Impressionantemente, o Hubble conseguiu capturar o ”olho” de uma explosão estelar
Tempo de leitura:2 Minutos, 47 Segundos

Impressionantemente, o Hubble conseguiu capturar o ”olho” de uma explosão estelar

Se lançou o telescópio Hubble no dia  24 de abril de 1990, a bordo do ônibus espacial Discovery. Em suma, ele é um satélite astronômico artificial não tripulado que transporta um grande telescópio. Ele recebeu seu nome na década de 1980, em homenagem a Edwin Hubble. Por conta de suas descobertas astronômicas revolucionárias, como a expansão do universo.

Em suma, ele fez e ainda faz muitas descobertas a respeito do espaço. Tanto que ele continua fazendo fotos que impressionam a todos. No espaço existem muitos fenômenos para serem vistos e que surpreendem todo mundo. Contudo, a morte de uma estrela massiva deve ser um dos fins mais bonitos de todo o universo.

Quando morrem, elas ejetam quantidades enormes de material no espaço a sua volta. Com isso, ondas de choque de explosão e ventos estelares são esculpidos e iluminados pela própria luz da estrela.

Fenômeno

É exatamente isso que está acontecendo com a AG Carinae, uma estrela massiva morrendo a 15 mil anos-luz de distância que foi capturada pelo Hubble. E, na realidade, os estertores da morte de AG são mais violentos do que a maioria. Isso se classifica como uma estrela variável azul luminosa. Elas são algumas das estrelas mais brilhantes e massivas das galáxias.

Essas estrelas são bem raras e queimam quentes e brilhantes. Além disso, sua expectativa de vida é bem mais curta do que as outras. Sendo apenas alguns milhões de anos.

Especificamente, AG Carinae tem aproximadamente entre 55 a 70 vezes a massa do sol. Ela tem alguns milhões de anos e é instável. E o brilho da estrela varia significativamente por conta das forças em conflito, no caso, a pressão da radiação que empurra para fora e a gravidade que quer colapsar a estrela para dentro.

Quando o fim da vida da estrela se aproxima, ela começa a ficar sem combustível para se fundir em hidrogênio. Além disso, a pressão da radiação começa a diminuiu. E tudo isso faz com que a estrela se contraia, com o material aquecendo conforme ele se aproxima do seu núcleo.

Imagem

Justamente esse aquecimento faz com que a estrela entre em erupção e ejete seu material para fora. No caso de AG Carinae, a concha de material a sua volta é o produto de uma erupção desse tipo que aconteceu cerca de 10 mil anos atrás.

Nas imagens capturadas pelo Hubble, as cores representam tipos de material. O vermelho representa o gás ionizado ejetado da estrela. O azul é a poeira em volta da estrela.

Se acredita que, tanto as formas como as cavidades na poeira sejam esculpidas pelo vento poderoso da estrela que é soprado a velocidades de até um milhão de quilômetros por hora.

A AG Carinae ainda é uma estrela massiva instável e, provavelmente, irá acabar ficando tão sem hidrogênio por conta das explosões repetidas que irá evoluir pra uma estrela Wolf-Rayet. Inclusive esse processo já está em andamento. E quando esse estágio evolutivo da vida da estrela ficar sem combustível, é provável que ela termine sua sequência principal de dias em uma supernova.

Os astrônomos acreditam que, durante esse processo, o núcleo de AG Carinae irá entrar em colapso e deixará para trás um dos objetos mais enigmáticos do universo, ou seja, um buraco negro.

Fonte: https://www.sciencealert.com/hubble-s-spectacular-new-image-looks-like-an-eye-in-space