Sol e calor são duas coisas que formam uma ótima combinação para quem sabe como lidar com elas. Afinal, quando a temperatura começa a aumentar nada melhor do que um bom pote de sorvete, uma piscina para refrescar e líquido, muito líquido gelado. Esse último item, porém, costuma ser até evitado por algumas pessoas pela "dor de cabeça" que eles proporcionam - literalmente.

Geralmente, quando tomamos um líquido muito gelado uma dor aguda e insuportável nos sobe à cabeça instantaneamente - ainda mais se tomarmos de maneira rápida. É como se tivéssemos congelado nosso cérebro. Mas por que isso acontece? Por que a cabeça dói quando tomamos algo muito gelado? A ciência responde.

Um estudo do Departamento de Veteranos do Sistema de Assistência a Saúde de Nova Jersey, em conjunto com a Universidade Nacional da Irlanda e a Universidade Harvard, afirma que a sensação de "congelamento do cérebro" pode ser também uma espécie de "gatilho" para outros tipos de dores de cabeça.

Publicidade
continue a leitura

sorva

Foi pedido a um grupo de voluntários que todos tomassem um copo de água muito gelada. Todos sentiram uma terrível dor de cabeça no mesmo instante, e constatou-se que a dor foi gerada pelo aumento abrupto do fluxo sanguíneo na artéria cerebral, desaparecendo logo depois quando essa artéria se contrai.

Publicidade
continue a leitura

Segundo um dos professores responsáveis pelo estudo,, Jorge Serrador, os resultados mostram que uma artéria específica chamada de artéria cerebral anterior se dilata rapidamente e inunda o cérebro com sangue quando a dor é sentida. A dor desaparece logo depois que a dilatação acaba. Pode parecer uma pesquisa simples e até boba, mas saiba que ela pode ser um importante passo para encontrar uma maneira de controlar o fluxo de sangue e, com isso, oferecer novos tratamentos para os vários tipos de dor de cabeça.

250px-Circle_of_Willis_es.svg

Publicidade
continue a leitura

Portanto, não se preocupe com o famoso "congelamento do cérebro". A dilatação da sua artéria é uma reação natural do organismo e as pesquisas quanto a isso podem abrir portas na medicina!

Fonte: G1

Publicado em: 17/09/15 20h20