Ciência e TecnologiaNotícias

Não olhe para cima! Micrometeorito atinge James Webb

Não olhe para cima! Micrometeorito atinge James Webb
0

Embora seja uma sátira que encobre muitas camadas sociais, Não Olhe Para Cima, filme lançado pela Netflix em 2021, gira em torno de um cometa mortal vindo em direção à Terra. Pois bem, diante da imensidão desconhecida do espaço, o medo de colisões de corpos celestiais com nosso querido planeta azul ressurge vez ou outra. Hollywood, inclusive, gosta muito de explorá-lo, como é possível ver nos longas Armageddon e Impacto Profundo, de 1998. Contudo, nem todo impacto extraterrestre é apocalíptico. Só para ilustrar, recentemente, um micrometeorito atingiu o novo telescópio espacial da Nasa.

Assim como o tigre de As Aventuras de Pi (2012) chamava-se Richard Parker, a instituição de exploração espacial batizou o telescópio de James Webb. O dispositivo foi lançado em dezembro de 2021, com o intuito de substituir seu antecessor, o Hubble. A ideia é que James Webb registre imagens do cosmos de forma mais nítida e efetiva.

No entanto, o que ninguém imaginava era que o telescópio seria atingido por um micrometeorito. Quer dizer, até esperavam, afinal, planejaram o dispositivo para lidar com esse tipo de imprevisto. Contudo, o impacto acabou acontecendo antes do previsto e antecipou até mesmo as primeiras imagens que o James Webb deveria captar.

Apesar do dano causado pelo micrometeorito – que, por sinal, possui o tamanho de um grão de poeira – estar tendo um efeito perceptível nos dados do instrumento, a missão segue firme e forte. Dito isso, os astrônomos informaram que devem divulgar as primeiras imagens captadas por James já no dia 12 de julho. A Nasa ainda garantiu que o incidente não tornará as fotos menos impactantes.

O estado de saúde de James Webb

Fonte: Folha PE

Enquanto a qualidade do material de estudos está garantida, outras preocupações voltam-se para o estado de saúde de James Webb. Pois bem, a colisão que, segundo os astrônomos, ocorreu em algum momento entre os dias 23 e 25 de maio, não foram letais para o telescópio.

Contudo, o micrometeorito perdido não deixou de causar um impacto marcante. Como resultado disso, análises indicam que o segmento do espelho que compõe o refletor primário do instrumento foi danificado. Em suma, é como se tivesse caído um cisco no olho de James Webb.

Apesar do incidente, os engenheiros já estavam preparados para lidar com esse tipo de situação. “Sempre soubemos que o Webb teria que suportar o ambiente espacial, que inclui luz ultravioleta severa e partículas carregadas do Sol. Além disso, há raios cósmicos de fontes estranhas na galáxia e impactos ocasionais de micrometeoróides do nosso Sistema Solar”, explicou Paul Geithner, vice-gerente de projeto da Nasa.

“Nós projetamos e construímos Webb com uma margem de desempenho – óptica, térmica, elétrica e mecânica – para garantir que ele possa cumprir sua ambiciosa missão científica mesmo depois de muitos anos no espaço”, concluiu Geithner.

Portanto, os engenheiros irão ajustar a posição do segmento de espelho afetado para cancelar algumas distorções causadas, mas não poderão eliminá-las por completo. Dessa forma, mesmo que com um leve grau de astigmatismo, James Webb seguirá coletando observações do Universo, perto e longe, para demonstrar sua capacidade.

Essa nem foi a primeira vez

Não olhe para cima! Micrometeorito atinge James Webb

Fonte: Olhar Digital

Assim como dito acima, antes de enviarem James Webb ao espaço, os especialistas tomaram algumas precauções e realizaram muitos cálculos, à lá Estrelas Além do Tempo (2017). Sendo assim, anteciparam a chance desse tipo de colisão, o que influenciou na escolha dos materiais, construção dos componentes e modos de operação do telescópio.

Surpreendentemente, essa nem foi a primeira colisão enfrentada por James Webb. Na verdade, o dispositivo já foi atingido cinco vezes, sendo essa última a mais significativa. Apesar do tamanho do micrometeorito, a velocidade com que os objetos movem-se no espaço faz com que até mesmo as menores partículas liberem uma grande carga de energia ao colidir com outro objeto.

Fonte: BBC

Sonda Gaia produz o mapa da Via Láctea mais completo da história

Matéria anterior

Mulher procura mãe biológica e descobre que tem irmão gêmeo

Próxima matéria

Comentários

Comentários não são permitidos