Ciência e Tecnologia

O que é um buraco de minhoca?

0

Muito se fala de buraco de minhoca, tanto na comunidade científica, quanto em conversas de ficção científica e teorias mirabolantes. Assim sendo, nem todo mundo sabe o que é um buraco de minhoca de fato.

Então, um buraco de minhoca é um objeto que, em teoria, cria uma espécie de fenda no espaço-tempo, servindo de atalho entre dois pontos distantes no universo. Por mais que pareça ser uma invenção de uma ficção científica, os buracos de minhoca são completamente possíveis na Teoria da Relatividade Geral proposta por Albert Einstein.

No entanto, eles existem? Enquanto soluções matemáticas para alguns problemas da Relatividade Geral, eles existem. Logo, alguns pesquisadores assumem que é possível encontrá-los em algum lugar do nosso imenso universo.  Por outro lado, isso ainda aparece improvável, já que buracos de minhoca não devem durar muito tempo.

O que é um buraco de minhoca?

Assim, quando o grande físico teórico Albert Einstein publicou suas teorias no início do século XX, os pesquisadores descobriram que o espaço e o tempo são indivisíveis, ou seja, são parte da mesma estrutura chamada espaço-tempo.

Portanto, tudo no universo se encontra nessa “malha”, inclusive o planeta Terra e nós, os habitantes. O espaço-tempo pode ser comparado a uma grande esponja, podendo ser esticado ou apertado. Quando fazemos isso, a estrutura da esponja ao redor do local pressionado se move um pouco também.

Agora, imagine pressionar o mesmo ponto nos dois lado da esponja com o dedo ao ponto de sentir a ponta do dedo do outro lado. Claro, os dedos não podem se tocar porque existe uma camada de esponja entre eles, mas esses pontos ficarão muito próximos.

Caso tivesse uma agulha, poderia atravessar a esponja enquanto os pontos estão pressionados. Contudo, se você soltá-los e deixar o material retornar para seu formato original, sua agulha pode não ser longa o suficiente para entrar por um lado e sair pelo outro.

Dessa forma, o espaço-tempo é muito maior que uma esponja, mas a analogia vale para entender como um buraco de minhoca funciona. Basicamente, é como se alguém pudesse apertar dois pontos distantes no universo, espremendo a malha do espaço-tempo até que os pontos se aproximem.

Não é um atalho

Getty Images/iStockphoto

Por mais que a imagem que se cria é de que o buraco de minhoca é um atalho entre os pontos, não é o caso. Isso porque, teoricamente, o espaço dentro dos pontos ainda é o menor. A distância foi apenas comprimida, assim como a esponja não desaparece quando você pressiona os dois pontos entre deus dedos, ela apenas se contrai.

Como resultado, o buraco de minhoca pode levar um objeto de um lugar para outro em tempos muito mais curtos em comparação com a viagem normal. Então, se pudéssemos controlar o espaço-tempo, poderíamos construir um buraco de minhoca capaz de nos levar a milhões de anos-luz de distância em apenas alguns minutos.

Assim sendo, isso nos leva a uma série de possibilidades, como ir para outras galáxias e talvez até outros universos. Por isso, não é à toa que o conceito é presente na ficção científica, além de muito trabalhos de cientistas. Se a matemática da Relatividade Geral permite tal teoria, então é possível que os buracos de minhoca existam.

Contudo, o buraco projetado por Schwarzschild possui uma gravidade imensa que impede o buraco a se alongar em direção às extremidades e a encolher em torno de seu meio. Logo, o único jeito de impedir que encolha no meio até o colapso é usando algo conhecido como “matéria exótica”, que possui massa, densidade ou energia negativa.

Sem a quantidade exorbitante de energia negativa e pressão positiva, os buracos de minhoca desapareciam antes mesmo de alguém conseguir atravessar. Ou então, desapareceriam durante a travessia, destruindo o viajante. Ainda não sabemos se a matéria exótica existe, mas pesquisadores não descartam a possibilidade.

Fonte: Canaltech

Cadernos desaparecidos de Darwin são devolvidos após 21 anos

Matéria anterior

Americano e russo atingem juntos o recorde de maior estadia na ISS

Próxima matéria

Comentários

Comentários não são permitidos