Embora seja uma equipe que parece fugir do convencional, Batman e Tartarugas Ninja já são velhos conhecidos. O primeiro encontro entre os dois universos aconteceu em 2015. Foi diante de um crossover entre a DC Comics e a IDW Publishing que vimos os quatro irmãos répteis se juntarem ao Cavaleiro das Trevas. Desde então, eles vem se reunindo com certa frequência. Surpreendentemente essa colaboração ultrapassou as páginas impressas e chegou ao universo das animações e games. Todavia, a recente edição da trilogia Batman/Teenage Mutant Ninja Turtles os aproximou mais do que nunca. Aparentemente a conclusão da história em quadrinhos mostrou o vilão Krang dando uma de Gregor Mendel e fazendo cruzamento genéticos. Entretanto, ao invés de ervilhas, Krang utilizou seus próprios adversários como cobaias. Tanto o Homem-Morcego quanto os ninjas passaram por um aperto na última edição de seu crossover.

Na narrativa em questão, a situação foi a seguinte: através de seu novo poder, Krang provocou uma fusão entre os personagens. Logo, Rafael, Donatello, Michelangelo e Leonardo foram compulsoriamente associados à Bruce Wayne. Caso você esteja se perguntando como o vilão adquiriu tamanho poder, saiba que foi decorrente de sua fusão com o Anti-Monitor. Tendo suas habilidades amplificadas pela adição do antagonista de Crise nas Infinitas Terras, Krang passa a controlar dimensões e até a própria existência dos habitantes desses inúmeros universos.

Publicidade
continue a leitura

Tartarugas Morcego Ninja?

Publicidade
continue a leitura

Ao contrário da fusão do Anti-Monitor com Krang, o resultado dos heróis foi complicado. Ao invés de um resultado potente, recebemos uma monstruosidade dolorosa e assimétrica. Os membros possuíam tamanhos diferentes e se projetavam, em disposições fora do normal. Embora vagamente humanoide, o novo ser era terrível. Além disso, como se não fosse suficiente, a criatura ainda havia perdido a capacidade de se comunicar, soltando apenas gritos agonizantes. Por fim, para dar um toque reconhecível à criatura, era possível ver um símbolo híbrido de morcego e tartaruga. Como os heróis se livraram dessa situação? Bom, aparentemente, eles começaram a se lembrar de como eram suas vidas antes da fusão e isso lhes proporcionou a separação. Assim que voltaram às suas formas normais, os mocinhos derrotaram Krang.

Apesar dessa parte da narrativa ter sido confusa, o resto da série compensa a leitura. Ao que parece, o hábito de manipulação de Krang não se limitava à matéria, se estendendo ao tempo. Com a linha do tempo alterada, acabamos vendo um Batman sendo criado por seu mordomo, Splinter, juntamente com seus irmãos Tartarugas Ninja. Até mesmo, os arqui-inimigos dos heróis foram fundidos, o Coringa e o Super Destruidor originaram O Homem Que Ri, líder do Clã Sorridente.

Publicidade
continue a leitura

Nessa realidade alternativas as tartarugas são redesenhadas com elementos dos parceiros do Batman, como Robin, Asa Noturna e Capuz Vermelho. Existem até aparições de outras versões dos personagens, como o Batman Pré-Crise e as Tartarugas Ninja do Estúdio Mirage. Portanto, esse se mostrou o maior crossover entre as editoras. Infelizmente, parece que eles demorarão a se unir novamente mas, talvez, as Tartarugas acabem esbarrando no Demolidor da Marvel.

Publicado em: 10/10/19 19h07