 2015 que lhe permitia baixar seu número de cliente em passagens aéreas e passar pelos portões de segurança com um toque de sua mão.

Ele foi notado pela equipe de segurança no aeroporto, mas desde então ele se tornou mais cético sobre a tecnologia. "Para que isso seja amplamente usado ou adotado, ele precisa melhorar a situação atual", disse ele.

E aí, o que acharam da matéria? Comenta aí e não se esqueça de compartilhar com os amigos, lembrando que seu feedback é sempre muito importante.

Via   BBC     EPGLOBO  
Gustavo Camargo
A verdade é que eu queria ser astronauta, mas na minha cidade ainda não tem a escolinha. Instagram: gustavoloopi

Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.
Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+