Mundo Afora

Mãe afirma que filha de 2 anos finge ser cachorro

0

Uma mãe revelou que, após passar um tempo com o cachorro de estimação dos avós, a filha de dois anos começou a apresentar um “comportamento canino”. A mulher foi até as redes sociais e disse que não sabe mais o que fazer.

A mãe compartilhou a situação no Reddit, e pediu ajuda para lidar com a situação. Na rede social, ela informou que a filha começou a fingir ser um cachorro há três semanas.

“Isso vai de manhã até de noite. Eu digo ‘bom dia’ e ela responde latindo. Eu pergunto ‘você quer um lanche?’ e ela responde ‘um petisco para cachorro’. Ela só quer ler livros de cachorro, e só quer assistir a um episódio de Vila Sésamo em que aparece um cão.”

Segundo a mãe, a criança não age como o animal apenas em casa. No supermercado, por exemplo, a menina já respondeu a um funcionário com a linguagem canina. “Nesta semana, o caixa do supermercado perguntou se ela queria um adesivo e ela respondeu: ‘au'”, disse.

A mulher ainda admitiu que “está perdendo a cabeça” e perguntou aos outros pais se os seus filhos já haviam apresentado um comportamento semelhante. “Sei que vou rir disso um dia. Mas, meu Deus, já está me irritando. Assim, não tem como isso continuar por muito tempo, certo? Alguém passou por isso?”, questionou.

Outros relatos

Foto: Thinkstock


A maioria dos comentários da publicação foi rindo da atitude da menina. No entanto, alguns pais revelaram que os filhos também já tiveram a fase de imitar um pet. Uma mãe até relatou que o filho agiu como um gato por alguns meses.

“Acho que finalmente enlouqueci porque um dia anunciei a ele que também era um gato. Fiquei dois dias miando para ele, em vez de falar, até que ele decidiu agir normalmente de novo para que eu voltasse ao normal também. Ele ainda gosta de brincar de gato às vezes, mas nunca mais chegou a esse ponto, graças a Deus”, disse o comentário.

Outra seguidora afirmou que: “Minha filha de dois anos (quase três) está fingindo ser um cachorro há pelo menos um ano e meio. Não é constantemente, mas regularmente. Estou esperando passar, mas às vezes, pode ser irritante mesmo”.

Cachorros podem ajudar crianças a desenvolver habilidades sociais e emocionais

Foto: Freepik

Apesar de poder ser considerado irritante conviver com uma criança imitando um cachorro, estudos apontam que conviver com o animal ajuda os pequenos a desenvolver habilidades sociais e emocionais.

Um estudo publicado pela revista Pediatric Research aponta que possuir, passear e brincar com um animal de estimação incentiva o desenvolvimento social e emocional de uma criança.

As crianças de famílias com animais de estimação que participaram do estudo tiveram 30% menos probabilidade de terem problemas de conduta e rebeldia em relação às que não têm pets de estimação.

As crianças poderiam realmente se beneficiar da interação com um animal de estimação enquanto supervisionadas.

“A atividade física regular desempenha um papel importante durante a primeira infância, contribuindo para o desenvolvimento de crianças pequenas e diminuindo o risco de desenvolver doenças crônicas, incluindo a obesidade”, afirma a autora sênior do estudo Hayley Christian, professora associada e pesquisadora sênior do Center for Child Health.

Ter um animal está associado à responsabilidade, identidade positiva, empatia e confiança. Crianças com cachorros ou gatos de estimação podem ser mais propensas a ter comportamentos pró-sociais e com menores dificuldades gerais.

As crianças que passearam com um animal pelo menos um dia por semana e brincaram com eles pelo menos três vezes por semana apresentaram índices pró-sociais mais altos do que aqueles que fizeram com menos frequência.

“Esses resultados destacam que mesmo um compromisso pequeno a moderado de envolver crianças pré-escolares no tempo que passeava com o cão (ou gato) da família pode fornecer importantes benefícios sociais e emocionais para crianças pequenas”, finaliza o estudo.

Fonte: Metrópoles, Amo Meu Pet

Simaria foca na família durante a pausa na carreira

Matéria anterior

Novo recurso da Alexa imita voz de pessoas falecidas

Próxima matéria

Comentários

Comentários não são permitidos