Curiosidades

Por que vão soltar 750 milhões de mosquitos na Flórida?

0

Recentemente, o estado da Flórida, nos Estados Unidos, anunciou um plano para soltar 750 milhões de mosquitos geneticamente modificados. Assim, isso deve ocorrer entre os anos de 2021 e 2022, atingindo principalmente o arquipélago de Florida Keys, no sul da Flórida. Com os mosquitos modificados, a ideia é combater o Aedes aegypti, responsável pela transmissão da dengue.

Com o projeto já autorizado pelos governantes estaduais e federais, a notícia não foi bem aceita por residentes e gerou algumas controversas. “Com todas as crises urgentes que nossa nação e o Estado da Flórida enfrentam – a pandemia de Covid-19, injustiça racial, mudança climática – o governo usou dinheiro de impostos e seus recursos para um experimento de Jurassic Park”, afirmou Jaydee Hanson, diretor de políticas do Centro Internacional de Avaliação de Tecnologia e Centro de Segurança Alimentar.

Uma medida alternativa para lidar com o transmissor da dengue

Image 600x334, Fatos Desconhecidos

Para Hanson, a medida está sendo aprovada cedo demais e poderia apresentar riscos a longo prazo. “Agora o distrito de controle de mosquitos do condado de Monroe deu a permissão final necessária. O que poderia dar errado? Não sabemos, porque a EPA se recusou ilegalmente a analisar seriamente os riscos ambientais, agora, sem uma análise mais aprofundada dos riscos, o experimento pode prosseguir”, completou.

De toda forma, o projeto já foi aprovado pela Agência de Proteção Ambiental em maio e, em breve, devemos saber mais informações do projeto. Atualmente, um projeto-piloto busca testar a eficácia do mosquito modificado. Dessa forma, seria possível evitar a transmissão de doenças mortais, como zika, dengue, chikungunya e febre amarela.

Sendo mais conhecido como OX5034, o mosquito foi geneticamente modificado para produzir filhotes fêmeas que morrem na fase larval. Logo, a fêmea, que é quem transmite a doença, morre antes que possa alcançar um ser humano. Em uma situação normal, a fêmea do mosquito pica para buscar o sangue. Isso acontece porque, ela precisa do sangue para amadurecer seus ovos. Enquanto isso, os machos se alimentam apenas do néctar. Portanto, são inofensivos e não transmitem doenças.

Um projeto que já data de mais de uma década

7792 793331A365DD4409, Fatos Desconhecidos

Além da Flórida, os mosquitos também circularão no condado de Harris, Texas, ainda em 2021. “Este é um desenvolvimento empolgante porque representa o trabalho inovador de centenas de pessoas apaixonadas por mais de uma década em vários países, todos os quais desejam proteger as comunidades contra dengue, Zika, febre amarela e outras doenças transmitidas por vetores”, afirma Gray Frandsen, CEO da Oxitec.

Vale lembrar que, ainda que o estado da Flórida tenha aprovado o projeto, sua aprovação levou mais de uma década para ser feita. Assim, desde 2009 e 2010, surtos de Aedes aegypti se tornaram preocupantes em Florida Keys. E claro, demandaram muito investimento público, cerca de US$ milhão por ano. Desse modo, em 2012, o OX513A, uma versão anterior do OX5034, foi produzida pela Oxitec. Mas, ao contrário de outros estados e país, onde o mosquito foi testado, na Flórida há uma resistência maior pelo projeto. Nesses casos, a justificativa é que os mosquitos colocarão a população em risco. Além de que, essa não seria a prioridade para o momento.

Site indica volta de Joaquin Phoenix como Coringa para mais dois filmes

Matéria anterior

Novo jogo de Harry Potter ganha trailer de tirar o fôlego

Próxima matéria

Você também pode gostar

Mais em Curiosidades

Comentários

Comentários não são permitidos